Mogi Mirim confirma 1ª morte por H1N1

Flávio Magalhães

A Secretaria Municipal de Saúde confirmou o resultado de dois exames referentes a óbitos por suspeita de gripe ocorridos entre os dias 9 e 13 de julho. Em um deles foi constatado que a morte foi causada pelo contágio com o vírus H1N1.

A vítima era uma mulher de 39 anos que residia no bairro Jardim Primavera II, na zona Norte da cidade. Ela não havia sido vacinada, segundo informações da Prefeitura. No outro caso, de uma idosa de 74 anos residente no Jardim Áurea, o resultado foi negativo para a gripe.

Além do óbito confirmado nesta semana, Mogi Mirim contabiliza outros quatro casos confirmados de contaminação pelo vírus da gripe, nas regiões Sul, Oeste e Norte, sendo o primeiro deles registrado em maio. Todos esses pacientes passam bem, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde.

Na zona Sul os casos confirmados são de dois homens, um de 54 anos (residente no Parque Real) e outro de 70 anos (morador do Maria Beatriz), doente crônico da gripe. Em ambas as situações o vírus diagnosticado é o H3N2, responsável por um surto que infectou 47 mil pessoas nos Estados Unidos no final do ano passado, ocasionando várias mortes. Há, inclusive, óbitos no Estado de São Paulo causados por essa variação da doença.

Já uma mulher de 59 anos, do Jardim Aurora, região Norte da cidade, foi identificada com o vírus H1N1, responsável por surtos no Brasil na última década. A mulher chegou a tomar a vacina, mas os sintomas surgiram antes dos 30 dias necessários para que a imunização ocorresse e fizesse o efeito esperado.

A quarta ocorrência da doença em Mogi Mirim é de uma menina de apenas seis anos. O caso foi registrado na Vila Oceania, região da Santa Cruz e trata-se do vírus Influenza B. Apesar das particularidades genéticas, a gripe B costuma ter os mesmos efeitos da gripe A (H1N1 e H3N2), embora seja menos frequente no país.

Desde segunda-feira, 30, as Unidades Básicas de Saúde estão com a campanha de vacinação contra a gripe. No entanto, a Secretaria de Saúde alerta que em decorrência do número reduzido de doses que o município recebeu, o período de vacinação será menor. Nesta etapa, as doses serão destinadas apenas aos grupos prioritários e haverá a distribuição de senhas com o propósito de organizar o fluxo de vacinação.

Em Mogi Mirim, a Campanha Influenza iniciou em 23 de abril e foi até 1º de junho. No entanto, em decorrência da baixa cobertura, a aplicação de vacinas foi prorrogada até 22 de junho. Já nesta terceira etapa de vacinação, a Secretaria de Saúde conseguiu uma quantidade reduzida de doses para atender integrantes do público-alvo que ainda não foram imunizados. As datas das campanhas e a quantidade de doses recebidas são determinadas pelos governos federal e estadual. O combate ao vírus da gripe também é efetivado através da conscientização e atitudes preventivas adotadas pela população.



Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top