Com o verão, aumentam as ocorrências com queimadas

Uma preocupação que costuma aparecer no radar da Brigada de Bombeiros com maior regularidade somente a partir de maio – o combate a focos de incêndio em terrenos – tem incomodado seu comando pela precocidade com que tem ocorrido.

Segundo o comandante da Brigada de Incêndio de Mogi Mirim, José Luiz Silva, em janeiro foram 18 solicitações. Por ser um período chuvoso, este tipo de ocorrência é mais raro no começo do ano, mas “ainda sim acontece”, segundo o comandante. “Temos tido uma média de quatro a cinco pedidos diários para atendimento”, reforçou. O forte calor, aliado à ausência de chuvas regulares, ajuda a explicar o fenômeno.

O maior problema, segundo o comandante Silva, é o efetivo limitado, com apenas 23 servidores e um caminhão, que trabalham em regime de plantão, reduzindo ainda mais a disponibilidade, o que prejudica o atendimento.

O bombeiro coloca ainda que o quartel está devidamente abastecido com água “e pronto para um atendimento emergencial em residências, empresas ou veículos”. No caso de uma ocorrência mais grave, o comando informa ainda que dispõe do apoio de outras viaturas, como do Serviço Autônomo de Água e Esgotos (Saae), Secretaria de Agricultura, Renovias, Intervias e algumas empresas privadas.

Ainda de acordo com sua análise, quando o número de ocorrências é maior do que a capacidade de atuação, é “priorizado o risco à vida”. Silva pede colaboração da população para que não ateie fogo em mato. Disse também que é comum pessoas limparem os terrenos, e depois incendiar os resíduos, e não raramente, perdendo controle da situação, restando como alternativa requerer o serviço dos bombeiros. “Isso tudo sem falar naqueles que colocam fogo de forma criminosa”, repreendeu.

O comandante alerta que esses casos são ainda mais alarmantes na Zona Rural, porque o fogo se espalha rapidamente pelas extensas terras da região, o que multiplica a dificuldade no trabalho dos bombeiros. O conselho para os moradores dessa região é a utilização de aceiros, o que impede a propagação de incêndios.


ESTIAGEM
A preocupação do comando se justifica pelo fato da aproximação do período de estiagem, quando as ocorrências passam de 100 nos meses mais secos, podendo chegar a 150. “É um período complicado que requer muita campanha de conscientização e um planejamento mais efetivo para dar uma resposta adequada para este tipo de ocorrência”, concluiu Silva.
O munícipe pode e deve denunciar casos de queimadas causadas propositalmente. O telefonema deve ser feito à Secretaria de Obras pelos números 3805-2132, 3806-2818 ou 3804-3869.

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top