A Comarca

Uma rICA caminhada de duas décadas

Flávio Magalhães

Quem passa pelo notório prédio de vidro que abriga a sede da Instituição de Incentivo à Criança e ao Adolescente (ICA), na Avenida Brasília, pode não imaginar. Mas sob aqueles alicerces estão duas décadas de dedicação integral a um projeto que busca formar cidadãos, acima de tudo.

Por ocasião dos 20 anos de fundação do ICA, a reportagem de A COMARCA conversou com Tarcísia Mônica Mazon Granucci, fundadora do projeto, que explicou que a história da instituição remete à matriarca da família, Sofia Mazon. “Minha mãe tinha uma preocupação muito grande com as crianças do Educandário, que eram atendidas até os dez anos de idade”, relembra.

Foi esse o gatilho para que Tarcísia procurasse a ajuda de amigos para tirar do papel a ideia de criar uma organização social. Com a parte jurídica resolvida, o ICA começou a funcionar em um galpão desativado na Rua Padre Roque, onde antes funcionava uma tapeçaria para os ônibus da Viação Santa Cruz, empresa da família Mazon.

Nos primeiros anos, aliás, o patrocínio da Viação Santa Cruz e da própria família Mazon foi fundamental para que o ICA desse seus primeiros passos. Tudo em prol do ideal de dona Sofia. “Minha mãe dizia: ‘quero que essas crianças sejam pessoas boas para a sociedade’. E essa sempre foi nossa missão, que esses adolescentes façam a diferença”, destacou Tarcísia.

De início eram 40 crianças atendidas, 20 em cada turno (sempre o contrário da escola, evidentemente). E logo de cara Tarcísia tratou de mudar a aparência desses jovens. “Eu não queria que as crianças do ICA se sentissem estigmatizadas”, justificou. Prova maior foi o primeiro desfile da instituição no Dia da Cidade. Os uniformes da banda vieram de Brasília e chamaram a atenção de todos. “Quando a criança gosta dela, ela gosta do mundo”, completou.

Cada vez mais o projeto se difundia pela cidade e atraía a atenção de diversos voluntários, que ajudavam como podiam, desde doações até aulas das mais variadas áreas para as crianças. “Era uma ‘colcha de retalhos’, mas a gente entendeu que precisava de um caminho. E a gentre entendeu que a arte era o nosso canal”, ressaltou a fundadora do ICA.

E foi assim que o circo, nas suas diversas formas de expressão, se tornou a vocação do ICA. “A arte não é fim, é meio, é para atrair, potencializar, transformar e formar gente boa, bons seres humanos”, destacou Tarcísia. Da mesma maneira, o ICA encontrou uma forma de se sustentar: através de inscrições de projetos que possuem apoio das leis de incentivo à cultura. O Itaú-Unicef, que já premiou o ICA, é um exemplo célebre.

A instituição foi crescendo e um novo prédio era uma demanda já esperada. Concretizada em 2014, oficialmente, com um espaço que contempla salas de dança, música, teatro e circo (todas de excelência), além de biblioteca, rádio, dois auditórios, banheiros adaptados, cozinha industrial, área de educação social, artes plásticas, local para espetáculos… tudo do melhor. “Essas crianças merecem, a vida já as maltratou demais”, disse Tarcísia.

A fundadora Tarcísia Mazon Granucci ao lado do quadro da mãe Sofia e dos diversos prêmios dados ao ICA

Apesar do moderno prédio, o ICA não cabe em si. Está presente com seus projetos em outros sete espaços espalhados por Mogi Mirim: uma escola estadual, três escolas municipais e os três Centros de Referência de Assistência Social (Cras). A instituição conta ainda com um Centro de Voluntariado, que faz a ponte entre entidades e voluntários. Somando todos esses braços, é possível dizer que o ICA atingiu 16 mil pessoas no ano passado.

Tudo feito com a maior transparência possível. Hoje, diretores de empresas são convidados para integrarem a diretoria do ICA e verificarem de perto como os recursos são investidos. É uma estrutura grande e rica em diversidade para atender aos jovens de Mogi Mirim. O motivo de tudo isso, Tarcísia tem na ponta da língua. “A gente pode resumir em amor”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp