74% das famílias não guardam dinheiro

Flávio Magalhães

A cada quatro famílias, três não conseguem guardar dinheiro. É o que revela uma pesquisa realizada em 13 municípios, incluindo Mogi Mirim, pelo Centro de Pesquisas Econômicas (Cepe) da Fundação "Hermínio Ometto", de Araras. Os dados foram divulgados recentemente e são referentes ao primeiro semestre de 2019.

Os números também apontam que 21,65% dos entrevistados afirmaram que conseguem guardar um pouco de dinheiro, enquanto 4,12% responderam que conseguem poupar muito. Sobre as expectativas de futuro, a maioria dos consumidores (48,46%) acredita que a situação familiar estará um pouco melhor ou muito melhor nos próximos seis meses, enquanto 46,39% acham que continuará igual.

A pesquisa também evidenciou um pessimismo dos consumidores quanto a situação econômica atual. Quase 66% dos entrevistados acredita que a conjuntura econômica das cidades onde moram é ruim ou muito ruim. Sobre o mercado de trabalho, foi constatado que 82,5% das pessoas consideram difícil ou muito difícil a obtenção de um novo emprego nos dias de hoje.

O estudo buscou traçar um perfil dos consumidores que moram em Mogi Mirim, Mogi Guaçu, Itapira, Conchal, Araras, Iracemápolis, Leme, Limeira, Pirassununga, Rio Claro, Santa Gertrudes, Santa Cruz da Conceição e Santa Cruz das Palmeiras, ouvidos entre os meses de abril e maio, com resultados analisados entre junho e julho.

Uma das conclusões da pesquisa é que as famílias estão evitando gastos que podem ser adiados. “Para o atual momento econômico, é especialmente relevante a baixa intenção na aquisição de bens, já que o consumo familiar poderia ser um vetor de recuperação da economia, gerando renda imediata e incentivando investimentos futuros”, aponta o relatório do CEPE.

ENDIVIDAMENTO
Recentemente, foram divulgados dados sobre o endividamento em São Paulo. O índice na capital paulista atingiu maior patamar da série histórica, iniciada em 2010, com 59,9% das famílias endividadas, em setembro. O dado apresentou crescimento de 1,9 ponto percentual (p.p.) em comparação ao mês anterior, e 5,4 p.p acima do visto em setembro do ano passado.

No total, 2,36 milhões de lares permanecem com algum tipo de dívida, 230 mil a mais no período de um ano. A inadimplência também foi recorde, com 859 mil famílias que não pagaram as dívidas até a data dos vencimentos, o que significa que 21,8% estão com atrasos. Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).



Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top