A fantástica fábrica de bolos

Da Redação

“Quero inspirar outras pessoas a descobrirem seus talentos e transformarem a própria vida”. A frase da confeiteira Rafaela Vidotte sintetiza bem a história de sua própria vida. Técnica em enfermagem de formação e tendo trabalhado em empresas das áreas de saúde e de mobiliário, Rafaela encontrou na confeitaria o sentido para sua vida profissional. Hoje, ela se ‘lança de cabeça’ no negócio, procurando oferecer um produto diferenciado.

Talento para a confeitaria foi descoberto por acaso
Rafaela descobriu sua vocação para a produção de bolos e outras delícias, como cupcakes e maças decoradas, dentre outras, por acaso.  Foi no aniversário de um ano de sua filha Luiza, há três anos. “Resolvei fazer um bolo para ela. Eu nunca tinha feito um bolo na vida, eu nunca tive uma afinidade com a cozinha. Peguei uma receita, fiz e as pessoas gostaram. Acho que aquilo mexeu comigo, peguei gosto. Me descobri ali, me achei”, revelou.

Nessa época, Rafaela já morava em Mogi Mirim. Ela tinha vindo de Paulínia, onde morava. Lá, trabalhou numa empresa de radiologia, numa indústria de móveis e num consultório médico. “Mas, nada disso me fazia sentir realizada. Me formei em técnica de enfermagem, mas, nem trabalhei na área”, recordou. Foi quando nasceu a filha Luiza. E tudo mudou.

O bolo que fez no aniversário da filha incentivou Rafaela a seguir nesse ramo. “Ser mãe mudou minha vida. Eu precisava disso para me achar”, frisou. No começo, via a prática como um hobby. “Comecei fazendo bolo para a família mesmo. Todo aniversário, era eu que fazia o bolo. Depois, os funcionários do sítio onde moramos começaram a pedir. E aos poucos, a coisa foi crescendo. Foi quando eu vi que aquele hobby se transformou realmente num trabalho”, comentou.

Participação em programa coroa boa fase

A partir daí, Rafaela se tornou uma confeiteira de profissão. Adaptou um cômodo da casa no sítio onde mora com o marido Rafael e a filha Luzia no bairro rural do Tanquinho num ateliê, montou o ‘Bolos da Rafa Vidotte e entrou no ramo com a proposta de fazer algo diferente. E o seu diferencial é o bolo esculpido com pasta americana. A base é um bolo convencional. É a decoração que Rafaela coloca a sua criatividade.

“A gente desenha o molde num papel manteiga e depois passa para a pasta. Como ela é vendida em várias cores, é daí que conseguimos montar a decoração. A pasta é 70% açúcar. Então, você vai sovando, deixando ela maleável, o que possibilita fazer o formato que deseja. É trabalhoso, é um processo bem artesanal, feito manualmente, mas, é fantástico o resultado final”, destacou.

A nova confeiteira já fez bolos esculpidos de diversos formatos. Na grande maioria das vezes, o desenho a ser esculpido é uma solicitação do cliente. “O desenho serve como inspiração”, frisou. Nesse formato, suas principais obras são para festas infantis. “Dá para usar bem a criatividade do tema do aniversário escolhido pelos pais”, comentou Rafaela.

A pasta americana foi apresentada a Rafaela quando ela fez um curso sobre confeitaria em Campinas. O desafio de criar um bolo gostoso e bonito a faz se apaixonar pelo tema. “Comecei a pesquisar bastante. E vi que realmente é um produto diferente. Já fiz vários, mas, achei não fiz nem um terço do que quero fazer. Tenho uma lista com uns 500 formatos e modelos”, adiantou.

A nova vida profissional fez Rafaela adotar alguns hábitos que até então passavam longe do seu dia-dia. Ela passou a assistir ao programa ‘Que Seja Doce’, exibido de segunda a sexta-feira, no canal GNT. Trata-se de uma reality show, em que três participantes disputam, a cada episódio, o título de melhor confeiteiro. No ano passado, Rafaela se cadastrou no site do programa, E junto, mandou um histórico das fotos dos bolos que compartilha em sua conta no Instagram @bolosdarafavidotte.

Ela confessa que nem imaginava que fosse ser chamada. E para sua surpresa, um mês depois de ser cadastrar, ela foi convidada. Para participar do programa, levou o marido Rafael como acompanhante. O ‘Que Seja Doce’, com a participação de Rafaela, será exibido na próxima sexta-feira, 27, a partir das 20h. O resultado é mantido em segredo pela confeiteira. “Só mesmo assistindo ao programa para saber”, brincou.

Sonho e realidade moldam Rafaela em sua caminhada

Programa de TV a parte, Rafaela Vidotte sente que o negócio cresce a cada dia. “A propaganda boca-boca é muito forte. E isso tem me ajudado muito. Os pedidos vêm não só de Mogi Mirim, mas, também de Mogi Guaçu, Campinas e Paulínia. “Graças a Deus, só tenho recebido elogios. Prezo muito a importância do bolo para o momento da vida daquela pessoa que está casando, fazendo aniversário ou para outra finalidade. E posso garantir, é muito amor envolvido.
 
O maior sonho de Rafaela é ter uma loja própria, onde possa expor seus produtos e receber os clientes. “Facilitaria muito a minha vida. Daqui do meu ateliê, é quase que impossível sair com um bolo de andar. É claro que trabalhar no meio da natureza, em minha casa, é super delicioso. Mas, a loja seria um salto e tanto no negócio”, revelou.

Enquanto ainda não consegue tornar o sonho em realidade, Rafaela procura aperfeiçoar o conhecimento e as condições de trabalho. Pesquisar fotos nas redes sociais que sirvam de inspiração para os bolos esculpidos virou uma atividade diária. E neste final de semana, ela estará no Rio de Janeiro para fazer um curso sobre a pasta americana.

Ela conhecerá uma impressora onde é possível fixar o desenho a ser esculpido. “Com a impressora, você não precisa mais do molde desenhado. Ele já sai direto na pasta”, disse. Para isso, é preciso conectar a impressora a um software. “É economia de tempo e um salto de qualidade no produto, porque o molde na pasta sai perfeito”, destacou. O passo seguir será ter condições para adquirir a impressora.

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top