A Comarca

Prefeitura culpa Estado por deficiência da merenda e transporte

Apontando um déficit de quase R$ 1,3 milhões do repasse do Estado para o município, a Prefeitura declara que os valores repassados nos primeiros seis meses não alcança o que foi aplicado pelo Poder Público para o preparo da merenda escolar das nove escolas estaduais situadas na cidade.

A Prefeitura investiu, somente no primeiro semestre deste ano, R$ 381.062,43, nas escolas que são de responsabilidade do Estado. O valor se refere aos últimos seis meses, em que, por 92 dias – de 13 de março a 12 de junho – parte dos professores entraram em greve e, por isso, muitos alunos não compareceram às aulas. Desta forma, o valor pago pelo Município teria sido muito além dos R$ 381 mil.

O valor gasto com as escolas “Rodrigues Alves”, “Monsenhor Nora”, “Coronel Venâncio”, “Ernani Calbucci”, “Valério Strang”, “Peres Marques”, “Aristides Gurjão”, “Altair Polettini” e “São Judas Tadeu” totaliza R$ 1.101.062,43. Deste total, R$ 412,6 mil são provenientes do Estado e R$ 307,4 mil da União.

Prefeitura diz que já investiu mais de R$ 380 mil nas escolas estaduais, neste ano (Foto: Divulgação/Prefeitura de Mogi Mirim)

Segundo a Prefeitura, cada prato servido custa, atualmente, R$ 2,97. No entanto, apenas R$ 0,50 são repassados pelo Governo do Estado para alunos do Ensino Fundamental, Médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA) e R$ 2 para os alunos que permanecem na escola em tempo integral.
O mesmo ocorreu com os gastos do transporte de alunos de regiões rurais da cidade. O maior investimento, somente para o transporte de alunos de escolas estaduais neste primeiro semestre, é da Prefeitura: R$ 1.004.503,10. Os recursos estaduais correspondem a R$ 669.668,73.

PREJUÍZO
A cooperação financeira do município com o Estado não para por aí. Desde a última gestão, a Prefeitura arca com as despesas de água, energia e telefone de duas instituições que deveriam ser mantidas pelo Estado: a Faculdade de Tecnologia (Fatec) “Arthur de Azevedo” e a Escola Técnica Estadual (Etec) “Pedro Ferreira Alves”.

Nos seis primeiros meses deste ano, somando-se os dois prédios, a Prefeitura desembolsou R$ 106.295,86 no pagamento de energia elétrica e R$ 3.856,04, com as despesas telefônicas das entidades estaduais.

Por Marcelo Gotti
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp