Etec tem dívida de R$ 94 mil em merenda

A escola técnica (Etec) “Pedro Ferreira Alves” tem uma dívida de R$ 94 mil. A informação ainda não foi oficialmente confirmada pelo Centro Paula Souza, autarquia que administra as escolas técnicas paulistas. No entanto, a reportagem de A COMARCA apurou que a dívida existe e foi contraída no ano passado por custos com a merenda escolar.

O Grêmio Estudantil da Etec, para auxiliar no abatimento da dívida, teria organizado uma venda de pizzas para arrecadar fundos, uma vez que os recursos da Associação de Pais e Mestres (APM) seriam insuficientes. A escola deve agendar uma reunião com os pais nas próximas semanas para tratar do assunto.

Desde meados de abril vigora um novo convênio firmado entre a Prefeitura e a Etec para o fornecimento de merenda escolar. Tal acordo ocorreu após a reportagem de A COMARCA questionar o convênio anterior, que não cobria todos os gastos da escola com a alimentação dos estudantes. Pelo antigo contrato, a Prefeitura subsidiava apenas parte das refeições.

Grêmio Estudantil da Etec se propôs a ajudar a abater a dívida (Foto: Arquivo/A COMARCA)

Esse tipo de convênio, em que a Administração Municipal pagava somente uma parte dos gastos com alimentação, foi celebrado pela primeira vez em 2005, logo no início do governo Carlos Nelson Bueno. Desde então, a Associação de Pais e Mestres (APM) da escola passou a cobrar dos alunos pelo prato de merenda, para poder arcar com as despesas. Até o ano passado, os estudantes tinham que desembolsar R$ 2,00 para poderem se alimentar na escola.

Em março, a Câmara Municipal aprovou a renovação do convênio em que a Prefeitura pagaria à Etec apenas R$ 1,68 por prato, valor ainda insuficiente para cobrir os gastos com as refeições dos alunos. Foi quando A COMARCA levou o caso junto ao Centro Paula Souza, a autarquia responsável pelas escolas técnicas paulistas.

Questionado pela reportagem de A COMARCA se a cobrança era legal, o Centro Paula Souza se limitou a informar que “determinou a apuração dos fatos” na Etec “Pedro Ferreira Alves” e ordenou que as contribuições dos alunos para a merenda fossem suspensas. A escola, então, foi proibida de cobrar qualquer valor pela refeição servida.

A Prefeitura, por sua vez, decidiu não validar a renovação do convênio com a APM da Etec. As negociações, então, recomeçaram, o que possibilitou a celebração do novo convênio.

DIREÇÃO
Conforme A COMARCA noticiou em primeira-mão na semana passada, o professor Felipe Duran Gonçales não é mais diretor da Etec “Pedro Ferreira Alves”. Segundo informações obtidas junto ao Centro Paula Souza partiu de Gonçales a solicitação para deixar o cargo.

No comando da Etec desde julho de 2012, Gonçales assumirá a coordenação da classe descentralizada administrada pela própria Etec de Mogi Mirim no município de Holambra. A classe descentralizada inicia suas atividades neste segundo semestre de 2015 com os cursos técnicos de Comércio e Logística.

Por Flávio Magalhães

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top