Carlos Nelson anuncia apoio a Osvaldo Quaglio

Carlos Nelson saiu da toca. Recluso desde que deixou a Administração Municipal, no final de 2012, o ex-prefeito de Mogi Mirim reapareceu. Convocou a imprensa para deixar claro que não será candidato a prefeito nas eleições do ano que vem. Aproveitou para declarar apoio ao vereador Osvaldo Quaglio (PSDB), pré-candidato ao Executivo.

“Ele é a pessoa certa para o momento de Mogi Mirim”, sentenciou Carlos Nelson, garantindo que está alinhado ao pensamento do deputado Barros Munhoz (PSDB). O encontro entre o ex-prefeito e o cacique tucano ocorreu na última segunda-feira, 27, confirmando a aproximação de Carlos Nelson com o PSDB, conforme A COMARCA adiantou na edição do último sábado, 25.

Filiação, porém, passa longe dos planos de Carlos Nelson. O ex-prefeito garantiu que não integrará nenhuma legenda, apesar de ter sido convidado por PSDB, PMDB e PSD. “Não preciso me filiar para apoiar um candidato”, reforçou. No entanto, não poupou elogios aos tucanos, atribuindo 70% de suas realizações enquanto prefeito aos governadores Geraldo Alckmin, José Serra e Alberto Goldman, além do deputado Munhoz.

Ao PMDB, seu ex-partido, sobraram críticas. “As lideranças do partido são extremamente ruins”, avaliou, citando como exemplo o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, investigado na Operação Lava-Jato. A ida de Carlos Nelson ao PMDB foi dada como certa por alguns setores da imprensa mogimiriana na semana passada.

Sem partido, ex-prefeito diz que ficará de fora das eleições (Foto: Flávio Magalhães/A COMARCA)

Classificando-se como um “político em fim de carreira”, Carlos Nelson afirmou que Mogi Mirim precisa de renovação. “Temos que ter nomes novos, sem falhas ou vícios”, ressaltou, enaltecendo a figura de Quaglio. “Ele é um empresário, um cristão devoto que vai até as últimas consequências”, disse.

Tentando ser modesto, Carlos Nelson afirmou que o seu nome apenas apareceu no cenário das eleições de 2016 porque o governo de Gustavo Stupp deixou a desejar. “Se o atual prefeito estivesse correspondendo às expectativas da população, eu não teria a possibilidade de volta que tenho hoje”, avaliou.

Mesmo assim, o ex-prefeito fez questão de deixar os holofotes para Quaglio. “Sou eleitor do Quaglio. Se ele não for candidato, eu não tenho candidato em Mogi”, reforçou. Carlos Nelson admite, porém, que não será uma campanha fácil. “Será uma eleição muito divida”, disse.

Mais que isso, o ex-chefe do Executivo local previu um cenário sombrio para o próximo governo. “Acho que a situação é terrivelmente difícil para qualquer prefeito que esteja no poder ou seja reeleito”, avaliou.
Carlos Nelson ainda subiu o tom contra os eleitores. “O povo adora ser enganado, o povo nasceu para ser enganado”, criticou, em referência a candidatos eleitos com promessas espalhafatosas. E deu o recado: “Não se elege alguém pelo que ele promete, se elege alguém pelo que ele é e pelo que ele foi”.

REFORÇO
Procurado pela imprensa, o vereador Osvaldo Quaglio reconheceu que sua pré-candidatura ganha mais força e mais cacife com o apoio de Carlos Nelson. “Acho que todo o apoio de pessoas que conhecem a administração pública dá muito mais confiança”, afirmou.

O vereador, que voltou a dizer que não disputará cadeira ao Legislativo em 2016, garantiu que está preparado para a Prefeitura. “Eu me sinto realmente preparado, tanto pela experiência política quanto pela experiência na empresa da família”, destacou.

Por Flávio Magalhães

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top