!


Dengue ultrapassa os 2 mil casos em Mogi Mirim

A dengue em Mogi Mirim ultrapassou os 2 mil casos, com menos de cinco meses completados no ano. O boletim semanal, divulgado pela Vigilância em Saúde, mostrou que até a última quinta-feira, 7, o município contabilizava 2.007 casos positivos da doença; um aumento de 142 casos em relação ao boletim do dia 30 de abril. As notificações saltaram de 5.479 para 5.740 em uma semana.

Ciente do aumento dos casos, a Secretaria de Saúde pede para que a população colabore com a limpeza de residências, evitando assim, o acúmulo de criadouros e a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Vale lembrar que as ações realizadas pelo Poder Público não param e consistem em um trabalho baseado em mutirões de limpeza e orientação, nebulização costal e veicular, visita a pontos estratégicos, imóveis especiais, busca e controle de criadouros, entre outros. A escassez de chuvas e o clima mais seco contribuem para o atual cenário da doença na cidade.

“Temos que lembrar que há mais de 30 dias não chove. Isso ajuda a não ter larva. Então, se o mosquito picou alguém em determinada rua, transmitiu dengue naquela rua para cinco, seis pessoas ou uma família toda, é porque o criadouro está na nossa casa, não naquele terreno ou na vizinha. Temos que prestar muita atenção nessa questão”, alertou a coordenadora da Vigilância em Saúde, Joalice Penna Rocha Franco, em nota. Ela reforçou os pedidos por mais atenção dentro de casa. E deu exemplos para isso.

“Temos que ter cuidado ao enxugar as grelhas no nosso quintal, porque todo mundo lava o quintal. Pode ser um criadouro no ralo da casa também. O banheiro que está no fundo do quintal, mas tem alguma coisa acumulada no vaso sanitário, se o vaso tem ou não tampa. Caso não tenha, o recomendado é cobrir com saco plástico. São pequenas coisas e tentamos alertar para que a população tenha esse olhar”, destacou.

BOLETIM
O boletim também mostrou que dos 2.007 casos, 1.040 foram registrados em mulheres e 967 em homens. A faixa etária de 16 a 59 anos é a que concentra a maioria dos casos positivos (1.372), seguido das pessoas acima de 60 anos (335), 6 a 15 anos (221) e até 5 anos (79).

A zona Norte é a região com mais casos na cidade, com 1.013 confirmações, acompanhada da zona Leste (380), Centro (241), zona Oeste (223), zona Sul (112) e zona rural (38).

São três mortes confirmadas até o momento, sendo um homem de 93 anos, morador do bairro Santa Luzia, uma mulher, de 56 anos, e outro um homem, de 72 anos, ambos moradores do Centro. Nos dois últimos casos, a Secretaria de Saúde atestou as mortes em exames de sorologia de dengue realizado pela Secretaria de Saúde em um laboratório credenciado no próprio município. A Prefeitura ainda aguarda a chegada de exames do Instituto Adolf Lutz, em São Paulo.




Nenhum comentário:

Deixe um comentário

Scroll to top