A Comarca

Mogi é suspenso das competições da CBF

O vexatório ano vivido pelo Mogi Mirim parecia ter encerrado com o rebaixamento da equipe para a Série D do Campeonato Brasileiro. Parecia. Mais um capítulo da desastrosa gestão de Luiz Henrique de Oliveira foi escrito na noite de quarta-feira, 1º, quando o presidente do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), Ronaldo Botelho Piacente, suspendeu o Mogi Mirim de todas as competições promovidas pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

O motivo da medida é o não pagamento de taxas de arbitragem e multas impostas por não cumprir a decisão. Com isso, o clube está impedido de participar de qualquer competição realizada pela CBF até a quitação do débito. A participação do Mogi Mirim na Copa São Paulo de Futebol Junior e na Série A3 do Campeonato Paulista, ambas com início em janeiro de 2018, a princípio, não estará comprometida com a decisão da Justiça Esportiva nacional.

O clube já tinha sido condenado pelo não recolhimento das taxas devidas. Em sessão realizada no dia 20 de outubro, a 4ª Comissão Disciplinar do STJD multou o Mogi Mirim em R$ 2 mil, pelo não cumprimento de decisões anteriores do órgão. São R$ 1 mil para cada um dos processos julgados. O Mogi tinha sido julgado no dia 8 de agosto por não ter recolhido as taxas de arbitragem do jogo contra a Tombense, realizado no dia 29 de julho, no estádio Vail Chaves.  Incluindo o transporte, o valor era de pouco mais de R$ 5,6 mil.

Na ocasião, por unanimidade de votos, os auditores da 2ª Comissão Disciplinar decidiram punir o clube com uma multa no valor de R$ 1 mil. No dia 25 de agosto, o Mogi Mirim voltou ao banco dos réus, para ser julgado pelos incidentes no jogo contra o Ypiranga, no dia 12 de agosto, também no Vail Chaves.

O clube foi denunciado pela falta de pagamento das taxas – quase R$ 7 mil – e pelo WO ocorrido na oportunidade, quando os jogadores se recusaram a entrar em campo pelo atraso no pagamento dos salários. O Mogi Mirim foi punido pela 4ª Comissão Disciplinar do STJD com multa de R$ 1 mil com base nos artigos 191 (deixar de cumprir, ou dificultar o cumprimento de obrigação legal e/ou de regulamento, geral ou especial, de competição) e 203 (deixar de disputar, sem justa causa, partida, prova ou o equivalente na respectiva modalidade, ou dar causa à sua não realização ou à sua suspensão).

No mesmo julgamento, o presidente Luiz Henrique de Oliveira foi punido pelo não pagamento das taxas de arbitragem. O mandatário foi suspenso por tempo indeterminado até que a dívida fosse quitada e comprovada. Como não cumpriu as ordens judiciais, o clube foi julgado novamente, agora enquadrado no artigo 223 do CBJD (Código0 Brasileiro de Justiça Desportiva), que versa sobre ‘deixar de cumprir ou retardar o cumprimento de decisão, resolução, transação disciplinar desportiva ou determinação da Justiça Desportiva’.

A pena é o pagamento de multa que varia de R$ 100 a R$ 100 mil. O clube foi multado em R$ 1 mil para cada um dos processos. O pagamento da multa deveria ter sido comprovado até segunda-feira, 30. Como não quitou, o STJD decidiu suspendeu o Mogi até que honre as dívidas.

O clube ainda não se manifestou sobre a suspensão. Enquanto a dívida perdurar, Luiz Henrique segue suspenso, ou seja, não pode exercer as funções na presidência. Por essa razão, o vice Vantuíres Pinto de Oliveira responde pelo Mogi Mirim Esporte Clube como presidente em exercício.

Luiz Henrique de Oliveira está suspenso
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp