A Comarca

Contestada, Prefeitura adia demolição do Centro de Saúde

Flávio Magalhães

A Prefeitura adiou a demolição do antigo Centro de Saúde, na Avenida Santo Antônio, antes prevista para o feriado de 9 de julho, segunda-feira. A informação foi dada pelo secretário de Governo Danilo Zinetti, que admitiu precipitação na divulgação da data em que o imóvel será derrubado. “Não queremos brigar com ninguém, vamos nos adequar às posições contrárias”, afirmou à imprensa.

No entanto, Zinetti reforçou a posição da Administração Municipal de derrubar o prédio. Explicou que a reforma era a primeira opção da Prefeitura, mas que essa ação dispenderia muitos recursos. “São quase mil metros de construção, seriam gastos R$ 2 milhões. Será que é vantagem?”, questionou, lembrando que a Prefeitura tem outras prioridades em investimentos, como na área da Saúde.

Além disso, o Governo precisa aguardar o parecer do Centro de Documentação Histórica (Cedoch), como determina a legislação vigente, já que o prédio está no chamado Centro Histórico de Mogi Mirim. Contudo, tal parecer é consultivo, não deliberativo, ou seja, não tem o poder de vetar uma decisão do Poder Executivo pela demolição.

A documentação necessária foi enviada ao Cedoch na terça, 3, já que a matrícula do imóvel ficou pronta na segunda-feira, 2. “Não vamos derrubar sem um parecer do Cedoch”, explicou Zinetti. “Mas estamos muito tranquilos, vamos aguardar e nos reunir novamente”, informou o secretário de Governo, muito embora já tenha descartado investir muitos recursos no local. “Seria um desperdício de dinheiro no momento”.

A vistoria no imóvel foi realizada no último dia 26, por técnicos da Prefeitura. O relatório, o qual A COMARCA obteve acesso, aponta que o prédio “apresenta todos os problemas decorrentes do tempo, agravado pela falta de uso e manutenção”. Destaca trincas, rachaduras e infiltrações no local, além do piso que cedeu em diversos pontos e do telhado comprometido.

Uma reforma, segundo o relatório, envolveria a troca de todo o piso interno e externo e compactação, reforço na estrutura do imóvel, tratamento de trincas e rachaduras, troca de todo o reboco interno e externo, troca de todos os caixilhos e portas, troca da estrutura danificada do telhado e cobertura, nova rede hidráulica e elétrica e pintura.

Sem manutenção, o terreno se tornou atrativo para o descarte de materiais, levando preocupação às autoridades sanitárias e epidemiológicas quanto a existência de possíveis criadouros do Aedes aegypti. Outro fator evidenciado pelo abandono – como a retirada dos portões – faz com que moradores em situação de rua pernoitem no local.

Essas ocorrências, aliás, fizeram com que as negociações fossem aceleradas pela Prefeitura junto ao Estado, a fim de passar a administrar o espaço público. O deputado Barros Munhoz (PSDB) intercedeu junto ao então governador Geraldo Alckmin (PSDB). O acordo prosperou e desde 8 de junho – data de assinatura da escritura de doação da área e do imóvel pelo prefeito Carlos Nelson Bueno (PSDB) – o espaço é patrimônio do município.

A Prefeitura já revelou a intenção de criar uma área verde naquele local, permitindo viabilizar uma espécie de extensão natural do Centro Cultural “Professor Lauro Monteiro de Carvalho e Silva”, localizado ao lado do terreno. Além da arborização, a infraestrutura a ser construída permitiria que diversas atividades culturais e recreativas também possam ser realizadas no local.

Condições precárias do prédio inviabilizam uma reforma no momento
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp