Palácio de Cristal é julgado irregular

Flávio Magalhães

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) julgou irregulares a dispensa de licitação, o contrato e os termos aditivos celebrados entre a Câmara Municipal de Mogi Mirim e o proprietário do Palácio de Cristal, Felipe Augusto Silva Higino, para a locação do imóvel espelhado como sede dos gabinetes legislativos.

A decisão do conselheiro Renato Martins Costa ainda alcança o ex-presidente da Câmara Municipal, João Antonio Pires Gonçalves, o João Carteiro (SD), multado em 160 Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (Ufesps), valor equivalente a pouco mais de R$ 4 mil, por ser o responsável pela assinatura do contrato de locação do Palácio de Cristal.

A deliberação do TCE é referente a uma representação feita ainda na legislatura anterior por Maria Helena Scudeler de Barros (PSB), Luiza Cristina (PSB), Luiz Guarnieri (PSB), Dayane Amaro Costa (PSDB), Leonardo Zaniboni (SD), Osvaldo Quaglio (PSDB), Cinoê Duzo (PSB), Jorge Setoguchi (PSD) e Luiz Roberto Tavares (PEN).

Os vereadores da época levantaram possíveis irregularidades ocorridas no processo de dispensa de licitação e consequente contrato e termos aditivos com Felipe Augusto Silva Higino, proprietário do Palácio de Cristal. Os parlamentares indicaram que houve afronta aos princípios da moralidade, impessoalidade e da economicidade, causando prejuízos aos cofres públicos.

Em fevereiro de 2014, dias após a instauração do primeiro chamamento público aberto pela Câmara Municipal, ainda pelo ex-presidente do Legislativo e ex-vereador Benedito José do Couto, o Dito da Farmácia (PV), vereadores locais fizeram as primeiras denúncias de que o procedimento se destinava apenas a formalizar a locação de prédio de propriedade do filho do empresário Nilson Lopes Higino.

A Câmara Municipal insistiu no processo, levado até o fim e concluído por João Carteiro. No entanto, o TCE não encontrou justificativas na dispensa de licitação feita pelo Legislativo local. “A regra da Administração Pública é a da realização de procedimento licitatório”, fez questão de ressaltar o conselheiro Renato Martins Costa.



Exercícios exigem acompanhamento profissional

Por Flávio Magalhães

A morte de um rapaz de 32 anos no último mês de agosto enquanto praticava exercícios físicos em uma academia de Mogi Mirim causou espanto não só entre seus familiares e amigos. Os que souberam do acontecido também ficaram surpresos, principalmente pelo fato do jovem ser aparentemente saudável, praticante de exercícios há alguns anos.

Embora nesse caso, em específico, a prática do crossfit (programa intenso de treinamento e condicionamento físico) tenha sido descartada como fator determinante para a morte do rapaz, fatos como esse trazem à tona entre a população os riscos da prática de exercícios sem orientação profissional. Infartos e mortes súbitas em academias foram registrados neste ano em cidades da região, como Limeira e Piracicaba.

“Toda vez que se for iniciar a prática de exercícios físicos, é necessária uma avaliação cardiológica, para traçar o perfil do paciente”, alerta o cardiologista Fábio da Cunha Balbão, especialista em Cardiologia no Esporte. Esse perfil é baseado em características genéticas, hábitos de vida (como o fumo), peso e idade. “A partir disso é definido o tipo de avaliação. Às vezes um eletrocardiograma é suficiente, mas em outros casos é preciso um exame mais detalhado”, explicou para a reportagem de A COMARCA.

Balbão lembra que exames são necessários para não exigir demais do coração

Balbão fala com propriedade, já que possui experiência de 15 anos no ramo. Trabalhando atualmente no hospital Sancta Maggiore, na capital paulista, e atendendo em seu escritório particular em Mogi Mirim, acumula passagens no Beneficência Portuguesa e no Sírio Libanês. Integrou, nesse período, a equipe que tratou o ex-vice-presidente da República José de Alencar, morto em 2011. Por isso é categórico ao afirmar que exercícios físicos sem orientação podem “melhorar uma coisa, mas prejudicar outras”.

O cardiologista lembra que cada pessoa tem sua peculiaridade. “Não existe receita de bolo”, definiu. Avaliando-se a pressão arterial e testando esforço físico de cada paciente, é possível traçar com maior precisão quais exercícios são recomendáveis e em que frequência, justamente para não exigir demais do coração. “Além disso, um profissional da Educação Física deve ser consultado, esse é o segredo da boa e eficaz atividade física”, destacou.

A professora e personal trainer Eloína Lemos, da Cia Athetica de Campinas, afirma que a falta de orientação pode ocasionar problemas posturais, dores articulares, tendinites, lombalgias e outros riscos. “No caso de uma pessoa sedentária ou um iniciante em práticas esportivas que ultrapassa os limites, o risco de acontecer um infarto ou morte súbita é considerado”, ressalta a mogimiriana, formada em Educação Física pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

Eloína alerta que sedentários que passam dos limites podem sofrer infarto ou morte súbita

Cabe ao profissional de Educação Física, segundo Eloína, avaliar e prescrever um treino individualizado de acordo com o nível de condicionamento de cada um, considerando suas limitações e restrições e, com o passar do tempo e evolução, fazer as alterações necessárias para o desenvolvimento. No caso do crossfit, o cuidado é redobrado. “O indivíduo precisa estar previamente fortalecido, pois são exercícios com movimentos explosivos, além do cuidado com a parte cardiovascular”, explicou.

Mas não são por esses motivos que a prática de exercícios deve ser desencorajada. Pelo contrário. “Através de exercícios, o indivíduo melhorar sua função cardiovascular e respiratória, fortalece os ossos e músculos, diminui o risco de desenvolver doenças do coração, pressão alta, osteoporose, diabetes e obesidade, ajuda a diminuir e controlar o peso, alivia o estresse e a ansiedade, fortalece o sistema imunológico, traz bem-estar e tantos outros benefícios”, lista a professora de Educação Física.

Balbão reforça: “quanto mais atividade física, maior a longevidade”. E Eloína aconselha: “Não deixe de iniciar o quanto antes a prática de exercícios físicos regularmente, sempre com orientação!”.

Editoria:

Selado acordo para início das obras da Havan e do Atacadão

Uma reunião realizada nesta semana na Renovias selou um acordo para que a Havan, uma das lojas de departamento mais completas do país, e o Atacadão, rede atacadista de força no mercado, possam dar início às obras de um empreendimento que será levando numa área na avenida Pedro Botesi, próximo ao acesso à rodovia SP-340. O grupo adquiriu um terreno de 54.600 metros quadrados e terá mais 16 mil metros quadrados de área construída. O negócio deve gerar quase 1 mil empregos, entre diretos e indiretos.

O anúncio da instalação da Havan e do Atacadão em Mogi Mirim foi feito pelo prefeito Carlos Nelson Bueno (PSDB), no final de agosto. Na ocasião, ele revelou que o intuito dos investidores era dar início ao projeto o mais rápido possível, projetando sua inauguração para agosto de 2018.

Porém, prevendo eventuais problemas ligadas ao tráfego, já que a demanda naquela localidade aumentará consideravelmente, CNB pediu a seu corpo técnico, estudos de tráfego, vizinhança e saturação de estacionamento. Para o prefeito, um novo acesso à Pedro Botesi seria a alternativa.

O assunto foi tratado nessa semana, numa reunião que reuniu representantes da administração municipal, da Renovias – concessionária que administra a rodovia – da Artesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo) e da Havan. A exigência apresentada por CNB foi a construção de uma via marginal, paralela à rodovia, iniciando na entrada do Murayama e terminando no empreendimento.

Outra possibilidade aventada na reunião é a construção de um novo acesso à cidade pela Pedro Botesi, contemplando uma grande rotatória. “Ela ajudaria na fluidez do tráfego, tanto para quem chega, quanto para quem sair da Havan, sem precisar fazer retorno pela avenida”, disse o chefe de gabinete, José Augusto Francisco Urbini, o Guto Urbini, que participou do encontro.

Como a Havan assumiu o compromisso de custear as despesas com as obras, independente do modelo adotado, Carlos Nelson se prontificou, então, a fornecer as diretrizes ao grupo empreendedor num prazo de 10 a 15 dias. Com as diretrizes, a Havan estará autorizada a iniciar as obras. Agora, caberá à loja de departamento e a Artesp definir qual situação será implantada.

Se for pelo novo acesso, os procedimentos ficarão concentrados na empresa, na Renovias e na Artesp. Se a opção for pela via marginal, a Prefeitura ficará responsável por viabilizar a área que margeia a rodovia. “Vamos negociar com os proprietários pela doação, já que a obra vai valorizar o restante das áreas que permanecerem com seus donos”, adiantou Guto.


Editoria: , ,

Mulher forja próprio sequestro para enganar a família

Uma mulher de 38 anos vai responder por falsa comunicação de crime, após ter forjado seu próprio sequestro. Ela chegou a colocar em alerta a Polícia Civil de Mogi Mirim e também a Delegacia Antissequestro de Campinas (DEAS), que esteve na cidade na noite da terça-feira, 26, para iniciar as investigações.

O companheiro da vítima, um empresário de Mogi Mirim, juntamente com familiares, esteve no plantão policial no início da noite da terça-feira, 26, informando que ela havia saído de casa, no bairro Santa Cruz, por volta das 13h30, para ir na manicure, e posteriormente, acompanhada de uma cunhada, iria até o hospital para acertar os detalhes de sua cesariana que estava marcada para o dia seguinte.

Familiares estranharam quando souberam que a mulher não chegou a ir à manicure e muito menos se encontrar com a cunhada para irem até o hospital. Horas depois, o empresário começou a receber mensagens por um aplicativo de celular, de um número desconhecido. As mensagens tinham um tom ameaçador e davam a entender que sua companheira havia sido sequestrada.

Antes de procurar a polícia, o empresário verificou as câmeras de segurança instaladas na residência e pode perceber que um homem estranho passava em frente da moradia e mexia no celular, o que aumentou o seu temor.

Após seus relatos à Polícia Civil, a Delegacia Seccional e a DIG (Delegacia de Investigações Gerais) foram acionadas. A Delegacia Antissequestro de Campinas também foi comunicada. Policiais desta especializada vieram até Mogi Mirim para dar início às investigações.

LOCALIZAÇÃO
A primeira medida foi iniciar o monitoramento do telefone desconhecido que estava enviando as mensagens ao celular do empresário. Através do aparelho, os policiais chegaram até um moto táxi da cidade de Santos.

A antissequestro fez contato com os policiais santistas e estes localizaram o moto táxi. Ao ser questionado, o profissional relatou que havia levado uma mulher até um hotel na praia José Menino, fornecendo o endereço.

Acreditando que a mulher pudesse estar em poder dos criminosos, os policiais montaram uma operação e seguiram para o hotel. O quarto onde estaria a suposta vítima teve sua porta arrombada e, para a surpresa dos policiais, a mulher estava sozinha.

Ela foi encaminhada à DIG de Santos, onde confessou que, por conta própria, havia montado toda esta situação, devido ao fato de ter perdido o bebê e estar com medo de dizer o ocorrido aos familiares. Ela vai responder pela falsa comunicação do crime.

Um irmão da mulher seguiu até a cidade de Santos e a trouxe de volta para Mogi Mirim. Na quarta-feira, 28, ela foi levada à Delegacia de Polícia para esclarecer os fatos.


Editoria:

Em meio à comoção, imagem de santa é restaurada

O episódio de vandalismo envolvendo a imagem de Nossa Senhora de Lourdes trouxe comoção aos funcionários e usuários da Santa Casa. Afinal, a gruta onde ficava a imagem da santa fica bem ao lado do setor de hemodiálise e na porta de entrada da capela Santa Isabel, anexo à irmandade. “É um lugar muito venerado pelas pessoas que vem para a capela e pelos pacientes do setor de hemodiálise”, disse a assistente social Milena Brunheroto Valério.

O ato de vandalismo aconteceu há dois finais de semana. “A imagem da santa que fica na gruta da Santa Casa está assim, destruída. Dias atrás foram os vidros da capela, agora a imagem sacra. A Santa Casa já está registrando o caso à polícia. De qualquer forma, além do prejuízo material, um ato como este apenas expõe, com perplexidade, a nossa preocupação sobre vivermos em uma cidade onde as pessoas destroem patrimônios que são da própria população. É o nosso lamento”, publicou a irmandade em sua página no Facebook.

Na segunda-feira, 18, a Santa Casa já havia providenciado um restaurador para a imagem. Maria do Carmo Moche, mais conhecida como Duca, é funcionária da instituição. Ela tem uma amiga que mora em Mogi Mirim Guaçu e que chegou a trabalhar com Duca na irmandade. “Ela ficou sabendo pelo Facebook e me ligou na hora, dizendo que tem um irmão – Adriano Santos - que faz o serviço de restauração de imagens sacras”, comentou.

Duca pensou que a Santa Casa teria que arcar ao menos com os gastos com o material, mas, Adriano não cobrou nada. “Ela (amiga) disse que o irmão ficou sensibilizado, porque quando morava aqui em Mogi, chegou a fazer vários pedidos nos pés da santa”, comentou. Naquele mesmo dia, o próprio Adriano veio buscar a imagem. Depois de quase duas semanas, o serviço já está quase concluído. Falta apenas a pintura. Adriano aproveitou para colocar o nome da santa aos pés da imagem em letras douradas.

Milena informou que uma missa deverá ser celebrada na capela para marcar o retorno da imagem a seu devido lugar. Porém, antes, a Santa Casa deverá colocar uma proteção para evitar que o episódio se repita. Até uma câmera de segurança poderá ser instalada. “Foi um momento de muita tristeza. Um ato de desrespeito à instituição, que é patrimônio da população. A gruta, a imagem e a capela são lugares de respeito, e precisamos zelar por eles”, frisou.

Além de Nossa Senhora de Lourdes, Milena disse que a Santa Casa pretende restaurar outras imagens, bem como realizar serviços de manutenção no prédio da capela. “Pretendemos arrumar, também, os vitrais que foram apedrejados recentemente”, acrescentou.

A repercussão, segundo Milena, foi muito grande. Só no Facebook, foram mais de 30 mil visualizações na publicação feita pela Santa Casa. A instituição também recebeu telefonemas de pessoas que manifestaram sua solidariedade ao acontecimento. “A cada 15 dias, rezamos o terço na capela às 18h30. E na terça posterior ao que aconteceu, teve terço. Muitos choraram por não terem visto a imagem da santa lá”, relatou.

A veneração pela santa era tamanha que ao retiraram a imagem para restauração, encontraram debaixo da base, vários bilhetes pedindo ou agradecendo pelas graças alcançadas. “Era comum o pessoal da hemodiálise ficar sentado junto à gruta, rezando. Hoje, sem a imagem, o lugar está vazio, porque não tem sentido para eles”, observou.

ANTES E DEPOIS: Vandalizada, imagem de Nossa Senhora de Lourdes é restaurada

HISTÓRIA
Não há uma data precisa quanto a construção da gruta, assim como a doação da imagem da santa. O certo é que o conjunto segue um simbolismo da história. Nossa Senhora de Lourdes é o nome usado para se referir à aparição mariana que foi presenciada por várias pessoas em ocasiões distintas, no entorno da cidade de Lourdes, na França.

As aparições de Nossa Senhora de Lourdes começaram no dia 11 de fevereiro de 1858, quando Bernadette Soubirous, uma camponesa de 14 anos, foi questionada por sua mãe, pois ela afirmava ter visto uma "dama" na gruta de Massabielle, a cerca de uma milha da cidade, enquanto ela estava recolhendo lenha com a irmã e uma amiga.

A "dama" também apareceu em outras ocasiões para Bernadette até os 17 anos.
Bernadette Soubirous foi canonizada como santa, por suas visões da Virgem Maria. A doação da imagem à Santa Casa não foi por acaso. Nossa Senhora de Lourdes é a protetora dos enfermos.

‘O mundo está esquecido de Deus’, diz Monsenhor Paiva

Flávio Magalhães

Repercutiu em Mogi Mirim durante a última semana uma ação de vandalismo contra uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes localizada na Santa Casa de Misericórdia. E essa não foi a primeira vez que imagens ou templos católicos sofreram com a ação de vândalos ou até mesmo de criminosos.

No alto de suas seis décadas de vida sacerdotal, Monsenhor Clodoaldo de Paiva já viu casos semelhantes por essas terras. Lembrou da vez em que a imagem do padroeiro de Mogi Mirim, São José, foi quebrada dentro da Igreja Matriz por um fanático religioso. “Mas isso foi há muitos anos”, ponderou.

Procurado por A COMARCA para comentar as recentes ocorrências que tiveram como vítimas a capela e, na semana passada, a imagem de Nossa Senhora de Lourdes localizadas na Santa Casa local, Monsenhor Paiva afirmou que tem uma “opinião suave” sobre esses acontecimentos. “Vejo como casos isolados. Pode ser um desequilibrado, um drogado ou um fanático religioso, ainda não sabemos”, pontuou.

Mesmo cogitando a hipótese de que o ato de vandalismo tenha sido praticado por motivações religiosas, o vigário emérito da Igreja de Santa Cruz prefere não fazer julgamentos. “O ato de um indivíduo não significa o erro de toda uma religião”, ponderou Paiva.

“Eu olho para esses casos com muito carinho, não me abalo. Nossa religião já passou por tantas perseguições que o que acontece hoje é fichinha”, disse, em referência aos séculos de apedrejamentos e mortes de adeptos do Cristianismo no Império Romano. “Naquele tempo faziam tochas de cristãos vivos!”, afirmou Monsenhor Paiva.

Por outro lado, o sacerdote admitiu que os tempos atuais são de menos religiosidade. Os números apontam na mesma direção. No começo deste ano, em Mogi Mirim, três igrejas foram arrombadas e furtadas no período de um mês. Duas delas, no mesmo dia.

A Igreja de São Benedito teve dois cofres destinados ao dízimo destruídos, sendo subtraídos consequentemente cerca de R$ 100. A invasão de deu numa madrugada de março, pela porta lateral do templo, localizada na Rua Maestro Azevedo, região central.

Situada no Parque das Laranjeiras, zona Leste, a Igreja de Santo Expedito também sofreu com ações criminosas. A sacristia foi invadida, bem como outros cômodos. Foram furtados diversos litros de óleo, dois chuveiros elétricos, uma sanduicheira e dois espremedores de frutas.

Alguns dias antes, a Paróquia Senhor Bom Jesus, no Mirante, teve os vidros dos fundos quebrados, registrando o furto de aproximadamente R$ 800. Os ladrões também danificaram o Sacrário, pequeno cofre onde são guardados objetos considerados sagrados.

Monsenhor Paiva resume não só essas ações, mas o que vem ocorrendo em Mogi Mirim e no Brasil afora atualmente em uma frase. “O mundo está esquecido de Deus”. Para o religioso, as famílias precisam se voltar à religião como antigamente. “A religiosidade caiu muito, infelizmente”, lamentou.



Presidente do PT pede desfiliação do partido

O presidente do diretório municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) de Mogi Mirim, Oberdan Quaglio Alves, colocou o cargo à disposição e pediu a desfiliação da legenda junto à Justiça Eleitoral. Ele estava na sigla há sete anos e disputou por ela a última eleição para vereador, em outubro passado.

Nesta semana, porém, em nota encaminhada à imprensa, ele afirmou que chegou a um “divisor de águas” sobre a sua participação política no partido após a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann se posicionar contra a pena imposta ao senador Aécio Neves (PSDB) pelo Supremo Tribunal Federal (STF), alegando inconstitucionalidade.

Após o STF determinar o afastamento do tucano, Gleisi divulgou uma nota em que afirma que Aécio merece o “desprezo do povo”, mas que não pode ser afastado pelo Supremo Tribunal Federal. Alega que o PT age “em nome da defesa da constituição e do devido processo legal”.  Visão essa que Oberdan discorda.

“Defender a nota publicada essa semana em defesa do Senador Aécio Neves do PSDB, que foi pego em flagrante e gravado pedindo e recebendo propinas de mais de R$ 2 milhões, fazendo ameaças de morte ao próprio primo e outras tantas acusações e provas contra o senador, não o farei”, deixou claro o petista.

“Não há argumentos que torne essa defesa honrosa, pelo contrário defender o não cumprimento da decisão do STF neste caso é acabar com a história construída de maneira muito dura na esfera municipal”, argumentou Oberdan. A íntegra da nota divulgada por ele é publicada abaixo.



A Luta Não Pode Parar

Esta semana me deparei com o divisor de águas sobre a minha participação política pelo Partido dos Trabalhadores PT. Sou filiado ao partido desde 2010, me filiei na eleição do primeiro mandato da Presidenta Dilma, os avanços aos quais o País estava passando me motivaram a apoiar algo que estava mudando a cara do País que acredito ter o dever de lutar.

Programas como o Minha Casa Minha Vida, Fome Zero, PAC´s, Bolsa Família, Fies, Prouni, Pronatec, Mais Médicos, Ciência sem Fronteiras, Luz pra todos, Samu, UPA24Hs e outros tantos me motivaram a efetuar a defesa do nosso programa progressista de desenvolvimento de um País que até pouco tempo era tido como de 3º mundo e quebrado.

Mas a decepção chegou, para a minha surpresa a recém-eleita Presidente do PT a Senadora Gleisi Hoffmann publicou uma nota oficial declarando a não aceitação da pena imposta ao Senador Aécio Neves do PSDB pelo Supremo Tribunal Federal alegando inconstitucionalidade e declarava que a bancada do PT votaria pela queda da decisão do Supremo e pela manutenção do Senador em seu mandato.

Frequentemente fazemos a defesa do PT em nosso município e evidenciamos os avanços que nossos programas progressistas promovem na sociedade, mas defender a nota publicada essa semana em defesa do Senador Aécio Neves do PSDB que foi pego em flagrante e gravado pedindo e recebendo propinas de mais de 2 Milhões, fazendo ameaças de Morte ao próprio Primo e outras tantas acusações e provas contra o Senador, NÃO o farei, não há argumentos que torne essa defesa honrosa, pelo contrário defender o não cumprimento da decisão do STF neste caso é acabar com a história construída de maneira muito dura na esfera municipal.

Sendo assim estou descumprindo decisão tomada pela executiva nacional do PT e pelo teor nota a qual não concordo me faz colocar o cargo de Presidente do Partido dos Trabalhadores de Mogi Mirim a disposição e solicito por meio desta a minha desfiliação.

Oberdan Quaglio Alves
Ex-Presidente do PT e Ex- Filiado
Editoria: ,
Scroll to top