Prefeitura não descarta demolição do antigo Centro de Saúde

Flávio Magalhães

A Prefeitura ainda avalia quais providências devem ser tomadas em relação ao antigo prédio do Centro de Saúde, localizado na Avenida Santo Antonio, ao lado do Centro Cultural “Lauro Monteiro de Carvalho e Silva”. A decisão deve ser tomada após reuniões com o Ministério Público e a Justiça local.

O parecer do Centro de Documentação Histórica (Cedoch) emitido em agosto do ano passado desaconselhando a demolição do prédio, como queria a Prefeitura, não colocou um ponto final no imbróglio. Isso porque um abaixo-assinado vem sendo organizado pelos moradores daquela região para que o Poder Público tome providências quanto ao imóvel.

Nesta semana, A COMARCA recebeu relatos de que o antigo Centro de Saúde vem servindo de abrigo para usuários de drogas e de que materiais como telhas estão sendo furtados do local, que já não possui portões. Por enquanto, segundo informou a Administração Municipal, atitudes serão adotadas apenas depois que uma decisão final sobre o prédio.

Após o parecer do Cedoch, o secretário de Governo Danilo Zinetti está reunindo mais informações sobre as condições do imóvel. Um segundo documento, elaborado pela Defesa Civil, já foi entregue à Prefeitura opinando pela demolição do prédio, que estaria condenado. Agora Zinetti aguarda uma avaliação do CREA (Conselho Federal de Engenharia e Agronomia) antes de se reunir com representantes da Justiça e do MP.

Para A COMARCA, o prefeito Carlos Nelson Bueno (PSDB) afirmou que tem opinião contrária à do Cedoch. “O prédio não tem qualidade artística ou arquitetônica, tanto que foi abandonado. Não por nós, pelos que vieram antes de nós”, ressaltou. “Foi um laudo infeliz”, resumiu. A intenção do chefe do Executivo é aumentar a área útil do Centro Cultural com a demolição do antigo Centro de Saúde.

Futuro do prédio abandonado em plena região central ainda é incerto

RELEMBRE
A conclusão do parecer emitido pelo Cedoch sobre o pedido de demolição do imóvel localizado na Avenida Santo Antonio é de que o prédio possui valor histórico e não deve ser derrubado. O documento apontou que o imóvel do Centro de Saúde possui “significativo valor histórico” não apenas para Mogi Mirim, mas também para o Estado de São Paulo, visto que é fruto da “Escola Paulista de Arquitetura Moderna”, conhecida pela adoção do concreto armado aparente e pela valorização da estrutura.

Na época, o prefeito Carlos Nelson deu sinais de que iria respeitar a sugestão do Cedoch, ou seja, não ordenar a demolição do prédio da Avenida Santo Antonio. “Não sou o dono da cidade, mas vai ficar aquele elefante branco”, disse para A COMARCA, em referência ao Centro de Saúde. O parecer possui caráter meramente opinativo, embora seja embasado e endossado por arquitetos, historiadores e professores. A obrigação de consulta prévia ao órgão foi instituída em 2015, durante a revisão do Plano Diretor, numa tentativa de se preservar o já escasso patrimônio histórico-cultural de Mogi Mirim.

Na ocasião da inauguração do Centro de Saúde, em 1961, A COMARCA não poupou criticas ao imóvel. “Prédio insignificante, com falhas gritantes”, cravou o jornalista Arthur Azevedo, na época. Isso porque a construção se mostrava acanhada, aquém da sua importância. O parecer emitido pelo Cedoch indica que as críticas de A COMARCA tinham fundamento, já que a antiga Unidade Polivalente de Saúde recebeu ampliações após a sua inauguração, um indício de que o imóvel original não suportava a demanda de serviços.

Editoria: , ,

Mogi Mirim vive crise de desabastecimento de água

Desde o início do ano, o Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgotos) tem encontrado dificuldades para assegurar o abastecimento de água para toda a população mogimiriana. Tanto que nesta semana, a autarquia admitiu que devido ao excesso de consumo de água nos últimos dias, em virtude das altas temperaturas, alguns bairros da cidade estão enfrentando desabastecimento. Ou seja, está faltando água nas casas dos moradores, já que quando o volume da captação não é suficiente para abastecer os reservatórios, o abastecimento fica comprometido.

“Não há motivo para a gente vir aqui e enganar a população. Hoje, na atual circunstância, o que a população está consumindo de água é mais que o Saae pode produzir. Nós chegamos numa situação em que os níveis de reserva caíram demais, e tem localidades que a gente não consegue suprir a demanda. Não conseguimos fornecer a quantidade de água que aquela população consome, isso tem se concentrado principalmente na região do Jardim Paulista e parte alta da zona Leste”, lamentou o presidente da autarquia, Rodrigo Sernaglia.

A autarquia tem feito manobras desde sábado, 12, a fim de garantir o abastecimento nos reservatórios, mas com temperaturas próximas dos 35 graus, o consumo de água tem superado as previsões. “Infelizmente, não temos nenhum milagre a fazer, temos que pedir à população que use água de maneira racional, que consiga economizar água, use para aquilo que realmente é necessário”, frisou.

Embora essa dificuldade venha desde o início do ano, a situação se agravou no final de semana. Por isso, desde sábado, o Saae tem acompanhando essas intercorrências e ainda não conseguiu recuperar o sistema. Por isso, Sernaglia fez uma projeção nada animadora. “Com as temperaturas altas que temos registrado e falta de chuva, a tendência é piorar. Há situações em que os reservatórios não tinham um pingo de água mesmo. Falta água para a população. Reforço a necessidade em usar água racionalmente”, frisou.

O que pode ser um alento é o fato de o Saae não descartar a possibilidade de que exista vazamentos nas tubulações. O presidente disse que a autarquia tem trabalhado para identificar eventuais vazamentos e, houver, corrigir esse problema. “O sistema de produção de água não se alterou, a população não cresceu e as atividades industriais também não tiveram grandes sobressaltos. Em tese, o sistema deveria conseguir manter o abastecimento para essa população. É por isso que não descarto a hipótese de um vazamento. Se a gente conseguia manter esse abastecimento até um mês e meio ou dois, por que não conseguimos fazer isso agora?”, ponderou.

Além do alto consumo, a falta de chuva também é fator preponderante. “Em dia que está chovendo, você não vê as pessoas lavando calçada, lavando carro. Isso ajuda a manter o sistema equilibrado, em níveis elevados de reservação. À medida que não tem chuva, as pessoas sentem calor e há aumento de consumo de uma maneira incrível. Você olha o sistema de telemetria e observa baixando os níveis de minuto a minuto. Do final da tarde ao início da noite, é o pior horário, é o período mais crítico”, observou.

Para amenizar e, quem sabe, acabar com o problema, obras estão sendo feitas pelo Saae para aumentar a oferta de água. Rodrigo Sernaglia informou que a autarquia tem um financiamento com a Caixa Econômica Federal, oriundo do PAC 2 (Programa de Aceleramento do Crescimento), para a construção da a terceira adutora de água bruta. “O trabalho está bem avançado já, cerca de 80% da linha já foi instalada”, informou.

Além disso, segundo o presidente, o Saae deve publicar em fevereiro, o edital de licitação para a duplicação da ETA (Estação de Tratamento de Água). “São obras que já estão em nosso orçamento, inclusive de 2019, que devem durar em torno de 12 meses. É possível que no início do próximo ano tenhamos o sistema funcionamento, que resolverá todos os problemas em tese. Vai nos dar condições de operar com folga, até com capacidade ociosa”, adiantou.

Sernaglia explicou que essa ‘ociosidade’ é necessária, face a alguns fatores que implicam nas operações. “Muita gente não sabe, mas, das 17h30 até as 20h30, a energia elétrica custa mais caro que o horário normal. Nossa ideia com a ETA trabalhando com capacidade dobrada, é que tenha folga para trabalhar nesse horário, para economizar energia. Hoje não conseguimos, porque o bombeamento funciona quase que 24 horas por dia, isso encarece nosso custo operacional”, argumentou.

“À medida que temos uma condição de ter folga, capacidade ociosa no sistema, nós podemos trabalhar menos nesses horários em que a energia é mais cara, para que a gente contenha nossos custos operacionais, e isso pode reverter em diminuição na fatura do contribuinte, ou num ano que não tenha reajuste para o contribuinte, Essa capacidade tem o seu porquê dentro do planejamento da autarquia”, reforçou.

Enquanto aguarda as obras, a Saae segue administrando dentro da capacidade possível, realizando manobras no sistema. “A gente manda menos água num canto para mandar mais para outro, para poder equalizar o sistema. A pessoa pode sentir que a água de sua casa está com menos de pressão, mas não vai faltar. Mas, não vamos vencer sempre. Por isso, a colaboração da população é fundamental. Não temos condições operacionais de produzir mais água hoje. Se consumir mais, vai faltar para alguém. Então, todos devem colaborar para que não falte água para ninguém”.

BOMBA
No início da noite de sexta-feira, 18, a Prefeitura informou, em nota, que o Saae detectou um problema na bomba da Estação de Captação, junto à barragem da represa, no bairro Paraíso da Cachoeira. O equipamento, devido a ação do tempo, não estava captando o volume de água ideal para abastecer todos os reservatórios. Técnicos da autarquia identificaram o problema e imediatamente foi determinada sua substituição.

Editoria: ,

Em 90 dias, reforma da Câmara avança só 5%

Flávio Magalhães

Transcorridos 90 dias de reformas do prédio da Câmara Municipal e do antigo Gabinete do prefeito, na Rua Dr. José Alves, apenas 5% dos trabalhos foram concluídos. Essa é a situação atual da obra contratada pelo Legislativo mogimiriano no ano passado junto a empresa LGB Construções, de Poços de Caldas (MG), pelo valor de R$ 303 mil.

A lentidão das obras tem sido motivo de preocupação para o presidente Manoel Palomino (PPS) e para os demais componentes da Mesa Diretora da Casa de Leis, responsáveis pela gestão da Câmara Municipal desde 1º de janeiro. Um relatório recebido na terça-feira, 15, elaborado pelo engenheiro contratado pelo Legislativo, confirma a morosidade da reforma.

O documento, assinado pelo engenheiro Agnelo Franco Júnior, aponta que a reforma do antigo Gabinete do prefeito e a etapa de instalação elétrica e telefônica estavam totalmente sem atividades na data da vistoria. A única atividade, com “baixíssima produção”, era executada no pavimento superior do prédio, onde são realizadas as sessões. Um único funcionário executava pequenos reparos no local.

Na última quinta-feira, 17, a reportagem de A COMARCA esteve no local acompanhada do chefe de Gabinete da Câmara, Everaldo Pereira. Na ocasião, um único funcionário trabalhava no pavimento inferior, retirando o piso antigo. No interior do imóvel, há muito entulho a ser recolhido, mas não havia nenhuma caçamba do lado de fora, para destinar os restos de construção. Na parte superior do prédio, não havia ninguém trabalhando.

Palomino afirmou que inspeciona diariamente as obras, desde que se tornou presidente da Câmara, seja pessoalmente ou seja por seu chefe de Gabinete ou por sua assessora técnica, Gisele Anselmo. Uma notificação extrajudicial em razão da morosidade da reforma já foi encaminhada à empresa, que ainda não respondeu ao Legislativo Municipal, embora os prazos já tenham se esgotado.

Um agravante que chegou ao conhecimento da Mesa Diretora nesta semana é um possível atraso no pagamento aos funcionários por parte da empresa. A denúncia partiu de um dos trabalhadores da reforma e foi feita à presidência da Câmara, que agora cobra da LGB um posicionamento.

Obras continuam em ritmo lento

ADITAMENTO
No início do mês, a Câmara Municipal realizou um aditamento no contrato para a reforma. Isso porque, segundo explicou Palomino, as condições da tubulação de esgoto do antigo Gabinete do prefeito exigem um acréscimo no serviço, o que não estava previsto na licitação. O aditamento é de R$ 65,6 mil, aumentando o valor total da obra para quase R$ 370 mil.

O acréscimo foi autorizado pelo ex-presidente Jorge Setoguchi (PSD), mas acompanhado de perto por Palomino, que exigiu o menor valor possível para o aditamento. Com isso, também se estendeu em 45 dias o prazo das obras, cujos os 90 dias iniciais previstos se esgotaram nessa semana. O novo prazo agora é a segunda quinzena de fevereiro, pouco antes do Carnaval.

REFORMA
O novo presidente da Câmara também alterou a disposição dos gabinetes dos vereadores na reforma. Até então, estava previsto que os setores administrativos da Câmara retornariam ao seu lugar de origem, próximos ao plenário. Além disso, a sala da Presidência e mais seis gabinetes parlamentares seriam instalados ali. No antigo Gabinete do prefeito, ficariam os outros 11 gabinetes.

Consultando especialistas, Palomino determinou que no antigo Gabinete do prefeito sejam acomodados os vereadores integrantes da Mesa Diretora (incluindo a sala da Presidência) e os setores administrativos da Casa (Contabilidade e Jurídico, por exemplo), além de salas para o chefe de Gabinete e para a assessora técnica da Presidência. A ideia é dinamizar os trabalhos de gestão do Legislativo ao colocar todos próximos. Dessa maneira, os demais 12 vereadores serão alocados no pavimento superior, próximos ao plenário.

Criança morre afogada em piscina

O menino Heitor Costa de Souza, de 3 anos e 7 meses, morreu na manhã de domingo, 13, após permanecer por algumas horas internado no Hospital Metropolitano de Campinas. Ele se afogou em uma piscina.

A criança estava em uma chácara na cidade de Itapira, no Condomínio Bie II. Heitor estava com boias. Na piscina onde estava, havia outras pessoas, que não perceberam que o menino estaria se afogando.

O garoto foi socorrido e levado para o hospital em Campinas, mas não resistiu, vindo a falecer. A família é moradora do bairro Jardim do Lago, Zona Leste de Mogi Mirim. O sepultamento aconteceu na segunda-feira, 14, e contou com a presença de mais de 500 pessoas.



Editoria:

Ricardo Brandão anuncia candidatura e diz que Mogi Mirim ‘precisa de mudança’

A cada eleição em Mogi Mirim, o nome do empresário Ricardo Brandão (MDB) é sempre lembrado como uma opção para comandar o Poder Executivo. Em 2016, ele saiu candidato e foi derrotado nas urnas pelo atual prefeito Carlos Nelson Bueno (PSDB).  E em 2020, Brandão já anunciou que colocará seu nome novamente à disposição do eleitorado mogimiriano. Ele se diz preparado para recolocar Mogi Mirim no caminho do desenvolvimento.

“Mogi Mirim precisa dessa mudança. Para pegar seu caminho novamente do desenvolvimento e do progresso”, frisou Brandão. O empresário garantiu que essa manifestação – de postular novamente à cadeira de prefeito – não se trata de uma decisão de voltar ao cenário político. “Em momento algum deixei de ter essa opção desde a eleição passada. Eu até diria desde o dia seguinte ao resultado oficial da campanha de 2016”, destacou. 

Dentre os motivos que o fizeram manter essa posição, Brandão aponta o grupo que conseguiu articular para a eleição passada e que o apoiou na campanha. “Os companheiros cobraram de que eu deva tentar mais uma vez, porque as propostas que trago para Mogi Mirim são de trabalho, de desenvolvimento, de progresso, e não de retrocesso como acontece atualmente, trazendo mais indústrias, emprego, divisas e empreendedores para a cidade, e não limitar a um ou dois empreendimentos de interesses de poucos” comentou.

Outro fator decisivo, segundo o empresário, foi o próprio desempenho nas urnas em 2016. Na ocasião, obteve 12.758 votos (30,54% do eleitorado), frente os 16.423 votos recebidos pelo atual prefeito (39,31% do total). “Foi uma votação expressiva nas condições em que as eleições aconteceram, com cinco candidatos e um, inclusive, que já havia sido prefeito de Mogi Mirim duas vezes, outras em Mogi Guaçu e deputado. Não posso desprezar esse espólio eleitoral que conquistei”, argumentou. Por essa razão, Brandão enfatizou que o grupo, através de si, quer essa mudança para Mogi Mirim.

Embora tenha ficado longe dos holofotes desde a eleição, Brandão garante que, sempre que possível, se faz presente à sociedade. “No meio político eu até evito para não querer confrontar. Existe um monte de coisas acontecendo na administração atual e se eu for opinar, pode haver uma confrontação e isso não quero”, frisou. Mesmo assim, não deixou de tecer críticas à gestão de Carlos Nelson.

“Um administrador experiente não pode errar, tem que estar presente sempre, ao lado do povo, visitar os quatro cantos da cidade, compartilhar os problemas e escutar a população e não através de uma posição egocêntrica, se recolher ao gabinete e nos piores momentos ter a ousadia de falar que estará espanando, que não sabe se vai continuar, é um absurdo. Falar o que fala é um absurdo”, apontou.

E acrescentou. “Há pontos negativos, como a saúde. Ao invés de somar com a Santa Casa, ele destruiu. É verdade, no governo passado ele nomeou um interventor e agora tira a estrutura maior do hospital e do povo, que era Unidade de Pronto Atendimento. Segurança nem é bom falar, está aí diuturnamente. A limpeza pública está terrível, pode querer enganar meia dúzia, limpando uma hora a Pedro Botesi, outra hora a Adib chaib, mas a periferia da nossa cidade continua uma bagunça. Vi uma declaração do prefeito que fechou o ano com R$ 5 milhões em caixa. Tinha que aplicar, por exemplo, na limpeza. Qual a vantagem de falar que tem R$ 5 milhões em caixa e a sujeira ainda continuando na cidade? ”, questionou.

Brandão foi candidato em 2016, ocasião na qual teve quase 13 mil votos

INTERNET
Para a próxima eleição, Brandão quer contar com a tecnologia a seu favor. “Vou usar as redes sociais. Daqui para frente, estarei presente nas redes sociais, com isso, estarei presente na casa de todos os mogimirianos. Hoje é o canal de comunicação mais rápido e mais fácil”, adiantou.

Através dessa estratégica, ele quer ampliar os debates em cima do seu plano de governo, o qual pretende utilizar o mesmo de dois anos atrás. “Meu plano de governo para 2020 está pronto, ele foi muito bem elaborado, feita por pessoas de alto gabarito de nossa cidade. Pena que não deu muito para divulgar, muita gente não teve interesse de ir a fundo para discutir o plano. Agora, com dois anos pela frente, é dar uma atualizada e com o decorrer do tempo ir falando sobre ele, com cuidado de não ser punido por fazer campanha antecipada”, disse.

Seu objetivo em querer voltar a administrar a cidade é de ser uma mudança para melhor. “Serei prefeito 24 horas por dia, como fiz na minha primeira gestão. Não vamos ficar fechados em gabinete, trancados, tramando coisas em que o município é colocado em segundo lugar, vamos estar nos bairros, sendo sincero com o povo. Vamos dizer para o cidadão se o seu problema vamos ter como resolver ou se não tem como resolver”, frisou.

Por fim, sabe que o momento é oportuno, até pela resposta dada pela população nas eleições gerais de 2018. “O que aconteceu com o nosso país no ano passado foi uma mudança extraordinária, a população está cansada dos políticos profissionais. Serviu e servirá de exemplo para todos os níveis, inclusive municipal.  Os administradores precisam ficar atentos a essa mudança, pois espera-se um administrador probo, que realmente assuma a prefeitura para trabalhar em benefício do povo. É um cidadão eleito prefeito, que continua sendo cidadão, empregado do povo, foi ali colocado para trabalhar em nome do povo”, concluiu.

Bandidos armados promovem terror em assalto a casa lotérica

Dois homens que ocupavam uma XT 600, a qual a polícia já tem o conhecimento de que se trata de uma moto roubada, promoveram momentos de horror em funcionários e clientes que estavam no interior da lotérica Simpatia, localizada na Praça Rui Barbosa, região central de Mogi Mirim. De lá, os criminosos se apoderaram de mais de R$ 15 mil que estavam nos caixas.

O roubo à casa lotérica aconteceu no início da tarde de quinta-feira, 10. Populares que estavam na praça central puderam visualizar a ação, que durou alguns segundos. Câmeras de segurança da lotérica também registraram todo o crime.

As imagens mostram o momento em que os bandidos chegam ao estabelecimento e param a moto sobre a calçada. Os dois estavam de capacete. Um dos ladrões entra, rende funcionários e clientes, obrigando-os a se deitarem no chão. O comparsa permanece na porta, impedindo que clientes que estavam no local deixassem as dependências.

As funcionárias foram obrigadas a abrir as portas de acesso para que o assaltante que entrou pudesse chegar até os caixas. Após se apoderarem do dinheiro, os dois bandidos subiram na moto e fugiram em alta velocidade pela calçada, saindo sentido Avenida Santo Antônio e, posteriormente, rumaram para a Zona Leste.

Alguns dos clientes que estavam na lotérica durante o assalto precisaram de atendimento médico. Equipes do SAMU e do Corpo de Bombeiros estiveram pelo local para dar assistência. A lotérica ficou fechada até o fim do expediente de quinta-feira, mas, reabriu as portas normalmente no dia seguinte.

Em nenhum momento a dupla retirou os capacetes, dificultando um possível reconhecimento por parte das autoridades. Mas, logo após o crime, investigadores da Polícia Civil começaram a trabalhar nas investigações e já existe indicativo de suspeitos.

É a segunda vez em aproximadamente dois meses que o estabelecimento é alvo da ação criminosa. Na ação anterior, os bandidos roubaram cerca de R$ 12 mil.


Editoria: ,

Carro capota e mata idoso no Centro

Alcindo Luiz Guedini, de 70 anos, faleceu no início da tarde de terça-feira, 8, após ter sido vítima de um atropelamento na região central de Mogi Mirim.

O acidente aconteceu na Rua José Bonifácio, quando um veículo GM Ônix, conduzido por Benedita Aparecida Mariano Musignato, 58, acabou subindo na calçada, atingindo Alcindo e capotando logo em seguida, em via pública.

Segundo as informações colhidas pelos GCMs Sonia e Jefferson, a condutora do GM Ônix estava com o carro estacionado quando, ao tentar sair com o veículo, teria tido um mal súbito e acabou acelerando, ao invés de frear. O carro desgovernado ganhou velocidade ao subir na calçada.

O veículo utilizado pela condutora é um carro especial, já que Benedita possui deficiência física, inclusive, havia um adesivo indicando essa informação em um dos vidros do Ônix. Unidades do Resgate e do SAMU foram acionados ao local para prestar socorro às vítimas. Benedita foi encaminhada para atendimento e permaneceu internada para cuidados médicos.

Já Alcindo, que sofreu fraturas em ambas as pernas e no braço direito, recebeu os primeiros cuidados no local do acidente, onde muitos populares se aglomeraram.

Ele foi levado à Santa Casa, mas por volta do meio-dia acabou falecendo, após uma parada cardiorrespiratória. A Polícia Civil irá instaurar o inquérito para apurar as causas do acidente, sendo que a condutora e prováveis testemunhas deverão ser intimadas.


Editoria:
Scroll to top