!


Guarda Civil Municipal completa 61 anos de fundação

Amanhã, quinta-feira, dia 18, a Guarda Civil Municipal (GCM) de Mogi Mirim completa 61 anos de existência. O dia será marcado por uma cerimônia na Secretaria de Segurança Pública em homenagem às pessoas que fizeram parte do dia a dia da corporação nessas mais de seis décadas. 

Também haverá o descerramento de uma placa alusiva à data. A GCM foi criada em 18 de novembro de 1960, pelo então prefeito Luiz Franklin Silva. O atual secretário municipal de Segurança Pública recorda que um tio dele, Orlando Felício, fez parte dessa primeira etapa da GCM. “Ele fazia patrulha a cavalo e usava apenas um cassetete e um apito”, explicou Luiz Carlos.

Mogi Mirim, à época, cerca de 25 mil habitantes e a função dos guardas municipais era patrulhar, principalmente, praças, jardins e ruas da região central. Depois de uma paralisação de suas atividades, a Guarda Municipal voltaria apenas em 1980, através do empenho do prefeito Ricardo Brandão, que recriou a corporação.

Uma época bem diferente da atual, na qual a GCM acompanhou o crescimento da cidade. Na época, as patrulhas eram feitas em Vokswagens azuis e brancos e o armamento não passava de um revólver Taurus 38. 

Hoje, a GCM usa armamento moderno, como pistolas Imbel 380, espingardas calibre 12, escudos e coletes balísticos, munição não letal, dentre outros equipamentos. Em breve, a GCM vai incorporar carabinas .40 em seu arsenal. 

O secretário de Segurança também faz questão de lembrar que a GCM já incorporou tecnologias de ponta, como a Muralha Digital, um sistema que monitora a entrada e saída de veículos da cidade, e um estande virtual de tiro. No próximo dia 23, a corporação estará implantando a terceira repetidora de radiocomunicação, além de outros três pontos de monitoramento da Muralha Digital.

Conta ainda com divisões especializadas, como as Rondas Ostensivas Municipais (Romu), Grupo de Operações com Cães (GOC), Ronda Escolar, Patrulha Rural e as recém-criadas Patrulha Maria da Penha e a patrulha do Distrito de Martim Francisco. 

Francisco Carlos Pereira dos Santos, o GCM Pereira, tem 56 anos de idade, e 30 deles dedicados à corporação. Lembra até o dia em que ingressou na Guarda: 3 de setembro de 1991. “Era metalúrgico antes disso. Hoje, tudo o que conquistei devo à GCM”, orgulha-se. “Sinto-me extremamente gratificado em poder servir e proteger a população mogimiriana”, enfatizou Pereira.

O veterano também aconselha aos oito recrutas recém-integrados à GCM que não sejam afoitos. “O bandido que escapou hoje, será pego mais cedo ou mais tarde. Sejam pacientes e cuidadosos”, orienta. 

Sob o fato de muitas pessoas acharem que a GCM faz um trabalho de “enxugar gelo'' no combate às drogas, Pereira responde de pronto: “Imagina se não fosse essa batalha diária nas ruas, essas apreensões, prisões, etc? Certamente, o caos estaria dominando a cidade”.

NOVATOS
Tiago Costa da Silva, um dos recrutas da GCM, era agente socioeducativo da Fundação Casa (antiga Febem). Hoje, se diz muito mais satisfeito com o trabalho que desempenha como, por exemplo, poder ajudar a proteger as pessoas. “Sinto um enorme prazer em poder trabalhar na GCM. Uma sensação que não tinha em minha outra função”, admite. 

O colega dele, Edgard de Lima, já era GCM na cidade de Lindóia. Porém, em um curso de aperfeiçoamento regional, conheceu o pessoal da GCM mogimiriana. “Fiquei impressionado com a infraestrutura da Guarda local, da organização, empenho e profissionalismo dos guardas civis daqui. Por isso vim para cá”, explicou, sem esconder a alegria de agora fazer parte desse time.

Ao todo, este ano foram incorporados oito novos recrutas à GCM. O próprio secretário de Segurança, há 28 anos na GCM, diz que a corporação passa por mudanças profundas, sempre visando melhor servir à população.

Para o futuro, Luiz Carlos aponta a construção do estande de tiros dentro do terreno da própria secretaria e da criação da Academia de Segurança Pública, um local que vai capacitar, treinar e desenvolver as aptidões dos atuais GCMs, bombeiros e dos futuros agentes de segurança do município e região. “Este é um sonho que tentaremos concretizar o mais rapidamente possível”, finalizou. 

A Romu é uma das divisões da Guarda Civil Municipal de Mogi Mirim (Foto: Divulgação/Prefeitura)

Nenhum comentário:

Deixe um comentário

Scroll to top