A Comarca

Mogi barra torcedores e aciona a polícia

A diretoria do Mogi Mirim Esporte Clube barrou na manhã da última terça-feira, 10, um grupo de aproximadamente 10 torcedores que pretendiam dialogar com o presidente do time, Luiz Henrique de Oliveira. Mesmo não havendo tumulto, o MMEC acionou a Polícia Militar, que enviou três viaturas para o estádio “Vail Chaves”.

Os torcedores barrados fazem parte do movimento voluntário S.O.S. Mogi Mirim e pretendiam aproveitar a apresentação do técnico Marcelo Veiga à imprensa para conseguirem uma reunião com o mandatário do Sapão da Mogiana. A tentativa foi em vão, pois assim que todos os veículos de comunicação chegaram ao local, os portões foram fechados.

Os protestos do grupo logo chamaram a atenção dos repórteres. Por uma pequena abertura no portão, os torcedores desabafaram com a reportagem de A COMARCA e com os demais órgãos de imprensa, mostrando total descontentamento e indignação com a gestão de Luiz Henrique de Oliveira. Aos jornalistas, entregaram cópias do documento que pretendiam deixar em mãos com o presidente do clube.

Tal documento, assinado por Henrique Stort, Rogério Manera, José Carlos Fernandes, Cristina Mansur, Cristiano Rocha, dentre outros, acusa o mandatário do Mogi Mirim de assumir uma postura “autocrática e de total desprezo com a opinião da cidade”. Questiona ainda quais seriam as motivações de Oliveira em abandonar seus “afazeres que seriam de empresário em Guarulhos” para administrar o Mogi Mirim, sem remuneração.

A resposta foi dada pelo presidente do clube à imprensa. “É a mesma motivação que eles [S.O.S. Mogi Mirim] têm de encher o saco e fazer bagunça na porta do clube”, disparou, acusando esses torcedores que foram barrados de não participarem nem ajudarem o Mogi Mirim. “São as mesmas pessoas de sempre”, frisou.

“A primeira e única coisa que eu preciso [do grupo S.O.S. Mogi] é que eles paguem a mensalidade de R$ 40, só isso. Quando eles se tornarem sócios do clube, eu converso com eles”, afirmou Oliveira. Sobre o movimento criado por alguns desses torcedores no Facebook, pedindo sua renúncia, o presidente garantiu que respeita a opinião deles. “É uma oposição sadia”, avaliou.

Oliveira ainda contrapôs a atitude do S.O.S Mogi Mirim a um outro grupo de torcedores, segundo ele, denominado Amigos do Mogi Mirim. Esse último, de acordo com o próprio presidente, tem auxiliado o clube em suas necessidades do dia-a-dia. Além disso, a pedido dos Amigos do Mogi, o mandatário reconsiderou o prazo para o recadastro de sócios, agora estendido até dia 31 deste mês.

Enquanto isso, o S.O.S Mogi Mirim continua exigindo o que foi prometido pelo próprio Luiz Henrique de Oliveira, durante uma assembleia geral em novembro: uma reunião para “abrir a caixa preta” do Sapão. “Presidente, o clube não te pertence, saia da defensiva, pratique a sua pregação e receba imediatamente os representantes dos associados”, encerrou, em letras maiúsculas, o grupo de torcedores no documento que sequer chegou ao seu destino.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp