Promotor prega 'trabalho em equipe' no combate ao crime

Flávio Magalhães

O Dr. André Luiz Brandão é o mais novo promotor de Mogi Mirim. Integrado à equipe do Ministério Público (MP) local desde 1º de setembro, ele também exerceu função na Promotoria da vizinha Itapira por mais de oito anos. Esteve mais recentemente trabalhando em Limeira. Possui experiência no combate a grandes quadrilhas, graças aos anos de atuação no Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco).

Brandão foi convidado, em 2012, a auxiliar na criação de um núcleo do Gaeco em Piracicaba, responsável por investigações em 14 municípios. Lá atuou em casos de corrupção envolvendo órgãos públicos, combateu o crime organizado e o tráfico, além de trabalhar no desmantelamento da facção criminosa PCC. “Alguns membros do PCC que nós processamos pelo Gaeco de Piracicaba estão cumprindo pena até hoje”, destacou.

A transferência de Limeira para Mogi Mirim é encarada pelo promotor como uma volta para casa. “Já sou velho conhecido aqui, tenho muitos contatos na região”, afirmou. “Conheço os juízes daqui, todos seríssimos e competentes, posso dizer o mesmo dos meus colegas do Ministério Público e dos comandantes da Polícia Militar e Guarda Civil Municipal, bem como dos delegados da Polícia Civil”, elencou.

O representante do Ministério Público acredita que resolver a questão da criminalidade passa por uma união dos municípios da Baixa Mogiana. “Mogi Mirim, Mogi Guaçu e Itapira podem trabalhar em conjunto, porque os problemas são os mesmos”, avaliou. “Em nenhuma área se consegue resultados trabalhando sozinho. Em Itapira tivemos grandes resultados quando trabalhamos juntos. A saída é essa, trabalho em equipe e com inteligência”, reforçou.

O promotor avaliou também que o município precisa investir em inteligência para ter mais resultados no combate ao crime. “Eu conheço a estrutura da região, o pessoal daqui tem trabalhado muito. Precisamos agora buscar ferramentas de inteligência”, enfatizou. Como exemplo, Brandão citou o sistema de monitoramento inteligente de Limeira, conhecido como “Muralha Digital”, que vigia 24 horas por dia pontos estratégicos, como as entradas e saídas da cidade.

De maneira mais abrangente, apontou que o combate à criminalidade também passa pelo rigor no cumprimento das penas. “O que inibe o criminoso não é a pena, é a sua identificação e punição”, argumentou. “O sistema de execução de penas, hoje, tem benefícios em crimes que não deveria ter. O roubo, por exemplo”, lembrou. “E quando se começa a ser ineficiente, isso se torna um convite para a prática de mais crimes”, concluiu.

ATUAÇÃO
Em Mogi Mirim, Brandão ficará responsável por áreas como Infância e Juventude (cível), Saúde, direitos dos idosos e deficientes e direitos do consumidor. “Vim para somar, vou trabalhar com o mesmo espírito de quando entrei para o Ministério Público”, ressaltou. Sobre Saúde Pública, se disse satisfeito com a estrutura da cidade, mas lembrou que a área enfrenta problemas a nível nacional.

Quando o assunto é Infância e Juventude, sua maior preocupação são as drogas. “A droga é o que coloca em risco a criança e o adolescente, e até a mulher grávida”, frisou, citando casos de gestantes dependentes de crack que precisaram ser internadas compulsoriamente. “É um tema que a sociedade vai precisar se debruçar”, apontou.


Promotor de Justiça André Luiz Brandão

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top