A Comarca

Sem 13º salário, funcionários da Santa Casa podem entrar em greve

Os funcionários da Santa Casa de Mogi Mirim pode entrar em greve na próxima quinta-feira, 13. O motivo é o atraso no pagamento do 13º salário e a proposta da direção do hospital, recusada pelos trabalhadores, de quitar o benefício em fevereiro do próximo ano. A decisão dos funcionários tem o amparo do Sinsaúde, o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde e Região.

Uma assembleia foi convocada no último dia 3. depois que a Santa Casa deixou de pagar a primeira parcela do 13º salário dos funcionários no dia 30 de novembro e avisou que não teria como honrar o benefício dentro dos prazos estipulados pela Lei. “A Santa Casa deixou de pagar o 13º do ano passado, que é objeto de ação judicial. E agora, o mesmo fato está ocorrendo, gerando um descontentamento nos trabalhadores”, justificou o diretor jurídico do Sinsaúde, Paulo Gonçalves.

O 13º salário pode ser pago à vista ou em duas parcelas. Via de regra, o pagamento parcelado é feito no dia 30 de novembro e até o dia 20 de dezembro. Gonçalves informou que o sindicato tem uma linha geral, apoiada por boa parte dos trabalhadores, de que quando o empregador não paga a primeira parcela no dia 30, há a possibilidade de a empresa fazer o pagamento integral até o dia 10 de dezembro, sem cobrança de juros e multa.

Gonçalves destacou ainda que o manifesto de greve foi comunicado ao Ministério Público do Trabalho, ao Conselho Municipal de Saúde, à Prefeitura e à Câmara Municipal. “Pode acontecer um fato político que resolva esse impasse. Estamos abertos a uma proposta para levar para apreciação dos funcionários em assembleia”, frisou.

Para o diretor, a manifestação de greve é o resultado de uma somatória de situações que vem causando descontentamento nos trabalhadores. “São atrasos nos pagamentos de férias, demissão sem acerto, enfim, é uma série de fatores que tem gerado esse cenário”, frisou.

“Peço encarecidamente que a população ajude os funcionários. Os trabalhadores da saúde são diferenciados, por lidar com vidas. Imagina um funcionário que espera o ano todo para receber o 13º, pagar suas contas e passar o fim do ano com a família, e não recebe? Como vai trabalhar lidando com vidas humanas? ”, atentou.

E acrescentou. “A Santa Casa não pode continuar assim, sem diálogo com o Sindicato penalizando seus funcionários. Uma entidade filantrópica que depende do SUS não deve ficar esperando dinheiro cair do céu, precisa se mexer para honrar seus compromissos; deve por exemplo, correr atrás de agentes políticos que possam intermediar junto aos governos, verbas que venham suprir este tipo de necessidade”, apontou o diretor.

Através da assessoria de comunicação, a diretoria da Santa Casa se manifestou apenas dizendo que está tentando honrar seus compromissos e que tem até segunda-feira para tentar evitar uma greve.

Em assembleia realizada nesta terça-feira, 11, os trabalhadores da Santa Casa decidiram adiar para a próxima quinta-feira, 13, a decisão sobre a greve. A decisão foi tomada para que os trabalhadores possam contar com o apoio da população e entidades do município.

Na quinta, às 14h, os trabalhadores realizarão uma passeata pelas ruas e avenidas do município, saindo da Santa Casa até a porta da Prefeitura. Após a marcha que pretende conscientizar a população sobre a situação dos trabalhadores da Santa Casa, haverá uma nova assembleia na porta do hospital, para dar início ou não à greve.

Ainda nesta terça-feira, a Santa Casa apresentou uma proposta de pagar o 13º desse ano e o do ano passado em quatro parcelas a partir de abril de 2019, proposta que foi prontamente rejeitada pelos trabalhadores.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp