Rodrigo Ronzella atinge índice para Maratona de Boston

Diego Ortiz

Milhares de atletas de todo o planeta perseguem o sonho de alcançar o índice para a tradicional Maratona de Boston, a Maratona das Maratonas, a mais antiga entre as realizadas anualmente, desde 1897. O sonho se tornou realidade para o mogimiriano Rodrigo Ronzella, de 45 anos. O índice foi conquistado na Maratona de Chicago, nos Estados Unidos, em 14 de outubro. Embora a próxima Maratona de Boston, no mesmo país, seja em 2020, Ronzella irá competir em 2021, pois as inscrições para o próximo ano se encerraram em setembro, antes da prova de Chicago.

Com a medalha de conclusão, Ronzella festejou índice (Foto: Arquivo Pessoal)

O mogimiriano competiu na categoria 45-49 anos e completou os 42,195 quilômetros entre os primeiros 3 mil de um total de 46 mil competidores envolvendo participantes de todos os 50 estados americanos e mais de 100 países. O índice na categoria é de 3 horas e 20 minutos. Como há limite de vagas, para ter uma margem de segurança, Ronzella estipulou a meta de 3 horas e 15 minutos. E foi além: completou a prova em 3 horas, oito minutos e 48 segundos, seu recorde pessoal. “Foi a primeira vez que busquei o índice e treinei muito pra isso”, festejou.

Se Boston é o topo, Chicago também está entre as seis provas do grupo das Major Marathons. Além de Boston e Chicago, estão no rol as maratonas de Nova York, Londres, Berlin e Tóquio. Questionado sobre as principais dificuldades, respondeu ter sido o frio de 6ºC na largada e o vento. Já o momento mais crítico foi a partir do km 35. “Quando realmente ‘começa’ a prova. Dali pra frente foi administrar as dores e ‘não negociar com a cabeça’... A mente domina o corpo”, reflete.

Ronzella ficou encantado com a organização. Um dos detalhes foi a oferta de água e isotônico a cada 2 quilômetros. “Nas pontes, colocam tapete vermelho para eliminar os desníveis e evitar acidentes. Todo o percurso, pelas principais ruas e avenidas, é fechado, garantindo a segurança dos atletas. Esse é exemplo que deveria ser seguido aqui”, observou.

Outro detalhe foi Chicago respirar a maratona e a população incentivar o tempo todo. “Você nunca está sozinho. E nos dias seguintes, o climão continua: milhares de corredores desfilando orgulhosos com a medalha e a camiseta da prova”. Antes de Boston, Ronzella pretende disputar outra maratona em 2020, em Berlin, na Alemanha, ou Nova York, nos Estados Unidos.

Início nas maratonas em Blumenau e retorno em 2017

A primeira maratona de Rodrigo Ronzella foi em 2004, em Blumenau-SC, aos 30 anos. O mogimiriano viajava muito a trabalho para Balneário Piçarras-SC e um gerente maratonista o estimulou a correr. Fechou a prova de estreia em 3 horas e 36 minutos. Depois de três filhos e outro momento profissional, ficou alguns anos parado e voltou às maratonas em 2017, com a SP City Marathon, em São Paulo. Em 2018, competiu em Porto Alegre-RS e Lisboa, em Portugal. Neste ano, correu em Paris, na França, e Chicago.

O resultado mais expressivo foi o de Chicago, mas de cada prova, Ronzella tem uma recordação especial. “São Paulo, corri o tempo todo ao lado do compadre e melhor amigo, Porto Alegre debaixo de chuva a corrida toda, em Portugal, estava com fascite plantar e foi a prova que menos treinei. Em Paris, foi superação, estava me recuperando de uma lesão e não sabia se conseguiria completar. A beleza da cidade te estimula. Mas, em todas, eu me dediquei ao máximo e superei minhas metas”, resumiu.

SEM ZONA DE CONFORTO
Ronzella corre de três a quatro vezes na semana, pedala aos sábados, faz musculação e reserva um dia para descanso. “Quando viajo, levo sempre meu tênis comigo. Corro no sol, na chuva, onde quer que seja. Não tem desculpa, nem zona de conforto”, garantiu, frisando seguir a planilha de treinos e perseguir objetivos: “Este ano, já corri 1500 km, sendo 260 km só em setembro, no auge da preparação pra Chicago”.

O mogimimiriano faz acompanhamento nutricional e massagem esportiva para garantir uma boa recuperação e evitar lesões. Ronzella tem como treinador Marcelo Ortiz, conta com acompanhamento muscular de Melissa Macedo e nutricional de Liana Barros. “Um timaço me acompanha”, ressaltou.

1 comentários:

  1. Parabéns Rodrigo. Fiz a minha primeira Maratona em Porto Alegre 2019. 3h 46min. Estou treinando para baixar esse tempo este ano, novamente em Porto Alegre.

    ResponderExcluir

Scroll to top