Selado acordo para início das obras da Havan e do Atacadão

Uma reunião realizada nesta semana na Renovias selou um acordo para que a Havan, uma das lojas de departamento mais completas do país, e o Atacadão, rede atacadista de força no mercado, possam dar início às obras de um empreendimento que será levando numa área na avenida Pedro Botesi, próximo ao acesso à rodovia SP-340. O grupo adquiriu um terreno de 54.600 metros quadrados e terá mais 16 mil metros quadrados de área construída. O negócio deve gerar quase 1 mil empregos, entre diretos e indiretos.

O anúncio da instalação da Havan e do Atacadão em Mogi Mirim foi feito pelo prefeito Carlos Nelson Bueno (PSDB), no final de agosto. Na ocasião, ele revelou que o intuito dos investidores era dar início ao projeto o mais rápido possível, projetando sua inauguração para agosto de 2018.

Porém, prevendo eventuais problemas ligadas ao tráfego, já que a demanda naquela localidade aumentará consideravelmente, CNB pediu a seu corpo técnico, estudos de tráfego, vizinhança e saturação de estacionamento. Para o prefeito, um novo acesso à Pedro Botesi seria a alternativa.

O assunto foi tratado nessa semana, numa reunião que reuniu representantes da administração municipal, da Renovias – concessionária que administra a rodovia – da Artesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo) e da Havan. A exigência apresentada por CNB foi a construção de uma via marginal, paralela à rodovia, iniciando na entrada do Murayama e terminando no empreendimento.

Outra possibilidade aventada na reunião é a construção de um novo acesso à cidade pela Pedro Botesi, contemplando uma grande rotatória. “Ela ajudaria na fluidez do tráfego, tanto para quem chega, quanto para quem sair da Havan, sem precisar fazer retorno pela avenida”, disse o chefe de gabinete, José Augusto Francisco Urbini, o Guto Urbini, que participou do encontro.

Como a Havan assumiu o compromisso de custear as despesas com as obras, independente do modelo adotado, Carlos Nelson se prontificou, então, a fornecer as diretrizes ao grupo empreendedor num prazo de 10 a 15 dias. Com as diretrizes, a Havan estará autorizada a iniciar as obras. Agora, caberá à loja de departamento e a Artesp definir qual situação será implantada.

Se for pelo novo acesso, os procedimentos ficarão concentrados na empresa, na Renovias e na Artesp. Se a opção for pela via marginal, a Prefeitura ficará responsável por viabilizar a área que margeia a rodovia. “Vamos negociar com os proprietários pela doação, já que a obra vai valorizar o restante das áreas que permanecerem com seus donos”, adiantou Guto.


Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top