Projeto Floralto quer mudar a cara do Jardim Planalto

Flávio Magalhães

É possível mudar o futuro de um bairro condenado a um ciclo de pobreza e violência há quase quatro décadas? O presidente da Associação de Moradores dos Bairros Residencial Floresta e Jardim Planalto (Floralto), Fábio Luiz Cintra, acredita que sim. E aposta todas as suas fichas nas crianças e nos adolescentes.

O Projeto Floralto existe há quase um ano e meio, e desde que Fábio assumiu a presidência da associação o foco é tirar os jovens das ruas e do tráfico de drogas, uma dura realidade do Residencial Floresta e Jardim Planalto. “Para mudar a cara desse bairro, temos que apostar nas crianças”, reforça. “As pessoas pensam que é brincadeira, mas tem criança passando fome aqui”, relata.

Para dar uma nova perspectiva à juventude do bairro, o Projeto Floralto anda de mãos dadas com a escola estadual e com a unidade básica de saúde (UBS) do Jardim Planalto. A instituição de ensino cedeu um espaço para a secretaria da associação, enquanto o postinho faz um trabalho de conscientização sobre saúde pública com a garotada.

Paralelamente, um verdadeiro time de voluntários oferece aulas aos jovens. Tem capoeira, de segunda a quarta; treino de goleiro, às segundas e terças; futebol sub10, sub12 e sub14; zumba e dança de rua duas vezes por semana; teatro aos domingos; e tênis aos sábados. “É o único projeto que tem aulas de tênis”, orgulha-se Fábio.

Não por acaso, as atividades são concentradas no período noturno. “É quando o bicho pega”, explica o presidente do Floralto. As escolas e demais projetos sociais, como o Badí e o ICA, ocupam as crianças durante o dia, mas elas estão vulneráveis a noite. “Jovem que não tem o que fazer, não vai fazer coisa boa”, frisa.

Felizmente, o Esporte e o Lazer ganham de goleada. “Aqui, o jovem vai fazer o que gosta, não vai sair do bairro. Tem muita gente boa aqui, mas precisa de incentivo”, garante Fábio. Por isso é tão importante que o Projeto Floralto continue funcionando. Por ser uma entidade recente, a associação sobrevive apenas de doações. “A comunidade nos abraçou”, comemora o presidente, mas é preciso ainda mais.

O próximo passo é pedir ajuda de empresários. Afinal, Fábio reconhece que boa parte dos problemas de criminalidade de Mogi Mirim são de moradores do Planalto e do Floresta, por isso quer ajuda para cortar o mal pela raiz e mudar o destino da próxima geração. “Se continuar assim, a criminalidade vai continuar aumentando”, lamenta. “Se cada um ajudar um pouco, faz a diferença”.

“A comunidade nos abraçou”, comemora o presidente Fábio, mas é preciso ainda mais


AJUDE
O Projeto Floralto atende cerca de 300 crianças e adolescentes, dos 6 aos 17 anos, através do Esporte e do Lazer. Distribui cestas básicas para as famílias mais carentes e pretende implantar uma assistência aos idosos. Quem quiser contribuir, pode entrar em contato com a associação pelo número 97136 9317.

Romu derruba “QG” do tráfico na Zona Leste

Em uma ação muito bem planejada, a ROMU (Ronda Ostensiva Municipal) e o GOC (Grupo de Operações com Cães) prenderam dois rapazes no final da tarde de ontem, acusados de ligação com o tráfico de drogas. Junto com Mateus Mendonça de Sousa, de 18 anos, morador do CDHU, e um adolescente de 17 anos, que reside na Vila Dias, a GCM apreendeu grande quantidade de droga, material para embalagem, balança de precisão, dinheiro e celular.

A equipe da ROMU, formada por Castellani, Marcelo e Willian, estava em patrulhamento quando foi informada que havia um suspeito em um corredor de uma casa na Praça Chico Mendes, ligado ao tráfico de drogas. Com as descrições física e das vestes, os GCM’s seguiram para o local e perceberam que, quando o rapaz avistou a viatura, saiu correndo em disparada, atravessando a praça e jogando uma sacola sob o telhado de uma igreja.

O rapaz, identificado como um menor, recém saído da Fundação Casa, foi detido. Ao verificarem o que o mesmo havia atirado, foram encontradas drogas.
Foi solicitado o apoio do Grupo Operacional com Cães – GOC, guarnição composta pelos GCMs Souza, Machado e Edvaldo, com o cão Athos. Eles retornaram até a casa, onde o menor foi avistado no início da ação policial. O cão Athos iniciou as buscas, levando os guardas até a calha. Lá, encontraram mais entorpecentes. No decorrer da ação, foram apreendidas 61 porções de maconha prontas para a venda, 69 pinos de cocaína e um aparelho celular.

Na continuidade, a ROMU seguiu para a rua Emílio José Pacin, no CDHU, e depararam com Mateus Mendonça sentando no portão de sua casa. Como havia denúncia de que poderia haver uma ligação entre ele e o menor, os guardas municipais fizeram a abordagem. Ele negou que haveria algo de ilícito no interior de sua casa, liberando para as buscas.

Na laje da moradia, no entanto, foram localizados 111 pinos de cocaína, 193 porções de maconha, aproximadamente 500 tubetes vazios, 800 sacos zip, uma balança de precisão, dois frascos com bicarbonato, 40 gramas de pasta base de cocaína e R$ 331,00 e dinheiro.

Até o fechamento desta edição, os dois suspeitos permaneciam detidos, sendo autuados.


Editoria:

Prorrogado o pagamento de IPTU complementar; valor pode ser dividido em 12 vezes

A Prefeitura autorizou a prorrogação do prazo para pagamento do IPTU Complementar e o parcelamento do valor em até 12 vezes sem juros, desde que seja solicitado até a data do vencimento. As mudanças foram adotadas em atenção às solicitações feitas por um grupo de vereadores. A administração municipal também concederá 10% de desconto para o contribuinte que optar pelo pagamento à vista. Os benefícios já constam no Decreto 7.623/2017 que será publicado na edição deste sábado, 2, do Jornal Oficial do Município.

O IPTU Complementar está sendo cobrado pela Prefeitura de nove mil residências, porque seus proprietários ou responsáveis aumentaram a área construída e não comunicaram ao Poder Público. Para o apontamento do valor suplementar foram realizadas análises técnicas baseadas em fotos áreas e recadastramento imobiliário. Foram organizados processos em nome de cada contribuinte contendo medidas, fotos de fachada e comprovantes de como a moradia era antes – cerca de 10 anos atrás – e como está agora.

Num primeiro momento, diante de uma série de reclamações, a Secretaria de Finanças havia apenas prorrogado o prazo para pagamento, do dia 11 para o dia 28 de dezembro, informando ainda que se nesse período, o munícipe não quitar o imposto, o valor será computado como dívida ativa a partir do próximo ano. Nessa situação, o interessado poderá buscar o parcelamento do valor, embora acrescido de juros e multas.

Porém,  novas mudanças foram lançadas após reivindicações feitas pelos vereadores Geraldo Vicente Bertanha, o Gebê (SD), Maria Helena Scudeler de Barros (PSB), Cristiano Gaioto (PP), Alexandre Cintra (PSDB), Orivaldo Magalhães (PSD), Sônia Modena (PP), Marcos Gaúcho (PSB), Luiz Roberto de Souza Leite, o Chupeta (PSDB), Gerson Rossi (PPS), Jorge Setoguchi (PSD), Samuel Cavalcanti (PR) e Manoel Palomino (PPS).

As medidas foram possíveis após análise da solicitação pela Secretaria de Negócios Jurídicos e identificação de lei de 2015 que permite o parcelamento do IPTU e prevê desconto para pagamento em parcela única. Foi solicitado também que a Prefeitura conceda o parcelamento em 2018 do IPTU Complementar, para contribuintes em débito, com isenção de juros e multas. O pedido será estudado.

Como os Correios já efetivaram a entrega dos boletos nas 9 mil residências
com IPTU Complementar, o contribuinte que optar pelo pagamento em parcela única para a obtenção do desconto deverá efetuar a troca do boleto. Há duas possibilidades disponíveis: recorrer ao IPTU Online, no site www.mogimirim.sp.gov.br e imprimir uma nova via ,ou comparecer no Paço Municipal, à rua Dr. José Alves, 129, e efetuar a troca por um novo documento no Setor de Tributação.

O atendimento no local será realizado apenas até o dia 22 de dezembro, último dia de experiente no ano. Após essa data, somente o serviço online estará disponibilizado. Já o contribuinte que efetuou o pagamento, poderá solicitar a restituição de 10% do valor quitado, a título de desconto, através de abertura de protocolo no Setor de Protocolo também localizado no Paço Municipal.

CENTRAL DE ATENDIMENTO
A fim de prestar esclarecimentos específicos quanto as medidas das propriedades, a Secretaria de Planejamento Urbano e a empresa Aerocarta S/A – Engenharia de Aerolevantamentos disponibilizaram uma Central de Atendimento até o próximo dia 11. Os interessados devem comparecer no Paço Municipal, localizado à rua Dr. José Alves, 129, das 8h às 16h, munidos com o talão do IPTU 2017, a folha referente ao IPTU complementar e documentos pessoais.


Editoria: , ,

Câmara aprova revisão da Planta Genérica de Valores

A Câmara Municipal aprovou na última segunda-feira, 27, a revisão da planta genérica de valores (PGV) de parte da cidade de Mogi Mirim. A nova lei altera o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de pouco menos de quatro mil e exclui os condomínios Santa Mônica e Santa Úrsula do aumento.

SAIBA MAIS: Prefeitura quer revisar Planta Genérica de Valores

Segundo dados da Prefeitura, a maior parte dos figurados entre os 10% são imóveis baldios: 64%, o que corresponde a 2.737 unidades. Somente 1.220 são imóveis com edificações, equivalentes a 28%. Os 8% restantes, formadas por 342 unidades, são imóveis em construção.

Esses números se devem ao fato de que a revisão atinge vários conjuntos habitacionais recentes ou considerados de “alto padrão” pela Prefeitura. Outro ponto que deve ser levado em consideração é o combate à especulação imobiliária. Isto é, a oneração do custo dos terrenos baldios auxilia na diminuição do retorno econômico dos especuladores imobiliários.


Editoria: ,

SOS Mogi elege diretoria, mas terá que aguardar pela Justiça

Foi realizada na noite de quinta-feira, 30, no Bristol Hotel, a eleição para a nova diretoria do Mogi Mirim Esporte Clube, conduzida pelos membros do movimento SOS Mogi. Parte do grupo foi eleita numa Assembleia Geral Extraordinária, realizada no dia 18 de julho, para assumir o comando do clube. Isso porque, na ocasião, os membros decidiram pela destituição dos atuais dirigentes. O mesmo grupo foi aclamado no pleito de quinta para administrar o Mogi no biênio 2018/2019.

O edital de convocação para a Assembleia Geral Extraordinária realizada na quinta-feira foi publicado no jornal A COMARCA na edição do dia 11 de novembro. Quem assinou o documento na oportunidade foi Rogério Manera, eleito presidente da diretoria executiva na assembleia de julho.

No edital, Manera destaca que as deliberações tomadas naquela assembleia estão em ata, devidamente averbada e microfilmada junto ao Cartório Civil de Pessoas Jurídicas de Mogi Mirim. E que mesmo impedido pela diretoria deposta de exercer plenamente suas funções, cabia a ele, enquanto presidente, convocar as eleições.

Com o nome de “Somos Sapos Mogimirianos”, foi registrada apenas uma chapa. Por isso, ela foi eleita por aclamação. A chapa é composta por Cristiano Rocha e Cristina Mansur, ´presidente e vice da Diretoria Executiva; Rogério Manera, Rafael Assin, Luiz Guarnieri e Tiago Durante, como presidente, vice, primeiro secretário e segundo secretário do Conselho Deliberativo; Ernani Gragnanelo, Henrique Stort e Marco  Aurélio, como membros do Conselho Fiscal; e Ricardo Bertanha, Jair Depieri e João Bernardi como suplentes.

Agora, a ata será lavrada e registrada em cartório. Bem como, anexada ao processo de destituição de Luiz Henrique de Oliveira, toda a diretoria e conselheiros. Na ação, o movimento SOS Mogi chegou a pedir a concessão de liminar para destituição imediata, mas, a solicitação foi negada pela juíza Maria Raquel Campos Pinto Tilkian Neves, da 4ª Vara da Comarca.

Ainda não há decisão de mérito no processo. O corpo jurídico do SOS Mogi entende que, como Luiz Henrique está destituído, por decisão em assembleia geral, ele sequer poderia ter convocado a eleição que o aclamou para mais um mandato. Para ele, caberá à Justiça decidir quem tem razão em assumir o clube a partir de janeiro de 2018.

Rogério Manera dá lugar a Cristiano Rocha na presidência da diretoria executiva


Editoria: ,

Desligamento do sinal analógico é adiado

O desligamento do sinal analógico de televisão, que deveria ocorrer nesta quarta-feira, 29, em Mogi Mirim e em outras 84 cidades das regiões de Campinas, Sorocaba e Jundiaí, foi adiado. A decisão foi tomada pelo Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (Gired), em reunião na sede da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em Brasília.

O grupo, que é formado por emissoras de televisão, empresas de telefonia e representantes do governo, faz pesquisas em cada região que o sinal analógico será desligado para saber se a população já estava adaptada à novidade.
O comitê chegou à conclusão que o interior paulista precisa de mais tempo. A nova data para o fim do sinal analógico é 17 de janeiro de 2018.

Os antigos televisores de tubo precisam se adaptar para receber o sinal digital. Para isso, basta a compra e instalação de um conversor, equipamento que pode ser encontrado em lojas de materiais elétricos e eletrônicos. O mesmo procedimento vale para as TVs de LED, LCD ou Plasma, sem o selo DTV, fabricadas antes de 2010, que provavelmente não possuem o conversor embutido.

É possível usar um conversor para mais de uma TV, com as conexões adequadas, mas o canal digital sintonizado será o mesmo em todas as telas. Para que cada aparelho possa sintonizar um canal diferente, é necessário ter um conversor para cada tela. Os televisores mais recentes, principalmente as chamadas Smart TVs, já contam com um receptor digital integrado, portanto basta a ligação a uma antena externa digital para receber o sinal.

As famílias de baixa renda atendidas pelo Governo Federal em programas como Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida devem verificar se têm direito a receber um dos mais de 5,5 mil kits gratuitos, com antena digital e conversor e controle remoto, destinados aos cidadãos de Mogi Mirim. Destes, 4,3 mil já foram entregues pela Seja Digital, instituição não-governamental e sem fins lucrativos, responsável por operacionalizar a migração do sinal analógico para o sinal digital da televisão no Brasil.

A população deve acessar o site sejadigital.com.br/kit ou ligar gratuitamente para o número 147 com o NIS (Número de Identificação Social) em mãos. Se o nome estiver na lista, é só escolher o dia, horário e local para retirar os equipamentos que permitem que televisores antigos tenham acesso ao sinal digital. Em Mogi Mirim, o ponto de distribuição é a agência dos Correios da Rua José Bonifácio.



Além da qualidade de som e imagem muito superiores, a TV Digital acaba com fantasmas, ruídos e interferências que existem na TV analógica. A TV digital também possibilita a transmissão de programas em alta definição (HDTV) e com o aspecto de tela mais larga, como acontece no cinema. Isso ocorre porque os programas gravados e transmitidos em alta definição têm formato 16:9 (relação entre largura e altura da tela), enquanto na transmissão analógica, o formato é mais quadrado: 4:3.

Editoria: ,

Suspeitos de matar policial civil são presos

A Polícia Civil, através da Delegacia Seccional e da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) elucidou e prendeu dois dos três homens acusados de estarem ligados à morte do investigador chefe da Polícia Civil de Mogi Mirim, Emerson Meschiari, 46, ocorrido em agosto passado, em frente ao banco Bradesco, na rua Padre Roque, durante um latrocínio (roubo seguido de morte).

As investigações se iniciaram logo após o crime. Os investigadores tiveram acesso às imagens captadas por câmeras de segurança nas proximidades. Eles apuraram que os suspeitos chegaram em um veículo GM Corsa, com placas de São Paulo, que estaria na cobertura de um roubo que pretendiam praticar no banco, e que foi o ponto chave para chegar aos autores do crime.

Em entrevista coletiva à imprensa, o delegado seccional José Antônio Carlos de Souza e a titular da DIG, Edna Elvira Salgado Martins, detalharam como foram realizadas as investigações que culminaram nas prisões de Rafael de Oliveira Assunção, de 28 anos, e Mauricio de Jesus do Nascimento, 28, e ainda na participação de Ricardo de Oliveira Conga, 31, ainda foragido.

O primeiro a ser preso foi Rafael. Ele teve a prisão decretada três dias após o crime e foi detido em setembro, na cidade de Mogi Guaçu, onde morava com a família. O segundo foi Mauricio. O suspeito tinha sido preso pela Polícia Federal com documentos falsos em Joinville, no Sul do país.

INVESTIGAÇÕES
Após o crime, a Polícia Civil começou a trabalhar buscando imagens que pudessem levar aos criminosos. Ao analisá-las, os policiais chegaram ao veículo Corsa, que, pelo emplacamento, tinha como endereço de propriedade a Vila Joaniza, Zona Sul de São Paulo. O carro estava em nome de Aline Carvalho.
Foi dado o alerta e o veículo foi apreendido na capital paulista, uma semana depois. A proprietária foi trazida a Mogi Guaçu, onde prestou depoimentos e foi colocada em liberdade.

Com os levantamentos e informações obtidas, os policiais civis, com o apoio do DEIC de São Paulo, se deslocaram para o bairro de São Paulo, com o propósito de checar as informações que poderiam levar aos bandidos.

Foram feitas buscas em uma oficina mecânica, onde o carro foi levado para ser retirado um engate. O acessório foi encontrado na casa de Mauricio, onde também foram realizadas buscas. Lá, foi possível apurar que o suspeito chegou a ser baleado no pé pelo investigador mogimiriano. No momento da ação policial, Maurício não foi encontrado. A informação era de que ele havia fugido para o Sul do país.

Os policiais também tiveram a confirmação de que Rafael seria morador do mesmo bairro, porém, estaria residindo em Mogi Guaçu há cerca de um ano e meio. Foi iniciado o monitoramento, e no dia 24 de setembro, a Polícia realizou o cerco e prendeu Rafael na casa de seus familiares, no Guaçu.

Com trabalho da inteligência da Polícia Civil, chegou-se ao paradeiro de Mauricio, que estaria no Sul do país, onde foi preso pela Policia Federal. O terceiro envolvido, Ricardo de Oliveira Conga, continua foragido.


Criminosos integram quadrilha especializada em roubo a banco


Os três bandidos identificados pela Polícia Civil integram uma quadrilha que é especializada neste tipo de ação, com a assaltos a bandos e agências de correio. Inclusive, após o episódio em Mogi Mirim, o bando teria praticado outros crimes idênticos no interior do Estado. Segundo o delegado seccional, José Antonio Carlos de Souza, um dos integrantes tem a função de buscar os alvos dias antes, ficando de espreita em agências bancárias para fazer o levantamento de movimentação e rotina.

Pelas imagens captadas por ocasião da morte de Emerson, a Polícia percebeu que por diversas vezes, o GM Corsa passou pela agência bancária onde aconteceu o crime. Indício de que os autores poderiam estar  monitorando o banco. 

Uma moto, possivelmente uma Honda RR, também foi usada na ocasião. Ficou esclarecido que Mauricio era quem estava com a jaqueta preta e conduzia a moto, que deixou o local após o crime. Ricardo seria o suspeito de branco, que estava na garupa. 

Contrariando o que muitos puderam observar em vídeos que circularam após o crime, Ricardo estava com a arma nas costas e quando se abaixou, momentos antes da troca de tiros, já estava com a mesma nas mãos. Já Rafael estaria conduzindo o veículo.

Na fuga, Maurício e Ricardo teriam descido a lateral do banco e seguido pela rua Osvaldo Cruz até o rua Antônio Davoli, onde o GM Corsa os aguardava. Ricardo, o garupa, desceu e entrou no veículo. Ele estava de posse de malotes roubados. 

Para deixar a cidade, o GM Corsa seguiu pela SP-147, sentido Limeira, e a moto foi para Mogi Guaçu. José Antônio afirmou que Emerson teve oportunidade de balear os criminosos, mas, não teria agido desta forma, para evitar ferimentos no representante do posto de combustível, a quem o investigador acompanhava para efetuar depósito no banco, e ficou no meio do fogo cruzado. “Trabalhei 18 anos com o Emerson na DIG, ele foi um herói”, disse o seccional.



Editoria: ,
Scroll to top