!


Campeonato Amador pode não ocorrer devido à Covid-19

O chefe de gabinete da Prefeitura de Mogi Mirim, Guto Urbini, revelou não acreditar na realização do Campeonato Amador em 2020 em virtude da pandemia de Covid-19. A afirmação foi feita durante entrevista para o jornalista e vereador Geraldo Bertanha, o Gebê, em programa na rádio Transertaneja e transmitido ao vivo, por vídeo, pelo Facebook, na semana passada. “Eu não acredito, mas estamos trabalhando para que isso seja possível. Temos que ter esperança, é algo importante pra cidade, tem tradição, mas o próprio Campeonato Brasileiro, Paulista, tem muita incerteza”, respondeu, ao ser questionado por Gebê se a competição seria realizada em 2020.

Logo em seguida, Gebê se manifestou contrário à realização do Amador neste ano. A competição é promovida pela Liga de Futebol Amador de Mogi Mirim (Lifamm), com repasses de verba da Prefeitura para custeio de taxas de arbitragem. Para realizar o certame neste ano, a Liga espera a autorização da Prefeitura, com a liberação da retomada do esporte no munícipio e, hoje, mantém suas competições suspensas, sem previsão de data. “Se um campeonato profissional poderia ter voltado, eles têm todo aparato, tecnologia, pra testar jogador todo dia se for preciso, tem dinheiro, vai praticar um esporte bem fechado, tem recurso pra fazer isso... não voltaram e não sabe quando vai voltar. Como que a Prefeitura... Se liberar, sabe que sou crítico nisso, não dá pra liberar, Campeonato Amador que movimenta uma boa parte da população. O cidadão trabalha semana inteira, chega no domingo, não vai ter nada pra preservar a vida dessas pessoas”, discursou Gebê.

A fala de Gebê teve o apoio de Guto. “Infelizmente não dá”, concordou o chefe de gabinete. “Não tem um controle, é diferente, por exemplo, você fecha o estádio, não tem torcida, mas aqui é aberto, espaço público. Tem campos que nem tem esse portão fechado”, colocou Guto.

Em Mogi Mirim há apenas dois campos municipais, o Estádio Distrital Ângelo Rottoli, o Tucurão, e o Maria Paula, na Vila Dias, onde é possível realizar os jogos sem torcida, com portões fechados, pois em outros, a arquibancada fica na área externa, com acesso pela rua.

Gebê ainda disse não se convencer nem mesmo se os jogos pudessem ocorrer com portões fechados. “Não adianta falar pra mim que vai fazer Campeonato Amador com portão fechado, a preocupação é com quem vai jogar mesmo. As pessoas envolvidas, o cidadão vai lá, leva pra casa”, alertou.
Guto lembrou que no Plano São Paulo, que conta com fases de flexibilização para avanços de liberação de funcionamento de diversos setores, a modalidade esportiva com público nem está presente. “Nem na cor azul, verde, nada, não criaram uma cor pra eles ainda”, observou.

Secretário demonstra mais pessimismo


Procurado pela reportagem de A COMARCA para abordar a expectativa em relação à possibilidade de realização do Campeonato Amador em 2020, o secretário da Secretaria de Juventude, Esportes e Lazer (Sejel) da Prefeitura, Osvaldo Dovigo, demonstrou maior pessimismo em relação à entrevista dada em maio ao jornal. Na ocasião, quando já revelava a dificuldade em fazer previsões e de retomada do futebol na cidade, Osvaldo dizia ser necessário esperar junho e julho para avaliar a evolução da pandemia e que não se poderia pensar em Amador antes de agosto. Nesta semana, Osvaldo esticou o prazo para se pensar na possibilidade de iniciar o certame. “Os casos estão aumentando, a gente não sabe até onde vai, é superdifícil falar se vai ter ou não. Acho que antes de outubro, a gente não vai pensar em nada. Estamos em junho acabando, julho tá subindo, índice vai ser ruim, vai começar a descer em agosto. Vamos ver se com a abertura do comércio, vão aumentar os casos, se vai diminuir. São mais dois meses de aprendizado pra nós, vamos ver”, pontuou               Dovigo.

Em relação às finais da Copa de Futebol Rural, Dovigo disse ainda não ter uma sinalização de quando chamará os clubes para conversar sobre quando, como e onde seriam disputadas as decisões. Porém, admitiu a possibilidade de fazer a final apenas em 2021, antes do novo Rural, ideia defendida por alguns clubes visando ter público e não precisar de as finais ocorrerem com portões fechados na zona urbana. “Vai que não tem nada esse ano, o ano que vem, quando começar em janeiro, tá liberado, você faz a final do anterior. Troféu e medalha, tudo comprado, guardado. Por que você vai matar dois jogos da final do Rural e dois jogos de semifinal e um da final do Salão”, afirmou, contando que também pode segurar a etapa final da Copa Futsal para 2021.

DESOBEDIÊNCIA
Dovigo observou que um dos fatores que retardam o retorno é justamente o desrespeito de quem desobedece à proibição de atividades esportivas, inclusive com jogos amistosos. No domingo, a Guarda Civil Municipal foi checar um alerta de um amistoso no Pombal e encerrou a partida. “Times estão jogando. Pessoal não respeita, não quer saber, por isso, estão aumentando os casos. Pessoal tem que saber, entender que temos que esperar baixar pra depois ir liberando, enquanto o pessoal insistir em ir espalhando o vírus, vai acabar atrasando cada vez mais, não tem como”, salientou.
Por outro lado, ao ser questionado se, assim como o chefe de gabinete da Prefeitura, Guto Urbini, não acredita em Amador em 2020, Dovigo ponderou: “Eu tô amarrado, eu sou Esporte, adoro Esporte, eu sou o cara mais ansioso, querendo que volte, mas a gente tem que ter consciência que o momento não é ideal”.

Ainda não há sinalização para que finais da Copa Rural sejam definidas pela Prefeitura (Foto: Nelson Victal do Prado Júnior)

Nenhum comentário:

Deixe um comentário

Scroll to top