Em Itapira mora a dona cintura mais fina do Brasil

A analista de laboratório Valdirene Brito de Morais não gosta do apelido que moradores de Itapira, onde reside, lhe deram: “barbie”. A referência ocorre por causa de uma cintura de 53 cm que ela cultiva e que remete a comparações inevitáveis com a famosa boneca. Ela afirma que nunca teve a pretensão de celebrizar esta sua particularidade, mas admite que lhe causa alguns dissabores, tipo atrair olhares indiscretos. “Até cantada já levei, inclusive em redes sociais”, relatou.

Ela contou que cultiva há quase sete anos a cinturinha tão fina que lhe é motivo de orgulho pessoal. Valdirene garante que tem pesquisado na internet até com certa insistência para descobrir se no Brasil existe alguém com dimensões menores e garante que ainda não encontrou.


Ela diz que o caso mais famoso no exterior é da ucraniana Valeria Lukyanova, de 25 anos, que teria 50 cm de cintura e levanta polêmica pelo mundo todo a respeito dos métodos que teria se utilizado para se parecer com a famosa boneca. Mas volta a insistir que não gosta de dar margem a este tipo de comparação. “Sou a Valdirene, nada a ver com a barbie”, reforçou

Aquilo que realmente lhe causa certo desconforto é a insistência com que as pessoas lhe perguntam se fez cirurgia para a remoção de duas vértebras (costelas). “Isso é fantasioso. Nunca fiz cirurgia para retirada de osso algum. Causa até uma certa irritação quando as pessoas insistem em afirmar isso”, admitiu.

A forma atual, conforme revelou, foi fruto de uma cirurgia conhecida como abdominoplastia (que consiste na retirada do excesso de pele) e muita malhação. A cirurgia foi resultado de uma decisão pessoal. Depois que teve a filha Vivian, de 19 anos, Valdirene disse ter engordado. “De 41 quilos, passei a ter 67. A situação me incomodou e depois de um certo tempo iniciei um rigoroso processo de perda de peso, com uma dieta baseada em orientação médica e muita ginástica. Voltei a pesar 41 quilos. Mas fiquei incomodada com o excesso de pele resultante. Daí optei pela cirurgia. Foi assim que tudo começou”, relatou.

Ela admitiu ainda outro empecilho causada pela famosa cinturinha. “Quando vou comprar roupas muitas vezes deixo de levar algo que gostei porque a cintura não permite que e a use. Só fazendo ajustes. Assim eu acabo desistindo da compra”, revelou

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top