A Comarca

Professores aderem à paralisação em retaliação a atitude do Governo Estadual

O governo Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou no último dia 28 que não vai pagar o bônus anual por desempenho a professores e funcionários da rede estadual de ensino.

O governo quer reverter a bonificação em reajuste salarial de 2,5% para os 300 mil servidores da educação e 100 mil aposentados. É a primeira vez que a bonificação não será paga desde que foi criada, em 2008.

Em resposta, Apeoesp fez protesto com paralisação de 24 horas ontem, sexta-feira, 8, com assembleia geral na Praça Roosevelt, quando professores votam por greve geral por tempo indeterminado.

Em Mogi Mirim, as escolas estaduais “Monsenhor Nora” e “Rodrigues Alves” aderiram à paralisação. No “Monsenhor Nora” houve paralisação total com o cancelamento das aulas. No “Rodrigues Alves”, a paralisação foi parcial, por volta de 14 professores parados.

De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, o valor do reajuste ainda não foi definido. Mas, aos sindicatos da categoria, foi apresentada a proposta de reajuste de 2,5% a ser pago em abril.

No ano passado, mesmo após a maior greve da história da categoria – com 90 dias de paralisação -, o governo do Estado não deu nenhum reajuste aos professores. No ano passado, 232 mil servidores da educação receberam um total de R$ 1 bilhão em bônus, a maior bonificação da história paga pelo governo. O montante foi pago em duas vezes.

O Plano Federal da Educação, aprovado em 2014, preconiza que o salário de um professor não deve ser inferior à média dos salários dos profissionais com nível superior.

Da Redação


Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp