Por combustível, Mogi Guaçu decreta estado de emergência

A Prefeitura de Mogi Guaçu decretou estado de emergência nesta segunda-feira, 28, determinando a identificação e a requisição de combustíveis dos postos para o abastecimento dos veículos oficiais, devido à paralisação dos motoristas de caminhão que ocorre por todo o país. O decreto assinado pelo prefeito Walter Caveanha (PTB) deixa expresso que todas as empresas que comercializarem combustíveis em Mogi Guaçu devem assegurar prioridade no atendimento de serviços essenciais.

LEIA MAIS:
Mogi Mirim decreta situação de emergência
Etec e faculdades locais suspendem aulas

O decreto classifica como serviços essenciais: saúde (nos casos classificados como urgência e/ou emergência, distribuição de insumos e medicamentos), educação (distribuição de gêneros alimentícios para estabelecimentos educacionais), transporte coletivo urbano, coleta de lixo, segurança pública e defesa civil. O decreto terá validade até que o fornecimento de combustível seja normalizado.

Além disso, permanece a orientação do prefeito da vizinha cidade às secretarias municipais, à FEG (Fundação Educacional Guaçuana), Proguaçu, Hospital Municipal “Dr. Tabajara Ramos” e SAMAE (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto) para que os veículos municipais permaneçam estacionados e que sejam utilizados apenas em casos de urgência e/ou emergência.

A Secretaria de Segurança de Mogi Guaçu informou que conseguiu abastecer os veículos da Guarda Civil Municipal no final de semana, o que garante o patrulhamento preventivo em locais de aglomeração e prioritários, como praças, rotatórias etc. Ocorrências de urgência e emergência estão sendo atendidas normalmente, assim como pontos fixos como a UPA (PPA) do Jardim Novo II e o Pronto Socorro Municipal.

Segundo informação da Secretaria de Obras e Viação daquela cidade, o transporte coletivo urbano continua adotando a redução da frota em horários de menor movimento. Em dias úteis, das 5h às 8h30, a frota circula em sua totalidade. Das 8h30 até às 16h, há a redução de 50% do número de ônibus nas ruas, voltando à sua totalidade a partir das 16h, até o término do horário de circulação, à noite.

Na Saúde, o atendimento só ocorre para casos classificados como urgências e emergências. A remoção de pacientes é feita mediante classificação do Samu. As visitas domiciliares feitas por equipes das Unidades de Saúde da Família estão canceladas. Cirurgias eletivas também estão sendo reagendadas. Já o transporte de pacientes só ocorre em cidades mais próximas a Mogi Guaçu

O atendimento no Hospital Municipal “Dr. Tabajara Ramos” não foi afetado, pois o estoque de medicamentos, oxigênio e outros materiais é suficiente para as próximas semanas. Já Secretaria de Educação guaçuana registrou cerca de 20% de falta de alunos no período da manhã desta segunda-feira. O transporte de alunos fornecido pela Prefeitura opera dentro da normalidade. Quanto à merenda escolar, o fornecimento também segue normalizado em todas as unidades da rede.

Prefeitura de Mogi Guaçu baixou decreto que terá validade até que o abastecimento seja regularizado

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top