População volta a enfrentar onda de roubos a residência

Pelo menos três famílias moradoras da zona urbana de Mogi Mirim sofreram nas mãos de criminosos, quando estes, após renderem moradores, invadiram casas e praticaram roubos.

As ações registradas pela polícia nesses últimos dias ocorreram nos bairros Parque Real, Jardim Murayama II e Santa Cruz.

A vítima do Parque Real foi dominada quando chegava em sua casa, junto com seu filho de 10 anos, por volta das 19h. Dois homens armados a abordaram na entrada da casa e anunciaram o roubo.

Ela foi rendida quando ainda estava no interior de seu carro e obrigada, junto com seu filho, a entrar na casa com os bandidos. As vítimas foram mantidas sob a mira de armas. Um dos criminosos revirou a moradia, buscando por objetos de valores que foram colocados no carro da vítima, que também foi levado. Após se apoderarem dos objetos, os bandidos trancaram os moradores em um banheiro, de onde foram libertadas com a ajuda de vizinhos.

Os outros dois crimes ocorreram na quarta-feira, 10, em horários distintos. A primeira ação foi no Jardim Murayama II, quando a moradora de 71 anos foi surpreendida por dois homens armados, quando ainda estava em seu quarto, por volta das 7h45 da manhã.

Os bandidos exigiam dinheiro, mas não concluíram a ação totalmente, pois um vizinho da vítima a chamou no portão, fazendo com que a dupla fugisse pelos fundos.

A outra invasão a residência aconteceu na noite da quarta-feira, no bairro Santa Cruz, quando uma mulher foi surpreendida na porta de sua casa por três elementos, estando dois armados.

Os criminosos renderam a vítima e roubaram dinheiro, celulares e uma mala de roupa. Para fugir, os bandidos utilizaram um VW Saveiro, que foi abandonado posteriormente e localizado pela Guarda Civil Municipal. O veículo possuía queixa.


Editoria:

Presidente do PSL local deixa a sigla após filiação de Bolsonaro

Flávio Magalhães

Os efeitos da filiação do deputado federal Jair Bolsonaro ao PSL chegaram a Mogi Mirim. O presidente municipal da legenda, Roblez Jorge dos Santos, anunciou nesta semana sua desfiliação do partido por não concordar com a pré-candidatura a presidente da República do parlamentar do Rio de Janeiro.

“O referido deputado se declarou publicamente em diversos meios de comunicação como homofóbico, intolerante religiosamente e contra as minorias as quais eu acredito e defendo”, declarou Roblez por meio de comunicado. Em conversa com A COMARCA, ele foi além. “Prefiro ficar fora da Política do que compactuar com um cara desse”, desabafou.

O agora ex-presidente do PSL de Mogi Mirim revelou que já estava articulando as candidaturas ao Congresso Nacional e à Assembleia Legislativa para as eleições de outubro, mas teve de abortar as conversas. “Se Bolsonaro for eleito, eu vou embora do Brasil. Este país vai ser uma baderna pior do que com PMDB, PSDB ou PT”, completou.

“Eu não apoio Regime Militar e nada parecido com isso. Eu não apoio nenhum tipo de preconceito, seja ele de que forma for. Eu não apoio a censura. Por isso não vou apoiar o deputado Bolsonaro e nada parecido com isso”, frisou Roblez, que diz ter sido convidado por outros partidos, mas até o momento não definiu qual será seu destino.

Roblez estava na presidência do PSL há pouco mais de dois anos. Nas eleições municipais de 2016, indicou seu companheiro de partido, Aloísio Bueno, como vice na chapa de Ernani Gragnanello (PT) para a disputa da Prefeitura e se candidatou como vereador.

(Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)




NACIONAL
A primeira consequência da filiação de Bolsonaro ao PSL foi o desligamento do grupo Livres, de tendência libertária, que controlava 12 diretórios estaduais e pretendia tomar conta da máquina partidária a nível nacional, segundo informações do jornal O Estado de S.Paulo.

O principal articulador entre PSL e Livres, Sérgio Bivar, anunciou sua decepção pela abertura do partido a Bolsonaro. Sérgio é filho de Luciano Bivar, deputado federal e presidente nacional do PSL, que viabilizou a filiação de Bolsonaro.

Fatec abre vagas para professores

A Faculdade de Tecnologia (Fatec) “Arthur de Azevedo” abre na próxima segunda-feira, 15, inscrições para os processos seletivos que selecionarão docentes para quatro vagas de professores universitários. Três delas são para a área de Ciências da Computação e a outra para a área de Eletrônica e Automação.

As inscrições serão recebidas até o dia 29, exclusivamente no campus da faculdade, na Rua Ariovaldo Silveira Franco, 567, das 9h às 12h e das 13h às 17h. Entre os requisitos estão graduação e especialização ou graduação e mestrado/doutorado na área da disciplina, além de experiência profissional.

As três vagas na área da Ciência da Computação são para um contrato de doze meses, prorrogável por igual período, a critério da faculdade. Todas são para o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, período matutino, especificamente para as disciplinas de Engenharia de Software I, Banco de Dados e Laboratório de Banco de Dados.

Já a vaga de Eletrônica e Automação será preenchida através de concurso público e é destinada para a disciplina de Robótica Industrial, para o curso de Mecatrônica Industrial, no período noturno. A taxa de inscrição é de R$ 84,81.

Mais informações sobre o processo seletivo podem ser obtidas diretamente na Fatec Mogi Mirim, pelo telefone (19) 3806-3139 (ramal 207) ou pelo e-mail f163acad@cps.sp.gov.br.



Editoria: , ,

Dra. Lúcia cogita candidatura a deputada

Flávio Magalhães

Dizia o político mineiro Magalhães Pinto que Política é como nuvem. “Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”. A atual vice-prefeita de Mogi Mirim, Dra. Lúcia Tenório (SD) pode dizer que vivenciou essa situação em seu primeiro ano na Administração Municipal.

Começou o ano passado contrariando uma grande expectativa: a de ser secretária municipal de Saúde, conforme prometido na campanha eleitoral de 2016. Havia um obstáculo jurídico no meio do caminho. Com familiares próximos trabalhando no Consórcio Intermunicipal de Saúde “08 de Abril”, ficou impossibilitada de assumir a Pasta, já que haveria conflito ético e legal.

No fim das contas, porém, acredita que foi melhor assim. “A Saúde é uma área difícil, eu não teria tempo de acompanhar os demais setores da Prefeitura como tenho hoje”, avaliou. “E para nossa sorte, temos uma secretária muito competente”, afirmou, em referência a Rose Silva.

Para 2018, um ano eleitoral, há outras expectativas. Lúcia já vislumbra uma candidatura a deputada federal. Se depender de seu atual partido, o Solidariedade, ela já tem a legenda. No entanto, outras siglas estão conversando com a vice-prefeita. Cautelosa, não revela quais são, nem confirma se deve sair do SD.

“Estou de bem com o partido”, garantiu. De fato, Lúcia já viveu momentos de maiores tensões no passado com o Solidariedade. Na eleição municipal, o diretório estadual da sigla tentou intervir na decisão local, obrigando uma coligação com o então candidato Ricardo Brandão (PMDB). No fim, prevaleceu a vontade dos correligionários mogimirianos e a aliança com Carlos Nelson Bueno (PSDB).

Mas as rusgas inevitavelmente deixaram mágoas. Se a vice-prefeita decidir abandonar o partido, não será pelo momento presente, mas pelo que viveu no passado. “Vou definir na hora exata”, garante. Essa questão, de fato, guarda semelhança com as nuvens. Hoje está de um jeito, amanhã já pode mudar.


Mogi de ‘cara nova’ para a temporada

Depois de três anos sob forte turbulência política-administrativa, e com rebaixamentos constantes no Paulista e no Brasileiro, o Mogi Mirim inicia 2018 projetando um futuro que possa apagar o passado catastrófico. Com a gestão do futebol terceirizada e com o apoio de personalidades expressivas da cidade e da história do clube, o Sapo estreia quarta-feira, 17, na Série A3 do Campeonato Paulista. Enfrenta o Noroeste, às 20h, no estádio Alfredo Castilho, em Bauru.

O ano de 2017 foi decepcionante do começo ao fim. Foi rebaixado no estadual da A2 para a A3, e no Brasileiro, da Série C para a Série D, com direito a WO, protagonizado pelos jogadores, pela falta de pagamento de salários. Para recolocar o Mogi Mirim nos trilhos, o presidente Luiz Henrique de Oliveira terceirizou a gestão do futebol. Acertou um contrato de um ano com um grupo de investidores, que até o final do ano, será responsável por 100% das contas do Mogi. O contrato pode ser renovado por mais dois anos. 

O grupo é liderado por Márcio Granada, empresário responsável pela organização de jogos festivos e amistosos, como o que trouxe o Shakthar Donetsk, da Ucrânia, ao Brasil, em 2015. O nome do investidor está ligado a processos polêmicos, como o de jogadores que o acusam de “ilusão e abandono” nos Las Vagas United, clube fundado em 2016 e que contou, inclusive, com o astro Ronaldinho Gaúcho em um jogo amistoso. 

Granada está à frente do projeto ao lado de Alessandro Alvares da Silva, o Botijão. Ex-jogador, formado nas categorias de base do São Paulo nos anos 80, passou a maior parte da carreira na Alemanha e defendeu clubes como Eintracht Frankfurt e Waldhof Mannheim. Representante dos investidores, Botijão afirmou em sua coletiva de apresentação que o grupo é formado por empresários brasileiros e alemães.

Para comandar o Mogi dentro de campo, o nome escolhido foi o de Álvaro Gaia. O técnico tem experiência nas divisões de acesso do futebol paulista, pois dirigiu União Mogi, Guarujá, Independente, Taubaté e Velo Clube. Pelo clube de Limeira, conquistou o acesso da Série A3 para a A2 e por pouco não subiu também para a primeira divisão.

Gaia lamentou o pouco tempo que a equipe terá de preparação para a estreia. “O calendário da Série A3 não te deixa respirar, é jogo de quarta e domingo. A nossa margem de erro tem que ser mínima”, alertou.

O treinador também não escondeu a satisfação de poder trabalhar no Mogi Mirim. “É um grande clube do interior e estamos aqui para ajudá-lo a voltar para o cenário”, frisou Gaia, que iniciou os preparativos para o jogo de quarta-feira há apenas 10 dias. Com ele, chegaram os demais membros da comissão técnica e um grupo de pouco mais de 20 jogadores. Outros ainda chegarão, já que é possível inscrever até 28 jogadores.

Para a rodada inaugural, uma primeira relação deverá ser obrigatoriamente apresentada até segunda-feira, 15, mediante preenchimento através do sistema ‘online’ da Federação Paulista de Futebol. Até agora, foram oficializadas no BID (Boletim Informativo Diário) da CBF e no site da FPF, a inscrição de onze jogadores: Diogo Medeiros, 32; Pedro Victor; 25; Romarinho, 24; Robson Oliveira, 32; Eder Baiano, 33; Thawan Oliveira, 20; Vinícius Moreira, 20; Patrick Araújo, 21; Willian Olivares, 34; Marcelo Bonan, 36 e Ronaldo Félix, 24.

No entanto, nos dois jogos-treinos realizados nesse período, contra o São Caetano no domingo, 7 – vitória por 3 a 2 – e contra o Santo André, na quarta-feira, 10 – derrota por 1 a 0 – Gaia usou duas formações diferentes, com diversos jogadores que ainda não aparecem nos registros oficiais.

Contra o Azulão, Gaia escalou o Mogi com Marcelo Bonan; Samuel, Marcelo Felks, Taiwan e Gaúcho; Anderson Paulista, Pedro, Romarinho e Diogo; Alisson e Robinho. No segundo tempo, o Sapo atuou com: Vinicius; Júlio Cesar, Eder Baiano, Caio e Valmir; Giovani, Ronaldo, Patrick e Alex; Alexis e Rodnei.

Na quarta-feira, o Sapo jogou com Marcelo Bonan, Fabrício, Eder Baiano, Marcelo Felcks e Gaúcho; Anderson Paulista, Pedro, Romarinho e Diogo; Robinho e Alisson.  Para a página do Facebook ‘Treinadores do Brasil’, Gaia disse estar satisfeito com o que a equipe vem apresentando, que o time está ‘encaixando’ e que a tendência é melhor nessa reta final de preparação, quando fará os últimos ajustes, e também durante a competição.

Gaia também elogiou a comissão técnica, destacando ser ‘altamente qualificada’, e o elenco, composto em boa parte por atletas experientes o que facilita a relação, pois ‘conseguem captar de uma forma mais fácil o que estamos solicitando’.

Entre os nomes que treinam com o elenco, está o de Alexis Escudero. O meio-campista colombiano tem passagem pela seleção sub20 da Colômbia. Porém, o jogador mais conhecido do grupo é Marcelo Bonan. O goleiro de 36 anos já defendeu clubes como Coritiba-PR, América-RN, Santo André e Fortaleza-CE e entre 2014 e 2016 atuou no Independente de Limeira, período em que o Galo era comandado por Álvaro Gaia.

(Marcelo Gotti/ BTS Mogi Mirim)

Jovem escapa de estupro no Guaçu

Uma jovem de 22 anos foi vítima de uma tentativa de estupro quando estava chegando em sua residência, localizada no bairro Jardim Progresso. O crime aconteceu na madrugada de sexta-feira, dia 5.

A vítima, que ao conseguir fugir do agressor foi socorrida por populares, relatou o crime para a PM. Ela disse que chegava em sua casa, a pé, quando um veículo VW Gol parou e o condutor passou a conversar com a mesma.

Em dado momento, o homem falou que queria manter um programa sexual e com a negativa da jovem, a obrigou a entrar no carro. Depois, saiu com o veículo em direção a um matagal nas proximidades da Rua José Alvarenga.

Ao descerem do carro, a jovem, para se defender, entrou em luta corporal com o suspeito e conseguiu escapar, saindo correndo e se escondendo até o momento em que o agressor fugiu.

Populares acionaram a PM, que conduziu a vítima ao plantão policial.


Editoria: ,

Onda de assaltos em sítios apavora moradores

A onda de assaltos que se alastrou em propriedades rurais de Mogi Mirim tem levado pânico e insegurança aos moradores de sítios nas mais diversas regiões da cidade. Somente nos últimos dias, ocorreram mais de quatro casos e do final de ano para cá, a somatória chegou pelo menos oito assaltos.

Pessoas foram rendidas, mantidas em cárcere, sob a mira de armas, enquanto os invasores vasculhavam suas residências buscando por objetos de valores. Em uma das ações, na propriedade do presidente da Câmara Municipal, Jorge Setoguchi, houve até troca de tiros dos criminosos com a Guarda Civil Municipal.

Moradores da área rural e urbana se sentem abandonados e a mercê dos criminosos, que acabam conseguindo escapar.

Um dos casos registrados nesta semana aconteceu na Rodovia João Luiz Moreno, onde em uma propriedade rural há três moradias, sendo que todas foram invadidas pelo bando.

Segundo as vítimas, a ação criminosa teve início na noite de domingo, 7, quando cinco homens fortemente armados, invadiram a primeira casa, rendendo o morador e sua irmã. Posteriormente, foram para a casa dos pais das vítimas anteriores e, depois, na terceira casa.

O bando exigia armas. Como não localizaram, passaram a pegar objetos de valores e colocar em uma camionete de uma das vítimas. Após a ação, a quadrilha fugiu. As vítimas relataram que pelos rastros deixados na propriedade, haveria um veículo na cobertura. A camionete roubada, foi encontrada abandonada na cidade de Santa Barbara D’Oeste.

Outro caso aconteceu na noite da quarta-feira, 10, quando criminosos invadiram um sítio na Rodovia dos Agricultores, rendendo moradores e roubando objetos e um veículo.  O carro roubado foi encontrado em Holambra, no dia seguinte ao crime.

Uma outra vítima na região rural, um homem de 47 anos, foi alvo de ladrões quando precisou parar seu carro no acostamento da Rodovia dos Agricultores, na noite de segunda-feira, 8. Ele contou que ao estacionar seu VW Voyage, foi abordado por bandidos que ocupavam uma moto.

Ele foi obrigado a sair de seu veículo, que foi ocupado por um dos ladrões. A dupla fugiu sentido Arthur Nogueira.


Editoria:
Scroll to top