A Comarca

Após 141 roubos em 4 meses, MP investiga Segurança Pública

Flávio Magalhães

Um inquérito civil foi instaurado pela promotora Paula Magalhães da Silva Rennó para investigar a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e o Município de Mogi Mirim em razão da ineficiência dos serviços públicos na área de segurança. O Ministério Público (MP) chama a atenção para o número de roubos ocorridos na cidade e para os inquéritos policiais arquivados sem solução.

A Promotoria aponta que, apenas nos primeiros quatros meses do ano, ocorreram 141 crimes de roubo (mais de um por dia, em média) e 65 crimes envolvendo drogas (um a cada dois dias, em média). Para a promotora, esses dados revelam que o serviço de segurança pública em Mogi Mirim “não está funcionando de forma eficiente”.

A promotora considera ainda que melhorias simples, como benfeitorias no sistema viário e na iluminação pública, contribuem para o aumento da segurança. Além disso, lembra que, apesar da segurança ser dever do Estado, através das polícias civil e militar, a Guarda Civil Municipal (GCM) também tem papel importante na prevenção e combate ao crime.

Diante disso, o MP questiona o secretário estadual de Segurança Pública, General João Camilo Pires de Campos, se existe a previsão da adoção de medidas para melhoria da segurança em Mogi Mirim e quais providências foram adotadas nos últimos anos. Também busca qual o percentual de eficiência da Polícia Civil e da Polícia Militar (PM) na cidade.

À Prefeitura, a Promotoria também questiona quais medidas serão adotas no município. Indaga se há alguma central municipal de monitoramento da cidade por sistema de câmeras e se existe a previsão de instalação de bases regionais da GCM. Também pergunta se há parcerias existentes com a Secretaria Municipal de Segurança Pública de Mogi Guaçu e com instituição de ensino superior locais ou regionais.

Para a Câmara Municipal, o MP solicita informações sobre projetos de lei em tramitação ou já aprovados que visem a melhoria da segurança pública, bem como se há alguma comissão instituída para esse fim e se tem fiscalizado efetivamente as ações tomadas pelo Poder Executivo nesse setor. Também questiona se há projetos de lei em trâmite para valorização dos guardas civis municipais.

A Delegacia da Polícia Civil, o Batalhão da Polícia Militar e a Guarda Civil Municipal também foram oficiados para que apresentem informações sobre uma possível parceria entre as forças policiais para prevenção e apuração de crimes. Também são questionados sobre os bairros da cidade que mais concentram ocorrências criminosas, sobre as estratégias de policiamento ostensivo, sobre o percentual de resolutividade dos inquéritos instaurados e sobre as atuais estruturas de recursos humanos e materiais.

Por fim, a Promotoria solicita à Associação Comercial e Industrial de Mogi Mirim (Acimm) que inclua em pauta de reunião o tema da segurança pública, para que sejam pontuados os problemas mais enfrentados pelos comerciantes, bem como eventuais sugestões. Um exemplo citado pela própria promotora é o City Câmara, utilizado em São Paulo a partir de câmeras particulares que monitoram vias públicas.

Após serem notificadas sobre o inquérito civil, cada uma das partes envolvidas tem até dez dias para responder ao Ministério Público todas as informações solicitadas. Após a apuração dos fatos, a promotora pode ingressar com uma ação civil pública na Justiça.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp