Mirlene incorpora ação social ao Podium Verde

Quem sofre com a Ceratocone, uma doença ocular que provoca a mudança da forma da córnea, e tem dificuldades de acesso ao tratamento, tem motivos de sobra para comemorar. O Centro de Microcirurgia Ocular, representados pelos oftalmologistas Flavio Hoffmann e Rodrigo Albejante Hoffmann, irá oferecer uma cirurgia de Crosslinking para os casos de Ceratocone, com desconto de 50% dos honorários médicos. Graças à iniciativa da atleta Mirlene Picin.

Ela decidiu incorporar a cirurgia social ao projeto Podium Verde Visafértil, na qual uma determinada quantia de árvores é plantada pela Visafértil, patrocinadora da atleta, cada vez que a mesma sobe ao pódio. Em três anos, já foram 965 árvores plantadas. Na parceria fechada com o Centro de Microcirurgia Ocular, a dinâmica é a mesma da plantação de mudas. Cada medalha de ouro ou prata conquistada pela atleta prata em provas de ski ou corrida será trocada por uma Cirurgia Oftalmológica com caráter social.

A cirurgia de Crosslinking para casos de Ceratocone não tem cobertura por nenhum plano de saúde. Na rede SUS (Sistema Único de Saúde) ainda apresenta atendimento insuficiente para a demanda dos casos, e somente é oferecida gratuitamente ou com custo reduzido nos centros universitários ligados a pesquisa.

“A progressão da doença não aguarda muitas vezes as possibilidades de seu custeio, deixando passar o momento adequado para seu tratamento”, apontou Rodrigo Hoffmann. Poderão se candidatar à cirurgia social os pacientes que apresentem diagnóstico de Ceratocone; que tenham entre 12 e 25 anos, de ambos os sexos; ser estudante da rede pública de ensino (escola ou faculdade); e se aluno do sistema privado, comprovar que recebe bolsa da entidade ou participa de algum programa de financiamento estudantil.

Atletas de qualquer modalidade esportiva, que comprovem estar treinando e competindo, têm preferência na formação da fila, mas não é requisito básico, salvo casos onde a doença já esteja limitando a prática da atividade. Paciente nessa condição tem total prioridade. Mesmo assim, terão que se apresentar em condições clínicas para a realização do procedimento. Serão atendidos casos de Mogi Mirim e região.

A escolha pelo público jovem deve-se ao fato de pertencer a um grupo etário mais acometido em sua fase inicial e onde o tratamento apresenta mais sucesso, buscando menor afastamento possível dos estudos do trabalho e atividades diárias.

A atleta Mirlene Picin ao lado do médico oftalmologista Rodrigo Albejante Hoffmann

CERATOCONE
É uma doença ocular que provoca a mudança da forma da córnea. É uma desordem ocular não-inflamatória e autolimitada caracterizada pelo afinamento progressivo da parte central da córnea. Necessita ser acompanhada com muita atenção, pois é uma doença progressiva geralmente até a quarta década de vida.

De início ainda na infância, geralmente desenvolve-se na puberdade (em média, por volta dos 14 anos de idade), é percebida com o aumento do astigmatismo de maneira assimétrica em sua curvatura. A doença tem componente genético, porém, sua severidade está relacionada a cronicidade e intensidade do componente alérgico nos pacientes.

Se não for tratada de maneira correta, a doença pode levar à baixa acentuada de visão (cegueira legal). O objetivo principal no tratamento precoce visa evitar a realização do transplante de córnea e suas possíveis complicações e adequações de vida na juventude.

O Ceratocone acomete aproximadamente uma em cada 3 mil pessoas. O procedimento que será oferecido no projeto é o Crosslinking que consiste na aplicação de gotas de solução de riboflavina na córnea que são ativadas por luz ultravioleta. O tratamento cria novas ligações cruzadas de colágeno que resultam em um encurtamento e espessamento das fibrilas de colágeno levando ao endurecimento da córnea. O objetivo do tratamento é diminuir a progressão do Ceratocone e prevenir uma maior deterioração da visão, retardando a necessidade do transplante de córnea por exemplo.

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top