Pré-candidato a prefeito, André Mazon quer ocupar ‘vácuo’ político

Flávio Magalhães

Conforme a coluna Confidencial, de A COMARCA, adiantou no último sábado, 11, André Mazon é pré-candidato a prefeito. Nesta semana, em entrevista ao jornal, o vereador explicou que faz contraponto à chamada “velha política” e à Esquerda. Com isso, pretende ocupar um vácuo deixado na política mogimiriana.

Empresário, Mazon quer eficiência da iniciativa privada
no Poder Público (Foto: Flávio Magalhães/A COMARCA)
“O eleitorado de Mogi Mirim já percebeu que o PSDB não o representa mais”, avaliou Mazon, apontando que o partido do prefeito Carlos Nelson Bueno perdeu força na cidade. “Minha pré-candidatura se propõe como uma opção mais moderna de se fazer política”, frisou.

Antes de ingressar na vida pública, Mazon fez carreira em âmbito empresarial. Atua nos ramos imobiliário, veterinário e de transportes. E são justamente os princípios da iniciativa privada que o empresário de 39 anos quer trazer para o Poder Público. “Um dos objetivos é fazer a Administração Municipal menor e mais eficiente”, explicou.

Até por isso, Mazon acredita que pode conquistar apoio junto aos empresários da cidade. Além disso, vem trabalhando em alianças políticas. O Patriota, de Robertinho Tavares, é o primeiro partido a apoiar a pré-candidatura. Inclusive, o vereador Robertinho é visto por Mazon como uma opção de vice. Assim como o vereador Tiago Costa (MDB) e o também pré-candidato Elias Ajub (Republicanos).

Também há adesão irrestrita dentro do próprio PTB. O deputado Campos Machado, liderança do partido, é um dos apoiadores de Mazon. E a campanha também pode contar com o apoio do deputado Bruno Lima (PSL), que mantém boa relação com o vereador mogimiriano. Campanha essa que será bancada pelo próprio empresário. “Não vou usar o fundo eleitoral, sou contra”, garantiu.

DESILUSÃO
Antes mesmo de confirmar sua pré-candidatura a prefeito, Mazon tinha a certeza de que não tentaria a reeleição para vereador. “A Câmara Municipal é muito forte, mas o vereador sozinho não é”, contou.

Formado em Direito e classificando a si mesmo como “legalista”, o empresário não escondeu uma certa decepção com o Poder Legislativo. “Parte da Câmara não quer legislar, quer fazer política. Então, acredito que vou perder tempo se tentar uma reeleição para vereador”, concluiu.

André Mazon foi eleito no pleito de 2016 com 389 votos. Teve passagem no Executivo como secretário de Cultura e Turismo, nos primeiros 13 meses da gestão do ex-prefeito Gustavo Stupp. Na Câmara Municipal, ocupa o cargo de 2º secretário da Mesa Diretora no biênio 2019/2020.

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Scroll to top