A Comarca

Agricultores reclamam de estradas rurais e Prefeitura promete providências

A conservação das estradas rurais de Mogi Mirim é assunto recorrente e motivo de reclamação há anos, ao longo de sucessivas administrações municipais. Na gestão do prefeito Paulo Silva (PDT), que completou 16 meses de governo, não é diferente. Agora, o assunto chegou a mobilizar até mesmo o Sindicato Rural.

Em um encontro realizado na Estação Educação, na última sexta-feira, 6, convocado por agricultores descontentes com a atual situação, o gerente do Sindicato Rural, Carlos Antônio Pereira, foi um dos participantes.

Além dele, participaram também o secretário de Agricultura, Oberdan Quaglio, o secretário de Governo, Massao Hito, e a vereadora Mara Choquetta (PSB). A COMARCA anotou as presenças de 32 agricultores.

Carlos Pereira, do Sindicato Rural, fez um relatório dos procedimentos acordados anteriormente e que, segundo ele, foram cumpridos parcialmente ou que sequer chegaram a ser cumpridos pela Prefeitura.

Trata-se de um conjunto de deliberações decorrentes da criação, em fevereiro passado, de uma comissão de produtores rurais, com a intenção de tornar mais ágil a interlocução com o Poder Público municipal.

Alguns dos agricultores que participaram do encontro se queixaram do estado de conservação das estradas que atendem suas propriedades. Em seguida, foi colocado como empecilho o fato de alguns deles não adotarem medidas fixadas em legislação municipal em suas propriedades para impedir, por exemplo, que a força das águas das chuvas invadisse as estradas, causando erosão e outros estragos.

Agricultores foram recebidos por Oberdan Quaglio e Massao Hito, que falaram em nome da Prefeitura; vereadora Mara Choquetta também esteve presente (Foto: A Comarca)

BUROCRACIA
Falaram em nome da Prefeitura Massao Hito e Oberdan Quaglio. O discurso de ambos refletiu a questão da morosidade da máquina pública em dar soluções imediatas, por exemplo, no caso da manutenção de máquinas e equipamentos, já que o Município, necessariamente, deve obedecer procedimentos burocráticos que retardam a o processo de manutenção, em alguns casos, em meses.

Ainda conforme esclareceram, também pesa contra o processo de manutenção das estradas rurais o fato de a Prefeitura dispor de poucas máquinas e caminhões, que são usados para atender ainda ao perímetro urbano. Em Mogi Mirim, são cerca de 500 quilômetros de estradas rurais que requerem manutenção permanente.

TERCEIRIZAÇÃO
Ao final da reunião, um participante questionou os representantes da Prefeitura sobre a opção de contratar serviços de terceiros para realizar tal manutenção. Massao Hito revelou que uma concorrência pública nesse sentido já foi concluída, aguardando apenas a assinatura do contrato, o que vai permitir, num primeiro momento, solucionar os pontos mais críticos, ao passo em que outros equipamentos são recuperados.

Ele adiantou ainda que, na próxima quinta-feira, haverá uma reunião entre diversos setores da Prefeitura com a finalidade de agilizar esse processo de manutenção da frota. “Estamos nos movimentando para que o atual quadro seja revertido o mais rapidamente possível”, assegurou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Veja mais
Confira mais notícias
Edições semanais
EDITORIAL
Capa Nelson Theodoro

Siga a comarca nas redes sociais

site_mobile_menu

Siga A Comarca

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp