UPA opera no limite da capacidade, aponta relatório

Flávio Magalhães

Um relatório produzido pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), consultado pela reportagem de A COMARCA, aponta que a Unidade de Pronta Atendimento (UPA) da zona Leste da cidade está operando no limite de sua capacidade, quase na sobrecarga médica.

O laudo do conselho foi produzido após uma visita surpresa na UPA, a pedido da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a unidade, presidida pelo vereador André Mazon (PTB). De acordo com a avaliação do conselho, a construção da UPA não considerou uma evolução no número de atendimentos. Além da quase sobrecarga, também foi apontado pelo Cremesp que o prédio necessita de melhorias físicas, já que apresenta algumas infiltrações.

A falta de um aparelho de Raio-X na UPA também foi apontada no relatório do Cremesp. Sobre essa questão, a Prefeitura informou que o equipamento se encontra em fase de substituição. “A troca tem como justificativa o tempo de uso e o alto custo de manutenção. Um processo licitatório para a compra de um novo aparelho foi finalizado na manhã desta sexta-feira, 6, com a escolha da empresa responsável por fornecer o produto. Sendo assim, os pacientes que necessitam do exame, mediante ordem médica, são encaminhados para a Santa Casa de Misericórdia”, informou, em nota, a Secretaria de Saúde.

DIRETOR TÉCNICO
O médico Lélio Silva Junior foi anunciado nesta semana como diretor técnico da UPA. Formado em Medicina pelo Centro Universitário Barão de Mauá, de Ribeirão Preto, em 2009, acumula experiências em UTIs (Unidades de Terapias Intensivas) de hospitais das cidades de Araras, Leme e UPA dos municípios de Sertãozinho e Avaré, antes de chegar a Mogi Mirim, onde atua desde 2011 na rede pública de saúde.

Como diretor técnico, o profissional vai trabalhar junto aos aspectos éticos, legais e técnicos da UPA, e desempenhar suas funções baseado na medicina e atrelado às questões médicas, humanas e legais. Ele é quem coordenará e orientará o corpo clínico, auxiliando na execução das atividades de assistência médica. Na parte da edificação, ou seja, a área física da unidade, tem como atividade estar atento a todo os detalhes visando dinamizar o serviço e levar ao usuário um atendimento de qualidade.



2 comentários:

  1. Uma vergonha não priorizarem os idosos....e lei...desrespeito

    ResponderExcluir
  2. Se perguntar na recepção sobre a prioridade...A resposta é. ...Todos são prioridade.
    Não conhecem o estatuto do idoso?

    ResponderExcluir

Scroll to top