A Comarca

Com 50% dos lotes vendidos, Residencial Boa Vista inicia a segunda fase de vendas

Visite o estande do Residencial Boa Vista, à esquina das ruas Dr. Ulhôa Cintra e Padre José, e conheça todas as vantagens desse grande negócio

Oportunidade única para quem quer morar bem, com conforto e na região com o melhor desenvolvimento de Mogi Mirim. O Residencial Boa Vista oferece oportunidade única para quem está em busca do melhor negócio. Situado em região próspera, com inúmeras alternativas de acesso e com um baixíssimo custo x benefício, o empreendimento inicia sua segunda fase de vendas com 50% dos lotes já comercializados.

Alguns motivos colaboram para o crescente interesse do Residencial Boa Vista, que possui um estande de vendas com localização privilegiada, no centro de Mogi Mirim, na esquina das ruas Dr. Ulhôa Cintra e Padre José. Nesse estande, o interessado será bem recebido por um café para conhecer as vantagens ao optar pela compra – à vista ou financiada – de lotes a partir de 160 metros quadrados.
O Residencial Boa Vista é um loteamento aberto que oferece facilidade no preço. A entrada de 10% sai por apenas R$ 6 mil, em seis vezes iguais de R$ 1 mil, e com parcelas a partir de R$ 494 mensais. Facilidade como esta você não encontra em nenhum empreendimento habitacional na região, o que certamente justifica o sucesso de vendas em apenas 30 dias.

Por isso, é bom se apressar se quiser aderir a este facilitado plano de compra de um terreno. O Residencial Boa Vista está localizado na zona Leste, na área urbana da cidade, com acesso principal pela rodovia interna entre Mogi Mirim e Itapira. Já imaginou na praticidade para chegar ao centro da cidade ou até mesmo seguir para Mogi Guaçu utilizando os dispositivos viários disponíveis na zona Leste?

A zona Leste de Mogi Mirim é a região que mais tem crescido. Não é à toa que empreendimentos começam a surgir naquela região, que não só oferece opções em termos de habitações, como também tem se viabilizado pelo sucesso de projetos comerciais e industriais. São tantos atrativos que a valorização tem sido progressiva nas últimas décadas.

O Residencial Boa Vista apresenta uma vantagem que não é oferecida por nenhum empreendimento em nossa região. O comprador do lote economiza aproximadamente R$ 5 mil, já que o ITBI e o registro do lote ficam por conta da loteadora. É uma vantagem que nenhum outro loteamento é capaz de oferecer, o que só dá mais segurança para quem busca uma boa alternativa de investimento.
É por isso que quem busca local tranquilo, confortável, seguro e diferente de tudo o que já foi lançado nos loteamentos em Mogi Mirim, deve se apressar e visitar o estande de venda montado no centro da cidade, na esquina das ruas Dr. Ulhôa Cintra e Padre José, em um ambiente que é possível conhecer detalhes sobre o Residencial Boa Vista e sair com a certeza de que poderá efetuar um ótimo negócio.

O Residencial Boa Vista ousa até no slogan: “Do tamanho do seu sonho. Na medida do seu bolso”. E não é por menos. Para quem sonha com um local tranquilo para moradia ou para quem busca oportunidade única de investimento, o Residencial Boa Vista é a bola da vez do mercado imobiliário mogimiriano. Visite o estande do Residencial Boa Vista e tenha a certeza que o lote dos seus sonhos está muito mais fácil do que você imagina!

Fale com a gente:
Rua Padre José, 341, Centro – Mogi Mirim
(19) 3804-5200
 www.facebook.com/BoaVistaMogiMirim
WhatsApp – (19) 99740-7914

Prefeitura avança no processo de regularização do Laranjeiras

 
A Prefeitura de Mogi Mirim dará início a mais uma etapa do processo de regularização do Parque das Laranjeiras (zona Leste), com a revisão da área de preservação permanente que foi delimitada pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). O objetivo é reduzir ao máximo a remoção de famílias de zonas que não permitem edificações.
Autorizado no final de década de 1970, o Laranjeiras foi por muitos anos um loteamento irregular, com sérios problemas sociais e de carência de infraestrutura. Lentamente o bairro começou a ser regularizado. Primeiro, na década de 1990, com a regularização de algumas ruas, mas com mais contundência em 2009, quando, durante o segundo mandato do governo Carlos Nelson Bueno, a Prefeitura inseriu o Laranjeiras no programa Cidade Legal, do governo do Estado.
Pela primeira vez surgiu a possibilidade do Laranjeiras ser regularizado definitivamente, acabando com a clandestinidade de inúmeros lotes que foram negociados ao longo destas quatro décadas de existência. De início, o maior desafio foi dar início ao processo de regularização dos lotes.
Sem todas as certidões e autorizações, o poder público ficou impedido de beneficiar as famílias com infraestrutura básica, como água, esgoto e energia elétrica, afinal, todo o loteamento foi construído por uma empresa em uma área particular. Aos poucos, o processo foi avançando. E a etapa final para tornar todo o loteamento legal já foi iniciada.
O primeiro passo concluído pela Prefeitura foi a regularização junto à Cetesb. Sem este aval, o Município não poderia oferecer nenhuma infraestrutura ao bairro. A Cetesb já delimitou as áreas de preservação, onde ocorre o impedimento de qualquer tipo de intromissão por parte do homem. Por isso, não é permitida a ocupação destas áreas. E é neste caso que a Prefeitura tenta buscar uma solução.
É que existem muitas famílias habitando estas áreas de preservação. O governo Carlos Nelson promoveu uma reunião nesta semana para discutir internamente um plano para a conclusão do processo de regularização. Nada de infraestrutura será executada até que haja uma revisão completa por parte da Cetesb das áreas delimitadas como de preservação. A Prefeitura tenta evitar que haja a remoção de um grande número de famílias que residem nestas zonas.
Inclusive, a secretária municipal de Planejamento, Paula Zeferino, já solicitou reunião com técnicos da Cetesb que produza um novo estudo sobre a situação do Parque das Laranjeiras. Segundo a assessoria de comunicação do Município, o objetivo é concluir este estudo rapidamente para preparar um planejamento que possibilite o avanço da infraestrutura por todo o bairro.
Há cerca de dois anos, a Prefeitura chegou a formular um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) para transferir famílias que estivessem em áreas de preservação do Laranjeiras para outros núcleos habitacionais. Este processo nunca chegou a ser firmado porque a Prefeitura não garantiu a troca do terreno em situação irregular por um novo imóvel. A expectativa é que essas famílias em áreas de risco ou de preservação sejam realocadas em outras quadras no Laranjeiras.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp