No dia 21, StockCar vai passar por Mogi Mirim

Pela primeira vez no calendário da categoria, a StockCar estará no autódromo Velo Città em Mogi Guaçu, neste 2017. O evento está marcado para agosto, mas a Secretaria de Esportes de Mogi Mirim conseguiu antecipar o ronco dos motores para que toda a população possa ver de perto os carros da maior categoria do automobilismo nacional.

Em parceria com a equipe Eurofarma, além do carro, estarão na cidade os pilotos Max Wilson, Ricardo Maurício e Daniel Serra. O evento acontece no dia 21 de março. “Em agosto, os carros estarão confinados no autódromo e poucas pessoas terão acesso, o que queremos junto à equipe é trazer essa paixão nacional para perto das pessoas”, diz Marcos Dias dos Santos, o Marquinhos, secretário de Esportes, Juventude e Lazer de Mogi Mirim.

A ação começa às 8h com a exposição do V8 Stock Car em frente à Praça Matriz de São José. Os pilotos chegam uma hora depois. Das 10h às 11h, os pilotos farão um bate papo no Centro Cultural “Lauro Monteiro de Carvalho e Silva”. A entrada é gratuita, mas as primeiras 150 pessoas que levarem um livro infantil em bom estado, ganharão um boné da equipe na entrada do evento. Os livros serão doados para a cidade.


No mesmo dia será lançada a campanha “Realizando Sonhos Através do Esporte”, para todos os jovens da rede pública de ensino. Todos serão convidados a criar um desenho com o tema. Em agosto, mês da corrida, a Secretaria de Esporte irá exibir todos os desenhos numa grande exposição cultural e selecionará dez jovens para assistirem à corrida no dia 06 de agosto, junto com a equipe.

A equipe Eurofarma é pentacampeã da StockCar e tem em seu time três dos maiores pilotos da categoria. Ricardo Maurício é bicampeão (2008/2013), Max Wilson também já ganhou o título (2010) e Daniel Serra, o mais novo integrante, chega esse ano para brigar pela liderança. Filho do ex-piloto de F-1, Chico Serra, Daniel integra a elite do esporte à motor nacional e pela primeira vez terá três grandes pilotos disputando o título da temporada.

O ano promete muita adrenalina e Mogi Mirim será a primeira cidade do interior do estado a sentir a emoção do ronco do motor. O secretário de Esporte, Marquinhos Dias, comemora a parceria inédita que coloca o município no caminho da equipe Eurofarma e quem ganha é a população.

Professores estaduais em greve no dia 15

Mais de 30 mil professores participaram na tarde de quarta-feira, 08, da assembleia estadual da categoria, que aprovou medidas para organizar a participação na greve nacional da educação, convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, com início na próxima quarta-feira, 15.

Diversos professores de Mogi Mirim compareceram ao ato, o que ocasionou a suspensão de aulas na última quarta-feira em algumas escolas, como a “Monsenhor Nora” e a “Dr. Oscar Rodrigues Alves”, ambas na região central. No dia 15, será realizada uma nova assembleia na Praça da República que deliberará sobre a continuidade ou não da greve e os próximos passos do movimento.


Os professores estaduais reivindicam reajuste salarial de 21% para repor os três anos que a categoria está sem reajuste, pedindo também a reabertura das mais de mil salas de aula fechadas. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) prometeu reajustar os salários dos professores de Educação Básica I, não contemplando os demais. "Não vamos aceitar isso. Toda a categoria necessita de reajuste", concluiu a presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel de Azevedo Noronha.

Maria Izabel prometeu também intensa luta contra a Reforma da Previdência, mobilizando a categoria, os estudantes e os pais de alunos. "Temos de tomar as ruas, nos aliar com outras categorias. A reforma é tão ruim para o povo que não adianta propor emendas ao projeto. É preciso rejeitá-la por completo, junto ao rechaço contra esse governo golpista, que tirou do poder uma mulher honesta", afirmou, fazendo referência a Dilma Rousseff (PT).

Para a representante da Apeoesp, a reforma da Previdência é nefasta para todos os trabalhadores, mas prejudica em especial as mulheres. "Elas vão ser as mais prejudicadas, porque, além de trabalhar fora, ainda são responsáveis pela maior parte do serviço doméstico. Com a igualdade da idade de 65 anos para se aposentar, as mulheres nunca vão conseguir o benefício", avaliou.

Editoria: ,

Confusão e derrota marcam estreia no ‘Vail Chaves’

Um dia para ser esquecido. Assim pode ser definida a estreia do Mogi Mirim Esporte Clube jogando em seu estádio pelo Campeonato Paulista da Série A2, na tarde do último sábado, 04. Uma confusão entre os torcedores, provocada pela proibição da entrada de menores de idade no “Vail Chaves” precedeu a derrota por 3 a 1 para o Água Santa.

O time de Diadema deixou o Sapão da Mogiana em situação delicada, na 19ª colocação do torneio e uma sequência de quatro jogos sem vitória. Os gols dos visitantes foram marcados por Raí, duas vezes, e Romão. Marcelinho descontou para o Mogi.

O JOGO
Mesmo atuando fora de casa, o Água Santa tomou iniciativa do duelo e acabou abrindo o placar aos 19 minutos. Romão tabelou com Robson e mandou para o fundo das redes. Robson também teve a chance de deixar o seu, saiu de cara para o gol, tentou driblar o goleiro Poti, mas acabou levando a pior e desperdiçando grande oportunidade.

O Mogi Mirim sentiu e não encontrou espaço para furar o bloqueio adversário, que recuou chamando o Sapão para o seu campo de defesa e tentando encaixar um contra-ataque para definir o duelo. A equipe da casa, então, procurou usar a velocidade para surpreender, porém, sem sucesso.

No segundo tempo, o jogo ficou mais aberto. Apesar de atuar de uma forma recuada, o Água Santa levava perigo e marcou o segundo aos dez minutos. Bruno Schmidt puxou contra-ataque e tocou para Robson. Após bate-rebate, a bola sobrou para Raí, que ampliou.

A resposta do Mogi veio na sequência com Edinho, que acertou a trave, mas foi o Água Santa quem fez o terceiro, novamente com Raí. Apesar da desvantagem, o Sapão não desistiu e ainda conseguiu fazer o gol de honra com Marcelinho, após cobrança de falta ensaiada.

Foto: Marcelo Gotti / MMEC

TORCIDA
O tempo nublado e a má fase do time mogimiriano espantaram os torcedores. Segundo o boletim financeiro da Federação Paulista de Futebol (FPF), apenas 264 pessoas compareceram ao “Vail Chaves”, gerando uma renda de R$ 3,6 mil.

No entanto, um terceiro fator contribuiu para o baixo público na partida: a proibição da entrada de menores de idade no estádio. Crianças e adolescentes foram barrados e, consequentemente, tiveram de voltar para casa sem poder assistir o jogo do Sapo.

De acordo com a assessoria de imprensa do Mogi Mirim, a proibição de menores foi uma determinação do juiz da Vara da Infância e Juventude do município. O clube não especificou as razões que levaram a essa decisão, mas se comprometeu a sanar os problemas encontrados pela Justiça.

Mais de R$ 17 milhões devem ser injetados na economia de Mogi Mirim com FGTS inativo

Mogi Mirim deve movimentar aproximadamente R$ 17,6 milhões, que poderão ser sacados pelos trabalhadores que possuem valores depositados nas contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A estimativa foi feita pela economista Caroline Miranda Brandão a pedido do Sindicato do Comércio Varejista de Mogi Mirim (Sicovamm).

O cálculo leva em consideração os R$ 43,6 bilhões depositados nas contas de trabalhadores de todo o Brasil que pediram demissão ou tiveram seu contrato de trabalho finalizado por justa causa até 31 de dezembro de 2015. Para chegar ao valor, foi calculada uma média de benefício para cada trabalhador de Mogi Mirim, tendo em vista que em todo o Estado, aproximadamente 10 milhões de pessoas tem direito ao benefício.

Segundo José Antonio Scomparin, presidente do Sicovamm, o fato deve animar os comerciantes. “É uma boa oportunidade para nós, comerciantes. É mais dinheiro disponível e que pode circular em nossa cidade, basta os empresários saberem aproveitar, fazendo promoções, descontos ou elaborando formas de chamar atenção dos cidadãos que terão direito a sacar esses valores”, disse ele, confiante com o aumento do consumo e com a nova dinâmica na economia que isso poderá causar.

Desde ontem, 10, trabalhadores nascidos em janeiro e fevereiro poderão sacar os valores. Algumas agências da Caixa na região ficarão abertas hoje para dar conta do movimento. Em 10 de abril, será a vez de quem faz aniversário em março, abril e maio; 10 de maio, para nascidos em junho, julho e agosto; seguidos por setembro, outubro e novembro, que receberão a partir de 16 de junho. Os nascidos em dezembro terão os valores liberados a partir de 14 de julho.

Cerca de 30,2 milhões de trabalhadores tem direito de sacar os valores depositados nas contas inativas do FGTS, conforme estimativas do governo federal. De acordo com a Caixa Econômica Federal, existem 49,6 milhões de contas inativas com saldos que somam R$ 43,6 bilhões.


DOCUMENTOS 
Nas agências Caixa, é necessário número de inscrição do PIS/PASEP, documento de identificação do trabalhador e comprovante de finalização do contrato de trabalho (Carteira de Trabalho ou Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho). Para valores acima R$ 10 mil é necessário apresentar Carteira de Trabalho ou documento que comprove a extinção do vínculo de trabalho.

Nos correspondentes Caixa Aqui e Casas Lotéricas, para valores até R$ 3 mil, é preciso documento de identificação do trabalhador, Cartão do Cidadão e senha. Já no autoatendimento, nos valores até R$ 1,5 mil, o saque pode ser realizado somente com a senha do Cartão do Cidadão e para valores entre R$ 1,5 mil e R$ 3 mil, o saque pode ser realizado com o Cartão do Cidadão e senha.

Editoria: , ,

Proposta que altera a cesta básica do funcionalismo é adiada pela Prefeitura; entenda

O prefeito Carlos Nelson Bueno (PSDB) solicitou ontem, 10, à Câmara Municipal a retirada do projeto de lei que pretendia alterar a cesta básica do funcionalismo municipal. A proposta, segundo a Administração, era adequar o benefício ao orçamento da Prefeitura e corrigir injustiças que existem há muitos anos.

Segundo a Prefeitura, a retirada do projeto de lei é para um reexame da matéria. A expectativa é de que sejam feitas alterações na proposta pelo Poder Executivo. A propositura estava tramitando nas comissões de Justiça e Redação e de Finanças e Orçamento.

De acordo com o secretário municipal de Administração, Ramon Alonço, a motivação do projeto foi por um erro do ex-prefeito Gustavo Stupp (PDT) na hora de elaborar a reserva orçamentária de 2017. Isso resultou numa defasagem que precisa ser corrigida.

Além disso, na gestão Stupp, houve a redução de itens da cesta básica e consequentemente queda na qualidade dos produtos, em razão da crise financeira atravessada pela Prefeitura já no ano passado.
Com o encerramento do contrato com a CVS em fevereiro, a Administração Carlos Nelson realizou um contrato emergencial com a Comercial João Afonso (CJA). Já nessa licitação, a Prefeitura conseguiu o retorno de alguns itens que haviam sido suprimidos no ano passado e uma melhora na qualidade dos produtos.

Tudo isso gastando menos do que o Governo Stupp, que comprava as cestas por R$ 380 mil ao mês. A partir de agora e até maio, período de vigência do contrato emergencial, a cesta básica que os servidores públicos receberão terá 24 itens, ao invés de 21, ao preço de R$ 339 mil mensais.
Antes do fim do contrato de emergência com a CJA, a Prefeitura realizará uma nova licitação, dessa vez definitiva. Mas antes, precisa consultar a Câmara Municipal sobre a forma de cálculo para a concessão de cestas básicas aos seus funcionários.

A ideia era levar em consideração os vencimentos dos trabalhadores da Prefeitura, e não o salário-base, como é hoje. A atual legislação permite aberrações, como funcionários com salário real de R$ 6 mil ou até R$ 10 mil recebendo o benefício da cesta de alimentos praticamente de graça.

Isso ocorre porque a base de cálculo atual não leva em consideração acréscimos no salário dos servidores mais antigos, como os biênios, quinquênios e sexta parte. O Governo Municipal agora quer mudar essa realidade. “O município está custeando cesta básica para quem não precisa”, explicou Alonço.

A proposta da Prefeitura, no projeto de lei retirado ontem, era a seguinte: os trabalhadores que ganham até R$ 2 mil por mês receberiam a cesta de graça. Aqueles que recebem entre R$ 2 mil e R$ 3 mil sofreriam na folha de pagamento um desconto de 25% do valor da cesta (cerca de R$ 50). Os que possuem salário entre R$ 3 mil e R$ 4 mil arcariam com 50% do valor (cerca de R$ 100). Já aqueles quem tem vencimentos maiores que R$ 4 mil, teriam de pagar integralmente a cesta, estimada em R$ 200.

Além disso, a Administração extinguiria o sistema “ponto a ponto”, que entrega a cesta básica na residência do trabalhador a um custo de R$ 30 por cesta. Isso porque a maioria dos funcionários prefere retirar a cesta de alimentos nos barracões da Prefeitura, como era antes do Governo Stupp. “E o que gastamos com o ‘ponto a ponto’ podemos reverter na qualidade dos itens”, justificou Alonço.

A Prefeitura garante que conseguirá investir R$ 200 por cesta básica caso a lei seja alterada, o que resultaria em significativa melhora do benefício, uma vez que a cesta de 24 itens que será entregue a partir deste mês pela CJA custa R$ 170.

O secretário de Administração Ramon Alonço ao lado do secretário de Governo Danilo Zinetti

APOSENTADOS
Caso a lei da cesta básica não seja alterada, a Prefeitura prevê que aposentados por invalidez pelo INSS, que pela nova regra ficam nessa categoria por tempo indeterminado, passam a ter direito de receber a cesta básica, diferentemente dos aposentados em definitivo. Seriam cerca de 200 pessoas nessa situação.

Como não há dotação orçamentária, a cesta teria que ser dividida também entre esses aposentados. “Tenho na minha mesa pedidos de pessoas que se aposentaram há 20 anos, que não tinham esse benefício, e que agora querem cesta básica”, relatou Alonço.

A ideia do Governo Municipal é não extinguir a cesta básica dos aposentados que estão na ativa trabalhando para a Prefeitura, mas apenas daqueles que se aposentaram por invalidez.

RESISTÊNCIASVereadores de oposição argumentaram que o projeto de lei enviado anteriormente pela Prefeitura poderia prejudicar 295 servidores públicos que eram isentos e, com a nova legislação, teriam desconto em folha de pagamento. A Prefeitura chegou a rebater, afirmando que a proposta beneficia os mais carentes.

“Nós acreditamos que a população de Mogi Mirim, representada pela Câmara, não aceita que o município pague 70% da cesta básica para funcionário público com salário de R$ 10 mil”, declarou o secretário de Administração.

PASSE
O passe do trabalhador, que dá direito ao subsídio do transporte público, também seria revisto pelo mesmo projeto de lei. Atualmente, ele é concedido para todos que recebem até R$ 5,8 mil. A recarga de 44 passes é feita mensalmente, sem fiscalização ou controle.

A Prefeitura propôs conceder o passe apenas para os que recebem R$ 2 mil. A recarga seria complementar ao que foi usado pelo trabalhador, que seria fiscalizado para evitar desvios. A economia direta seria de aproximadamente R$ 40 mil, podendo chegar a R$ 72 mil.

SINDICATO
O Sindicato dos Servidores Públicos (Sinsep) afirmou que todas essas propostas foram feitas pela Prefeitura sem consultar entidade sindical em momento algum. “Esse projeto de lei é no mínimo descabido e inoportuno. Mais uma vez querem que o funcionalismo pague a conta da má gestão do dinheiro público”, definiu o sindicato.

O Sinsep também acredita que a proposta da Prefeitura é inconstitucional. “É uma decisão unilateral que altera um benefício de muitos anos, por isso mesmo já está incorporado ao salário do servidor”, completou. O sindicato se posicionou no sentido da retirada do projeto de lei. A Prefeitura afirma que retirou a proposta antes de tomar conhecimento da posição do Sinsep.

Calendário de galhos e entulhos é readequado

A Secretaria de Obras, Habitação e Serviços vai promover uma readequação em seu calendário de coleta de galhos e entulhos. O motivo são as fortes chuvas dos últimos dias e a quantidade excessiva de materiais que vem sendo depositada nas ruas, o que resultou em um atraso na coleta dos resíduos em algumas regiões.

A secretária da Pasta, Renata Furigo, informou que terá que fazer uma nova divisão da cidade, mais próxima da realidade financeira e estrutural, para que todos os bairros sejam atendidos por completo. Atualmente, há quatro caminhões disponíveis para o serviço em toda cidade.

O novo calendário deverá ficar pronto nos próximos dias e até lá a solicitação é para que a população não coloque mais galhos e entulho nas ruas, principalmente os volumosos, como camas e sofás. Isso porque, o descarte desse tipo de material pode atrapalhar os demais serviços que prosseguem, assim como a Ação Conjunta de Limpeza, mobilização que envolve a Secretaria de Obras, Habitação e Serviços, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), a Gerência de Trânsito e a empresa Cidade Brasil.


Contudo, Renata explica que a população não vai ficar sem atendimento para o descarte desse tipo de entulho. Duas formas poderão ser utilizadas: levar diretamente os volumosos não mais utilizados à rua Joaquim Dias Guerreiro, 111, no Mirante, onde está localizado o Viveiro Municipal ou solicitar a retirada por agendamento. “Nossa proposta é evitar que o entulho obstrua as calçadas colaborando para a poluição visual da cidade. Por isso disponibilizaremos os telefones da Secretaria para que quem tiver um sofá velho, por exemplo, ligue e agende a retirada”, afirmou alertando que a retirada não será imediata devido a demanda, mas que contará com uma equipe exclusivamente para isso.

Os telefones para o agendamento são: 3805-2132 e 3804-3869. O serviço estará disponível a partir de segunda-feira, 13. Renata lembrou que é dever de todos fazer um descarte racional do material que não utiliza mais, principalmente em um momento em que a cidade tem número reduzido de funcionários e caminhões para o serviço. “Não suspenderemos a coleta. Ela prosseguirá e será intensificada. Apenas estamos mudando o formato do calendário e pedindo à população que aguarde novas datas para colocar o entulho na rua. Mas a retirada irá acontecer, inclusive por agendamento”, afirmou a secretária de Obras, Habitação e Serviços.

Editoria:

Prefeitura inicia Operação Conjunta de Limpeza Urbana

Começou na última segunda-feira, 06, a Operação Conjunta de Limpeza Urbana, realizada pela Prefeitura. A mobilização envolve a Secretaria de Obras, Habitação e Serviços, o Serviço Autônomo de Água e Esgotos (Saae), a Gerência de Trânsito e a empresa Cidade Brasil com a participação de aproximadamente 70 funcionários.

“Esse trabalho vai de encontro ao desejo da população. Ela quer transitar por locais que garantam o bem-estar proporcionado pela limpeza pública”, destaca a secretária de Obras, Renata Furigo.
Ela também alerta que “com os serviços realizados e os ambientes limpos, torna-se fundamental a conscientização dos munícipes quanto a manutenção dos espaços públicos a fim de que permaneçam limpos. Há sim, um trabalho em conjunto com responsabilidades tanto do Poder Público quanto da população”.

Segundo o cronograma, os trabalhos da Operação Conjunta de Limpeza promoverão a roçagem e limpeza das áreas verdes (canteiros e praças), limpeza das vias (terra e pedras), operação tapa-buraco e reparos de guias e sarjetas.

No decorrer de dois meses, o plano elaborado estabelece a realização dos serviços em cinco roteiros subdivididos nas avenidas centrais, nas praças tanto do centro quanto nos bairros, nas avenidas secundárias e também na região que abrange o Jardim Planalto, Residencial Floresta e distrito de Martim Francisco. O Cemitério da Saudade também consta na programação.

“A Avenida Mogi Mirim, no limite com Mogi Guaçu foi o ponto de partida da operação e a meta é prosseguir”, destacou Renata.


MUDANÇAS
O calendário das atividades está programado para as possíveis compensações diante de cenários adversos. “Situações de chuva e quebras de equipamentos sempre ocorrem, e por mais que estejamos preparados para esses momentos, não conseguimos evitar atrasos”, explicou Renata. “No entanto, o controle de uma operação desse tipo é diário, permitindo ações rápidas”, finalizou.

Editoria:
Scroll to top