Chuvas deixam Mogi em Estado de Atenção

As chuvas do final de 2014 deixaram Mogi Mirim em Estado de Atenção por duas vezes na mesma semana. Entre os dias 20 e 24 de dezembro choveu 191 mm na cidade, mais do que em todo o mês de novembro, em que foram registrados 127,6 mm de precipitação.

O cenário fez com a Defesa Civil entrasse em Estado de Atenção por duas vezes, sempre em que o acúmulo de chuva ultrapassava os 80 mm em um espaço de tempo de 72 horas. Isso ocorreu nos dias 22 (com 82,4 mm acumulados) e 24 (com 117 mm).

No dia 22, alguns pontos de risco foram verificados pela Defesa Civil. Solicitações de munícipes também foram atendidas, como na queda de um muro na Rua Mário Frezatto, no bairro do Seac. A Defesa Civil informou que forneceu roupas, colchões e cesta básica para a família, que não precisou ser removida.

Já o córrego Santo Antônio transbordou, provocando alguns pontos de alagamento na Avenida Brasil. De acordo com a Defesa Civil, a vazão não foi suficiente porque houve uma chuva considerada moderada/forte em um espaço curto de tempo. A Secretaria de Obras, Habitação e Serviços estuda como ampliar a vazão do local.

Mogi Mirim registrou alguns pontos de alagamento, como na Avenida Brasil (Foto: Flávio Magalhães/A COMARCA)

Outra solicitação foi atendida no condomínio Portal do Lago. Os moradores estavam preocupados com um possível quebra da barragem, devido à cheia do lago. No entanto, a Prefeitura constatou que o local ainda estava dentro da normalidade.

Ainda foi registrado o rompimento de uma galeria pluvial nas imediações do Complexo Esportivo do Zerão, pela quantidade de chuva e pressão da água. Os funcionários do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) trabalharam no local nos dias seguintes.

Na véspera de Natal, segundo a Defesa Civil, não houve ocorrência relevante, apenas monitoramento. Já no dia 30, quedas de árvores causaram interrupção de energia em alguns pontos do município.

A Defesa Civil e os Bombeiros devem ser acionados em situações de risco, através do telefone 193. Havendo a necessidade de vistoria, o solicitante é orientado quanto às providências possíveis ou necessárias. Caso haja risco alto de acidente ou desastre, o local é interditado e é solicitada a presença do Setor de Engenharia, para avaliação técnica.

Estado de Alerta
O Estado de Alerta é acionado pela Defesa Civil quando, em um período de 72 horas, o índice de chuva acumulado supera os 80 mm. Tão logo esse acúmulo fique abaixo dos 80 mm, a cidade volta para o Estado de Observação. Durante o Estado de Atenção a Defesa Civil vistoria áreas de risco já identificadas anteriormente, além de atender às solicitações dos munícipes.


Por Flávio Magalhães

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top