A Comarca

Gaeco não vai investigar Stupp

Em resposta à imprensa, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Campinas informou que não irá investigar o prefeito Gustavo Stupp (PDT). O promotor de Justiça de Mogi Mirim, Rogério Filócomo Júnior, revelou recentemente que solicitou apoio para apurar “suposta organização criminosa” envolvendo o chefe do Executivo, secretários municipais e particulares.

O auxílio seria na investigação de crimes cometidos contra a Administração Pública, uma vez que as ferramentas da Promotoria mogimiriana já teriam se esgotado, segundo Filócomo. Através do Gaeco seria possível aprofundar a apuração dos fatos por meio de interceptação telefônica, por exemplo. O Ministério Público local enviou ao grupo de Campinas três ofícios distintos em outubro do ano passado, que não foram respondidos.

Em nota, porém, o Gaeco afirmou que o prefeito “é detentor de foro por prerrogativa de função”. Sendo assim, o grupo campineiro não teria competência para investigar Stupp. Essas investigações criminais devem ser conduzidas pelo Procurador-Geral de Justiça perante o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP).

Tratando como um “equívoco” o pedido de ajuda de Filócomo, o Gaeco ressaltou ainda que já encaminhou todo o material para o TJ-SP. “Respeito a decisão do Gaeco”, comentou o promotor de Justiça de Mogi Mirim para A COMARCA. “A investigação não vai parar”, destacou.

Grupo de atuação especial criado pela Procuradoria Geral de Justiça em 1995, o Gaeco cumpriu recentemente mandados de busca e apreensão na casa do prefeito de Indaiatuba, Reinaldo Nogueira (PMDB), na sede da prefeitura e em empresas da cidade. Na casa de Nogueira, policiais militares apreenderam a quantia aproximada de 1,5 milhão em notas de reais, dólares, euros e pesos chilenos.

Gaeco de Campinas informou a imprensa que “não pode” investigar o prefeito de Mogi Mirim, Gustavo Stupp

OUTRO LADO
O prefeito Gustavo Stupp enviou ao MP um ofício se colocando a disposição para maiores esclarecimentos sobre o caso. Ninguém do Governo Municipal foi convocado para prestar informações à Promotoria, por enquanto.

O secretário municipal de Negócios Jurídicos, Fabiano Urbano, afirmou que Stupp solicitou ao promotor os documentos relativos a existência de uma organização criminosa atuando contra a Administração Municipal.
“Parece que se trata de duas investigações que foram arquivadas pelo Dr. Filócomo e o Conselho Superior do MP posteriormente homologou o arquivamento”, disse Urbano para A COMARCA. “Uma delas diz respeito ao patrimônio do prefeito e a outra sobre a aprovação de empreendimentos imobiliários”, explicou.

Por Flávio Magalhães
Atualizado em 09.11.2015 às 13h20

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp