A Comarca

Rivaldo e Vitor Simões se unem contra presidente do MMEC

A oposição de Luiz Henrique de Oliveira, que está à frente do Mogi Mirim Esporte Clube, ganhou, de forma inesperada, a presença de dois integrantes de peso às vésperas da audiência pública, agendada para segunda-feira, 29, no plenário da Câmara Municipal, onde se discutirá a caótica situação vivida pelo clube. O ex-presidente Rivaldo Borba Ferreira e o empresário português Vitor Simões, que foi vítima da traição de seu ex-parceiro Luiz Henrique, se uniram à causa do S.O.S. MMEC.

Na noite da última quinta-feira, 25, representantes legais de Rivaldo e Vitor participaram da reunião ocorrida na Associação Comercial e Industrial de Mogi Mirim (Acimm) para discutir a situação do Mogi Mirim. O grupo S.O.S. nasceu em novembro do ano passado, às vésperas da assembleia geral extraordinária convocada para Luiz Henrique para dar início ao recadastramento de sócios. Desde então, o grupo, liderado por sócios-torcedores e advogados, vem questionando decisões tomadas pelo atual presidente.

Rivaldo endossou bloco de oposição a Luiz Henrique de Oliveira

Curioso é que Luiz Henrique tem conseguido atrair número maior de opositores. A ponto até de ter confirmado o reforço de Rivaldo, que mesmo residindo nos Estados Unidos, autorizou seu representante legal no Brasil, o advogado Bettelen Dante, a participar da reunião do S.O.S., onde estão até mesmo pessoas que moveram ação contra Rivaldo pela tomada dos CTs (Centros de Treinamento) do clube, situados em Mogi Guaçu e Mogi Mirim, como garantia do investimento realizado pelo pentacampeão do mundo enquanto permaneceu no comando do clube.

Já o português Vitor Simões é quem havia sucedido Rivaldo no comando do Mogi Mirim. Tanto que o empresário havia se comprometido a pagar, de forma parcelada, R$ 10,5 milhões a Rivaldo como compensação pelo investimento do ex-presidente dentro do clube. Vitor, entretanto, escalou seu parceiro Luiz Henrique para ficar à frente do clube. Como um “golpe de Estado”, Luiz Henrique permaneceu à frente do clube e passou para trás seu ex-parceiro. Rivaldo cobra na justiça a dívida milionária.

Luiz Henrique tem sofrido forte pressão de opositores. Ações judiciais vão se acumulando contra ele ao passo que o clube tem se afundado em dívidas e em ações trabalhistas. O último revés do atual presidente foi a negociação frustrada com o Audax, que tentou tomar a vaga do Mogi na Série C do Brasileiro. Sem apoio financeiro, o Sapo já amarga a lanterna na competição. E para piorar, o clube está sem investidor e não tem direito a cota da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) pela participação no torneio.

A situação chegou a ponto de parte de o estádio Vail Chaves ficar às escuras devido à falta de pagamento da conta de energia. No estádio residem hoje jogadores das categorias de base, terceirizadas para a BTS – empresa criada em parceria com um grupo chinês. Não se sabe como Luiz Henrique tem conseguido se virar diante das dificuldades. O clube se fechou para a imprensa. Não são feitas entrevistas coletivas. E o acesso ao estádio só ocorrerá em dias de jogos.

Por isso, diante desta situação caótica, Rivaldo e Vitor estão dentro do movimento que tenta assegurar sobrevida ao Mogi Mirim. A intenção é encontrar meios de afastar Luiz Henrique da presidência e buscar alternativas para solucionar a grave crise financeira que o clube atravessa. Se o grupo S.O.S. obtiver êxito nas ações contra o atual mandatário, não está descartada a participação de Rivaldo em uma gestão voltada para sanar os problemas originários no mandato de Luiz Henrique.

Rivaldo até poderia se comprometer a buscar parceiros para o clube, como tentou emplacar uma parceria com um grupo de empresários alemães quando o Mogi já era presidido por Luiz Henrique. A saída de Luiz Henrique poderia sanar os imbróglios judiciais, dentre eles a dívida que é cobrada de Vitor por parte de Rivaldo pela “venda” do clube. Já a ação movida por torcedores contra Rivaldo pela posse dos CTs tramita na Justiça e uma conclusão parece cada dia mais distante, o que tornaria um acordo viável para as partes, principalmente para o futuro do Mogi Mirim. (com informações de Paulo Henrique Tenorio)

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp