A Comarca

“Não há mais nada a negociar”, diz Paulo Silva sobre greve

O prefeito Paulo Silva (PDT), em entrevista ao jornal A COMARCA, disse, nesta quinta-feira, 31, que “não há mais nada a negociar” com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Mogi Mirim (Sinsep) e que todas as propostas foram colocadas na mesa.

Sobre um reajuste acima de 2%, o prefeito foi enfático: “o orçamento municipal não aguentaria”. Paulo Silva acredita que vai haver bom senso por parte da categoria, uma vez que o reajuste e o conjunto de medidas proposto beneficiam, segundo explicou, quem ganha menos, ou seja, a maioria dos servidores.

“Se revogarmos os benefícios, como os R$ 300 de cartão alimentação, isenção da cesta básica e vale transporte, e dermos 10% de reajuste, vai significar muito pouco para quem ganha um salário. Aliás, é menos da metade do vale-alimentação”, comparou o prefeito.

Paulo Silva também apontou que na gestão do ex-prefeito Carlos Nelson Bueno (2017-2020), a inflação foi de 16%, mas ele só concedeu 5% de reajuste para os funcionários públicos. “No primeiro ano, o reajuste foi 0%. Depois deu 1,5% (2018), 2% (2019) e, por fim, 1,5% em 2020”, lembrou.

O prefeito disse que todos os reajustes de CNB ficaram abaixo da inflação. “Não podemos estourar o orçamento. Um reajuste de 11% comprometeria o nosso orçamento, além de ferir o limite prudencial da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal)”, ressaltou.

Um ponto que o Sinsep e a categoria vem questionando é sobre o reajuste do vale alimentação de R$ 300, que seria ofertado aos servidores anualmente. Paulo Silva respondeu que isso pode ser acertado com o sindicato, que colocaria um reajuste nos próximos dissídios. “Foi assim com a cesta básica, que foi melhorando ao longo dos anos”, observou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp